Pular para o conteúdo principal

Pedagogia de Projetos, Relatório de Estágio, Plano de Aula, Observações e Avaliações.

Apresentando uma fábula com o avental didático-pedagógico no estágio.


Trabalho apresentado ao Curso Pedagogia da UNOPARVIRTUAL - Universidade Norte do Paraná, para a disciplina Estágio Supervisionado II. Aluno: João Carlos Maria
Orientador: Prof. Sandra Rampazzo
Tutor Eletrônico: Thalita Janaina de Oliveira Serrano
Tutor de Sala: Clarisvaldo da Silva Britto.
Campinas
2007
PLANO DE AULA GERAL
TEMA: NO SÍTIO DO SEU LOBATO ( natureza)
Era, uma vez um homem simples, que amava a natureza, os animais e as plantas. Chamava-se “Seu” Lobato e vivia num sítio, numa casinha e confortável, com sua mulher e seus animais de estimação. Todos os animais eram felizes porque recebiam muito carinho e atenção dos seus donos.

A primeira coisa que Seu Lobato e sua esposa faziam ao acordar era tratar dos bichinhos, dando a cada um sua comida predileta.

Havia um porquinho comilão, um pato e um ganso muito amigos uma ovelha muito carinhosa e um sapinho que adorava pular na frente de quem passava para dar um “sustinho”.

Um dia, o porquinho sumiu. Seu Lobato e sua esposa ficaram muito tristes e até choraram. Todos os outros animais estavam sentindo muita falta do amigo porquinho e cada um tratou de ajudar a procurar nos lugares que mais conheciam do sítio. Combinaram de ir cada um de um lado.

Até que o sapinho, que pulava rapidamente por todos os lugares, encontrou o porquinho deitado embaixo de uma árvore carregadinha de frutas maduras e ele já havia comido todas que caíram da árvore. Ficou tão pesado e barrigudo que nem conseguia sair de lá e voltar para casa.

Foi necessário o “Seu” Lobato ir buscá-lo. O sapinho foi pulando avisar e “Seu” Lobato logo compreendeu que ele queria que o seguisse. Assim conseguiu encontrar seu porquinho comilão.
O porquinho teve até que tomar remédio para dor de barriga, de tanto que comeu, mas aprendeu a lição, agora já sabe que não pode comer tanto de uma só vez. Essa foi a história elaborada pela professora com a minha ajuda e a ajuda dos pequeninos.

JUSTIFICATIVA: Após observar as crianças, e sua faixas etárias verificamos que elas sempre perguntavam sobre a fazenda, sítio e animais foi onde através da professora Rosane e dos próprios alunos , escolhemos este tema. Pra inserir elas no contexto do campo, ou eixo natureza e sociedade.(por que escolheu essa aula, qual sua importância)

OBJETIVOS GERAIS: Mostrar para as crianças, que existe outro tipo de moradia de lugares, onde as pessoas vivem com os animais e a natureza e comparar com a vida d na cidade ex (de onde vem o leite do mercado ou da vaca). E com isso transportar de um jeito lúdico e didático esses conceitos de uma maneira natural.

METODOLOGIA: A metodologia que utilizamos foi a de método de projetos ou pedagogia de projetos. Usamos um avental de pano bordado com um cenário trabalhado com rendas e flanela. No cenário, tem, uma lagoa o céu o pomar. E foram feitos bonecos de panos tipo dedoches, do porquinho, da ovelha, do sapo, do cisne, do pato e do Seu Lobato e esposa todos avulsos com velcro atrás deles. Com isso em mãos começasse a contar a história do sítio etc.


PROCEDIMENTO: Primeiro o professor se apropria bem do tema, se quiser pode até usar um espelho para narrar a historia para si mesmo e ao mesmo tempo se olhar no espelho. Depois a professora encaixa na rotina em que se conta historias e encaixa essa abordagem. É necessário que se prepare às crianças antes de se começar a contar. Logo, depois ela a medida em que vai contando, vai adicionando ao avental com o cenário os personagens avulsos que fazem partes da história. Tudo isso com muito sentimento e expressão e falando uma pouco sobre cada personagem etc. Uma observação importante no primeiro dia contamos a história e trabalhamos os nomes as cores, no segundo dia trabalhamos a seqüência dos personagens respeitando a idade deles que era de 3 anos,, no segundo dia matemática quantos personagens tem no cenário e assim por diante.

DESENVOLVIMENTO

Mexer com o imaginário das crianças, o mundo do faz de conta. Escolhendo história que correspondam com a idade e desenvolvimento. Por este motivo escolhemos ao método de projetos criado por Kilpatrick em cuja finalidade era englobar o ensino mediante atividades manuais. Esse método visou, sobretudo a participação de todos na confecção dos projetos. Ele dizia, “não podemos ensinar coerência, se não conhecemos o objetivo exato a ser alcançado. Qual é esse objetivo? Como a personalidade humana deve ser considerada?” (COTRIM; PARASI, p 287, 1985).
Assim, adequamos o método de projetos coma a criação de uma história, com o auxilio de um avental temático elaborado coma professora e as crianças. A ansiedade das crianças e da professora para ver o avental pronto foi muito interessante fui chamado de professor meu maior premio. Um dos principais objetivos de se contar histórias é o da recreação. Mas a importância de contar histórias vai muito além. Por meio delas podemos enriquecer as experiências infantis, desenvolvendo diversas formas de linguagem, ampliando o vocabulário, formando o caráter, desenvolvendo a confiança na força do bem, proporcionando a ela viver o imaginário.
Além disso, as histórias estimulam o desenvolvimento de funções cognitivas importantes para o pensamento, tais como a comparação (entre as figuras e o texto lido ou narrado) o pensamento hipotético, o raciocínio lógico, pensamento divergente ou convergente, as relações espaciais e temporais (toda história tem princípio, meio e fim ). Os enredos geralmente são organizados de forma que um conteúdo moral possa ser inferido das ações dos personagens e isso colabora para a construção da ética e da cidadania em nossas crianças.

AULA 1 EIXO MATEMÁTICA

Objetivos: Construir de maneira lúdica o raciocínio lógico matemático, e desenvolver a seqüência da historinha.
Série: crianças do agrupamento 3 ( 3 anos de idade).
Número de participantes: Toda a sala.
Procedimento: Os procedimentos usados para esta atividade são iguais à mencionada acima, no plano de aula geral. A única diferença é que ao apresentar os personagens do avental o educador/a, pergunta as crianças quais os personagens apareceram primeiro.
Depois se começa a contar todos os personagens contidos na história, o personagem não devem passar de dez. A participação dos pequeninos foi espantosa eles realmente prestam atenção.
Tempo: 4 horas.

AULA 2 EIXO NATUREZA E SOCIEDADE

Objetivos: Inserir a criança no mundo, da natureza de maneira alegre e com emoção mostrando a elas que existe outros lugares, onde pessoas vivem de maneira diferente da nossa. E também mostrar que muita coisa que compramos no mercado vem desses lugares.
Série: crianças do agrupamento 3.(idem acima).
Número de participantes: Todas as crianças, da sala.
Procedimento: O mesmo utilizado no plano de aula geral. Com uma diferença ao se contar a história o educador/a vai mostrando que muitos daqueles objetos e seres ouvidos e vistos, podem ser vistos onde eles moram ou no mercado ex. o sol, o porco a pato, o leite da vaca.
Tempo: 4 horas.



AULA 3 EIXO LINGUAGEM ORAL

Objetivos: Incorporar, linguagens, novas para que os pequeninos possam enriquecer sua linguagem oral.
Série: crianças do agrupamento 3.(idem acima).
Número de participantes: Todas as crianças, da sala.
Procedimento: Seguir o mesmo do anterior só que com, uma mudança ao se contar a historinha com o avental o educador/a deve nomear os objetos dando nomes. E explicando para as crianças que elas também tem um nome e que seus amiguinhos também. Na verdade eles vão começar a perceber que quando damos nomes às coisas ficam mais fáceis se expressar etc.
Tempo: 4 horas.

RELATÓRIO DE ESTÁGIO

Rotina estrutura básica, e tão preciosa nas atividades do dia. A rotina diária é o desenvolvimento prático do planejamento. É também a seqüência de diferentes atividades que acontecem no dia-a-dia da escola de educação infantil e é esta seqüência que vai possibilitar que a criança se oriente na relação tempo-espaço e se desenvolva. Uma rotina adequada é um instrumento construtivo para a criança, pois permite que ela estruture sua independência e autonomia, além de estimular a sua socialização.
Podemos observar que na escola Hilário Magro Jr. onde realizamos o nosso estágio a importância do planejamento da rotina. O acolhimento de boas vindas, as atividades dirigidas, o espaço pra brincar, as atividades especiais dos dias das mães, dos pais, dia da arvore, dia sete de setembro etc. Maria Carmen Barbosa e Maria da Graça Horn, afirma em Organização do Espaço e do Tempo na Escola Infantil.

O cotidiano de uma Escola Infantil tem de prever momentos diferenciados que certamente não se organizarão da mesma forma para crianças maiores e menores. Diversos tipos de atividades envolverão a jornada diária das crianças e dos adultos: o horário da chegada, a alimentação, a higiene, o repouso, as brincadeiras – os jogos diversificados – como o faz-de-conta, os jogos imitativos e motores, de exploração de materiais gráficos e plásticos – os livros de histórias, as atividades coordenadas pelo adulto e outras.( BARBOSA; HORN, Artmed, 2001).

Assim, para se organizar estas atividades de rotina é fundamental que a organização do tempo leve em consideração as necessidades de higiene, alimentação, cuidados.

OBSERVAÇÕES FEITAS COM CRIANÇAS DE 3- 4 E 5 ANOS DE IDADE

Crianças de 3 anos: As crianças dessa faixa etária recebem a nomenclatura de , agrupamento 3. A rotina e o planejamento são feitos de acordo com a idades delas. O dia a dia das crianças são de acolhimento, a professora recolhe os cadernos, vê recados cola recados. Estas atividades foram executadas por mim no período de estágio. As crianças são muito curiosas e também egocêntricas nessa fase e os conflitos são resolvidos de uma maneira adequada levando em conta cada criança afinal o Joãozinho não é igual ao Luizinho. O professor tem que ter um bom manejo de classe para não se perder e se estressar, e estressar os pequeninos. Afinal os adultos têm livros que abordam a temática criança já a criança não dispõe desse recurso. Os pequeninos são muito diferentes de outros tempos obrigando o professor uma constante evolução.
A primeira coisa feita pela professora logo após recolher os cadernos é contar uma história, eles adoram, também se ensinam canções e parlendas.
Tem também atividades dirigidas, de festividades onde são feitos trabalhos de pintura colagens etc.

Crianças de 4 anos: Ou agrupamento 4, as atividades de rotinas são basicamente as mesmas das crianças de 3 anos. O que diferencia o enfoque do professor é que as crianças dessa faixa etária vão um desenvolvimento psico-emocional e motor já conseguem colar sem ajuda, os desenhos vão ganhando um contorno mais firme já não é mais a garatuja. Observamos que à medida que os pequeninos vão crescendo vão se sentindo mais autônomos exigindo do educador/a um maior esforço em ajudá-los a superar seus próprios conflitos internos e externos.

Crianças de 5 anos: Agrupamento 5, a rotina dessa fase é basicamente igual das anteriores. Mas o impressionante é que as crianças conseguem escrever seus nomes sozinhas, o dia ou a data doa dia. O educar conta uma história e eles conseguem fazer desenhos das mesmas o que não ocorria nas outras fases. A coordenação motora está melhor, e estão quase saindo do estágio pré-operatório. Mas cabe ressaltar que o conhecimento das crianças não é linear mais sim descontinuo, ou seja, muitas vezes ela se apropria de um ensinamento, mas pode esquecê-lo.

CONSIDERAÇÕES FINAIS SOBRE O ESTÁGIO E A INTERVENÇÃO

A satisfação com que as crianças admiram o que para elas é novidade, é impressionante. Depois da intervenção elas querendo recortar revistas, e montar sua própria história. Agora elas não vêem as revistas como antes, mas sim como possibilidades de construir-se como sujeito que tem seus direitos e potencialidades. No começo para elas parece que não vai dar, mas quando conseguem é maravilhoso. Infelizmente a figura paterna está muito ausente hoje em dia. Percebemos no nosso estágio quantas coisas simples como, falar seus nomes (das crianças) ou prestar, atenção faz uma diferença enorme. Vimos também à importância de se anotar registrar, planejar enfim a rotina na organização do tempo. Quando lemos num livro técnico algo a respeito das crianças é uma coisa, mas ver aquelas palavras em ação é outra coisa. Conhecimento prático.

INTERVENÇÃO E MOSTRA DE ESTÁGIO

A intervenção foi muito proveitosa, as professoras na escola gostaram muito e principalmente as crianças e os pais. No mundo do imaginário um papel se transforma num brinquedo. E uma história numa fantasia esse mundo da criança é surpreendente. A capacidade de atenção aos detalhes.
No eixo matemático vimos às crianças prestarem atenção na seqüência dos personagens e seus nomes (agora eles dão mais atenção a esse detalhe). Professor como eles me chamavam carinhosamente, foi o maior presente (Gustavo 3 anos , eu já sei segurar o lápis e vou desenhar o seu Lobato). Uma mãe me disse; a Júlia está que rendo recortar uma revista e montar uma história.
No eixo natureza, a classe toda em dias variados vinha me dizer, Tio eu fui ao mercado e disse para meu pai que o leite vinha do sítio do Seu Lobato. Outros me diziam que viu um sapo e que ele morava numa lagoa perto de sua casa etc. Como é gratificante ver os pequeninos em ação.
No eixo língua oral eles mostrando uns para os outros, que sabiam palavras novas foi uma competição interessante, bem que Vygotsky, diz que a linguagem estrutura o pensamento. Vimos isto na prática e também lemos nos livros a somatória dos dois deu a práxis pedagógica. Como também a emoção é um chamamento para a ação. (VYGOTSKY, 1991).
Na mostra de estágio trocamos experiências, contamos nossas intervenções, tinha um trabalho mais lindo do que o outro. Essa interação me fez amadurecer e fixar conhecimentos, não só teóricos mais também práticos.


REFERÊNCIAS

BARBOSA, Maria Carmen; HORN, Maria. Organização do espaço e do tempo na Escola Infantil: Pra que te quero? Porto Alegre: Artemed, 2001.

COTRIM, Gilberto Vieira; PARASI, Mário. Fundamentos da educação: história e filosofia da educação. 10 ed. São Paulo: Saraiva, 1985.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1991.


Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…