Pular para o conteúdo principal

História da Educação Resumo.

Recados e Imagens - Paisagens - Orkut



História da Educação

A pedagogia é teoria crítica da educação, ou seja, da intervenção do homem na transmissão e transformação da cultura. A educação é dependente da política.
Sociedades Primitivas: a educação consistia na integração nas tribos. Consistia na imitação dos adultos. A aprendizagem surge das necessidades quotidianas, não sendo programada.
Antiguidade Oriental: a educação tradicionalista
Nestas sociedades orientais, as classes mais baixas, lavradores, artesãos, etc., não tem direitos políticos nem acesso ao saber como a classe dominante. Inicialmente o conhecimento da escrita era bastante restrito, posuia um caráter sagrado. Aparece aqui o dualismo escolar, um destinado ao povo e outro a uma classe dominante. A grande massa é excluída da escola e restringida à educação familiar informal.
Antiguidade Grega: a paidéia
A Grécia Clássica pode ser considerada o berço da pedagogia. A palavra paidagogos significa aquele que conduz a criança, no caso o escravo que acompanha a criança à escola. Em geral, a educação grega está centrada na formação integral – corpo e espírito. Inicialmente, ainda sem a escrita, a educação é ministrada pela própria família, de acordo com a tradição religiosa. Só posteriormente começam a aparecer as primeiras escolas, para as massas populares.
Antiguidade Romana: a humanitas
De maneira geral, podemos distinguir três fases na educação romana: a latina original, de natureza patriarcal; depois, a influência do helenismo é criticada pelos defensores da tradição; por fim, dá-se a fusão entre a cultura romana e a helenística, que já supõe elementos orientas, mas nítida supremacia dos valores gregos.
Idade Média: a formação do homem de fé
A educação na idade média funde-se com a concepção do homem como criatura divina, que deve cuidar da salvação da alma e da vida eterna. Receando desde logo as contradições entre fé e razão, recomendava-se respeitar sempre o princípio da autoridade, que exigia humildade e subserviência aos grandes sábios autorizados pela igreja, sobre a leitura dos clássicos e dos textos sagrados. Limita-se, assim, a pluralidade de opiniões e mantém-se a coesão da igreja. Predomina a visão teocêntrica. Quanto às técnicas de ensinar, a maneira de pensar rigorosa e formal cada vez mais determina o trabalho escolar.
Renascimento: humanismo e reforma
Educar torna-se uma necessidade, segundo a nova concepção de homem. Aparecem os colégios, do século XVI até o XVIII, este fenómeno traz consigo uma nova imagem da infância e da família. A escola tem a função de transmissão de conhecimentos mas também a formação moral. Essa sociedade, mantém-se ainda fortemente hierarquizada, excluindo dos propósitos educacionais a grande massa popular, com exceção dos reformadores protestantes, que agem por interesses religiosos.
Atendendo aos Descobrimentos no Brasil dá-se: o início da colonização e catequese
A actividade missionária facilita sobremaneira a dominação metropolitana e, nessas circunstâncias, a educação assume papel de agente colonizador.
Idade Moderna: a pedagogia realista
Em geral as escolas continuam a ministrar um ensino conservador.
O Brasil do séc.XVII: Por se tratar de uma sociedade agrária e de escravos, não tem interesse na educação básica, daí a grande massa de iletrados.
Século das Luzes: o ideal liberal de educação
O iluminismo é um período muito rico em reflexões pedagógicas. Um de seus aspectos marcantes está na pedagogia política, centrada no esforço para tornar a escola leiga e função do Estado. Apesar dos projectos de estender a educação a todos os cidadãos, prevalece a diferença de ensino, ou seja, uma escola para o povo e outra para a burguesia. Essa dualidade era aceite com grande tranquilidade. Afinal, para a doutrina liberal, o talento e a capacidade não são iguais, e portanto os homens não são iguais em riqueza…
Século XIX: a educação nacional
É no séc. XIX que se concretizam, com a intervenção cada vez maior do Estado para estabelecer a escola elementar universal, leiga, gratuita e obrigatória. Dá-se maior relevo à relação entre educação e bem-estar social, estabilidade, progresso e capacidade de transformação.
Principais pedagogos:Pestalozzi – é considerado um dos defensores da escola popular extensiva a todos. Reconhece firmamente a função social do ensino, que não se acha restrito à formação do gentil-homem.
Froebel – privilegia a actividade lúdica por perceber o significado funcional do jogo e do brinquedo para o desenvolvimento sensório-motor e inventa métodos para aperfeiçoar as habilidades.
Herbart – para ele, a conduta pedagógica segue três procedimentos básicos: o governo, a instrução e a disciplina.
Século XX: a educação para a democracia
A pedagogia do século XX, além de ser tributária da psicologia, da sociologia e de outras como a economia, a linguística, a antropologia, tem acentuado a exigência que vem desde a Idade moderna, qual seja, a inclusão da cultura científica como parte do conteúdo a ser ensinado.
Sociologia: DurkheimAntes dele a teoria da educação era feita de forma predominantemente intelectualista, por demais presa a uma visão filosófica idealista e individualista. Durkheim introduz a atitude descritiva, voltada para o exame dos elementos do facto da educação, aos quais aplica o método científico.
Psicologia: o behaviorismo
O método dessa corrente privilegia os procedimentos que levam em conta a exterioridade do comportamento, o único considerado capaz de ser submetido a controle e experimentação objectivos. Suas experiências são ampliadas e aplicadas nos EUA por Watson e posteriormente por Skinner. O behaviorismo está nos pressupostos da orientação tecnicista da educação.
Gestalt:As aplicações das descobertas gestaltistas na educação são importantes por recusar o exercício mecânico no processo de aprendizagem. Apenas as situações que ocasionam experiências ricas e variadas levam o sujeito ao amadurecimento e à emergência do insight.
Dewey e a escola progressiva:O fim da educação não é formar a criança de acordo com modelos, nem orientá-la para uma acção futura, mas dar-lhe condições para que resolva por si própria os seus problemas. A educação progressiva consiste justamente no crescimento constante da vida, à medida que aumentamos o conteúdo da experiência e o controle que exercemos sobre ela. Ao contrário da educação tradicional, que valoriza a obediência, Dewey estimula o espírito de iniciativa e independência, que leva à autonomia e ao autogoverno, virtudes de uma sociedade democrática.
Realizações e Principais características da escola nova:educação integral ( intelectual, moral, física); educação activa; educação prática, sendo obrigatórios os trabalhos manuais; exercícios de autonomia; experiência de campo; co-educação; ensino individualizado. Para tanto as actividades são centradas nos alunos, tendo em vista a estimulação da iniciativa.
Escolas de métodos activos: Montessori e Decroly Montessori estimula a actividade livre, com base no princípio da auto-educação. Decroly observa, de maneira pertinente, que, enquanto o adulto é capaz de analisar, separar o todo em partes, a criança tende para as representações globais, de conjunto. Resta lembrar outros riscos dessa proposta: o puerilismo ou pedocentrismo supervaloriza a criança e minimiza o papel do professor, quase omisso nas formas mais radicais do não-directivismo; a preocupação excessiva com o psicológico intensifica o individualismo; a oposição ao autoritarismo da escola tradicional resulta em ausência de disciplina; a ênfase no processo faz descuidar da transmissão do conteúdo.
Teoria socialista – Gramsci A educação proposta por ele está centrada no valor do trabalho e na tarefa de superar as dicotomias existentes entre o fazer e o pensar, entre cultura erudita e cultura popular.
Teorias crítico-reprodutivistas: Por diversos caminhos chegaram a seguinte conclusão: a escola está de tal forma condicionada pela sociedade estratificada que, ao invés de democratizar, reproduz as diferenças sociais, perpetuando o “status quo”.
Teorias progressistas – Snyders Contra as pedagogias não-directivas, defende o papel do professor, a quem atribui uma função política. Condena a proposta de desescolarização de Ivan Illich. Ressalta o caráter contraditório da escola, que pode desenvolver a contra-educação.
Teorias antiautoritárias – Carl Rogers Visam antes de tudo colocar o aluno como centro do processo educativo, como sujeito, livrando-o do papel controlador do professor. O professor deve acompanhar o aluno sem dirigi-lo, o que significa dar condições para que ele desenvolva sua experiência e se estruture, por conta própria. O principal representante dessa teoria é Carl Rogers. Segundo ele, a própria relação entre as pessoas é que promove o crescimento de cada uma, ou seja, o acto educativo é essencialmente relacional e não individual.
Escola tecnicista:Proposta consiste em: planeamento e organização racional da actividade pedagógica; operacionalização dos objetivos; parcelamento do trabalho, com especialização das funções; ensino por computador, telensino, procurando tornar a aprendizagem mais objectiva.
Teorias construtivistas:
Piaget – segundo ele, à medida que a influência do meio altera o equilíbrio, a inteligência, que exerce função adaptativa por excelência, restabelece a auto-regulação.
Vygotshy - Ao analisar os fenómenos da linguagem e do pensamento, busca compreendê-los dentro do processo sócio-histórico como “internalização das actividades socialmente enraizadas e historicamente desenvolvidas”. Portanto, a relação entre o sujeito que conhece e o mundo conhecido não é directa, mas faz-se por mediação dos sistemas simbólicos.
Educação no século XX: o desafio da educação
Nesse contexto, os educadores da escola nova introduzem o pensamento liberal democrático, defendendo a escola pública para todos, a fim de se alcançar uma sociedade igualitária e sem privilégios.
Podemos dizer que Paulo Freire é um dos grandes pedagogos da actualidade, não só no Brasil, mas também no mundo. Ele baseia-se numa teologia libertadora, preocupada com o contraste entre a pobreza e a riqueza que resulta em privilégios. Na sua obra “Pedagogia do Oprimido” faz uma abordagem dialética da realidade, cujos determinantes se encontram nos factores económicos, políticos e sociais. Considera que o conhecer não pode ser um acto de “doação” do educador ao educando, mas um processo que se estabelece no contacto do homem com o mundo vivido. E este não é estáctico, mas dinâmico, em contínua transformação. Na educação autêntica, é superada a relação vertical entre educador e educando e instaurada a relação dialógica. Paulo Freire defende a autogestão pedagógica, o professor é um animador do processo, evitando as formas de autoritarismo que costumam minar a relação pedagógica. Na década de 70 destaca-se a produção teórica dos críticos-reprodutivistas, que desfazem as ilusões da escola como veículo da democratização. Com a difusão dessas teorias, diversos autores empenham-se em denunciar o fracasso escolar. A tarefa da pedagogia histórico-crítica insere-se na tentativa de reverter o quadro de desorganização que torna uma escola exclusiva, com altos índices de analfabetismo, evasão, repetência e, portanto, de selectividade. Para Saviani, tanto as pedagogias tradicionais como a escola nova e a pedagogia tecnicista são, portanto, não-críticas, no sentido de não perceberem o comprometimento político e ideológico que a escola sempre teve com a classe dominante. Já a partir de 70, começam a ser discutidos os determinantes sociais, isto é, a maneira pela qual a estrutura sócio-económica condiciona a educação.
A Educação no Terceiro Milénio: A explosão dos negócios mundiais, acompanhada pelo avanço tecnológico da crescente robotização e automação das empresas, faz-nos antever profundas modificações no trabalho e, consequentemente, na educação. Na tentativa de incorporar os novos recursos, no entanto, a escola nem sempre tem obtido sucesso porque, muitas vezes, apenas adquire as novas máquinas sem, no entanto, conseguir alterar a tradição das aulas. Perante as transformações vertiginosas da alta tecnologia, que muda constantemente os produtos e a maneira de produzi-los, criando umas profissões e extinguindo outras. Daí a necessidade de uma educação permanente, que permita a continuidade dos estudos, e portanto do acesso às informações, mediante uma autoformação controlada.
Es artigo é do blog, http://snpress.wordpress.com/ vale a pena conferir.
Obrigado por sua visita.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…