Pular para o conteúdo principal

Os Fazeres na Educação Infantil.


Um livro que vale a pena ter em casa. Mostra, todo o procedimento dentro de uma escola de educação infantil. Saber fazer é uma coisa explicar o saber é outra. João Maria

Este livro conta histórias sobre as formas de trabalhar com as crianças em creches e pré-escolas.
As histórias tecem as experiências práticas e os conhecimentos produzidos por um grupo de educadores e pesquisadores da Universidade de São Paulo.
Os temas abordados são: os medos, a alimentação, a higiene, o sono, as mordidas, as brigas, os materiais didáticos e os brinquedos, a chegada de uma criança portadora de deficiência, os afetos e desafetos, a arrumação do espaço, a aprendizagem e seus problemas, os limites, a disciplina.
O livro também apresenta textos sobre as novas leis que regulamentam o trabalho em educação infantil e as formulações mais recentes da ciência sobre o desenvolvimento das crianças.
Nesta obra você vai encontrar muitas histórias sobre os fazeres de crianças de 0 a 6 anos de idade e sobre os fazeres de uma instituição que as atende em parceria com as famílias. Histórias bem informadas, que ajudam pais e profissionais a refletirem sobre o seu próprio fazer com as crianças."


Sumário

1. O fazer dos fazeres: história de uma parceria produtiva
2. Um diálogo com os diretores de creches e pré-escolas
3. A formação nossa de cada dia
4. Virar gente: reflexôes sobre o desenvolvimento humano
5. Pais e educadores: a fome de conhecimento um do outro
Na relação entre pais e educadores deve existir espeço para expressar sentimentos, facilitando a adaptação na creche.
6. Relação afetiva, assunto de berçário
Reconhecer a importância do vínculo afetivo do bebê com a mãe e familiares é fundamental no trabalho do educador.
7. O adulto, um parceiro especial
O adulto facilita a criança a explorar o amiente e a socializa-se
8. Quando a criança começa a freqüentar a creche ou pré-escola
Planejamento e organização podem auxiliar nos primeiros dias da criança, dos familiares e dos próprios educadores na creche.
9. Encontros e despedidas
Educadores, crianças e famílias constroem vínculos aprendendo a despedir-se
10. Novo ano, nova turma, nova adaptação
O educador num processo de adaptação à nova turma, seus pais e antigos educadores.
11. Chegou a hora de ir para a escola
Crianças elaboram o processo de despedida da creche.
12. Como será que eu vou me virar com ele na turma?
Crianças portadoras de deficiências são capazes de fazer algumas coisas e outras, não. Como todo mundo
13. É meu, é seu, é nosso, ou é da creche?
Trabalhando com a idéia do que é próprio, a criança vai construindo sua identidade com o apoio e limite do educador
14. Bicho de estimação
O bicho de estimação pode ajudar uma criança a expressar sentimentos, compreender o que é respeito e responsabilidade
15. Conversando sobre a sexualidade
Questões sobre sexuallidade na creche e pré-escola
16. Quando a creche é lugar de desenvolvimento de gente grande
Relação entre o profissional da creche e o estudante de psicologia é tensa, mas pode ser produtiva.
17. Todo mundo tem bagunça, só a bailarina que não tem...
Reflexões sobre a delicada relação creche - família a partir de queixas costumeiras sobre as sacolas desarrumadas das crianças
18. Família é coisa pra se guardar do lado esquerdo do peito
Educadores trabalham com as crianças a idéia de família
19. Conversas para aprender a conversar
Falar e pensar não se aprende sozinho, mas na interpretação com outros
20. Olha o que eles estão falando
Imaginar o que as crianças estão pensando traz novas descobertas aos educadores
21. "Roda, roda, roda, pé, pé, pé..."
Investir na conversa de roda é uma forma de lutar pela cidadania
22. As histórias de um contador
Um contador de histórias educa, socializa, informa e desperta a imaginação das crianças na creche
23. Os contos que as caixas contam
Entender o mundo pode acontecer através de uma caixa de história
24. Rótulos, embalagens & cia
Ler rótulos ajuda na aprendizagem da escrita
25. "Vamos na biblioteca?"
Educadores de creche oferecem às crianças pequenas atividades para que elas tomem gosto pelo livro
26. Rito literário
Rito literário é um projeto de blibliotecas com pré-escolares
27. Poesia: a rima no trabalho com a linguagem
Crianças pequenas em contato com a poesia aumentam suas experiências afetivas e cognitivas
28. Faz-de-conta, por quê?
A linguagem do faz-de-conta, elemento básico do trabalho psicopedagógico na educação infantil, é discutida
29. O poder de um avental
O educador a proveita o faz-de-conta e exercita com as crianças a construção da autonomia e o fortalecimento da identidade
30. Criança fazendo arte
A arte é uma forma da criança entrar em contato consigo e com o universo
31. A música na creche
Trabalho com música ajuda a criança pequena a desenvolver-se e socializa-se
32. Gerando problemas
Educadores brincam com histórias e jogos para ensinar matemática ás crianças de quatro a seis anos
33. Minhocoscópio
Crianças de três anos observam minhocas: um estímulo para fazer ciência
34. A história do menino que engoliu um corpo estranho
Educadores promovem atividades psicopedagógicas para prevenção de acidentes na creche
35. Linha de produção Arco-Íris
Crianças da pré-escola compreendem idéias sobre higiene pessoal, químicas e vendas na criação de uma linha de produtos de beleza
36. Banho: que delícia!
Num banho bem organizado pelo educador, a criança brinca e constrói bons hábitos
37. Bolinhas de sabão
O banho das crianças nas creches
38. "Comer, comer...comer, comer...é o melhor para poder crescer
Dando mais autonomia para a criança comer, o adulto enfrentará menos resistência
39. Bem-vinda, Dona Maria Chicória
Como despertar o interesse em crianças que apresentam um repertório alimentar restrito
40. Trabalhadores da limpeza e cozinha também são educadores
41. Dona Escova e Comadre Alice
A linguagem dramática auxilia a criança a incorporar hábitos de higiene
42. Controle de esfícteres
Creche e família juntas educam o controle do xixi e do cocô e a aquisição de hábitos de higiene
A creche no seu dia-a-dia
Algumas fotos podem sugerir boas idéias
43. Nana, neném...ZZZZZZZ
O dormir e o acordar na creche é um processo que envolve uma série de rituais importantes para as crianças pequenas
44. Um lugar gostoso para o bebê
Educadores organizam o espaço de forma atraente para o desenvolvimento dos bebês
45. Um ambiente para explorar
Numa creche, espaços e objetos devem oferecer novas experiências aos bebês
46. Estruturando a sala
Interações na creche mudam dependendo da área espacial
47. Por que as crianças gostam de áreas fechadas?
Espaços circunscritos reduzem as solicitações de atenção do adulto
48. O porquê da preocupação com o ambiente físico
Planejamento do espaço favorece a aprendizagem e o desenvolvimento da criança
49. O canto que conta tanto: a organização de pequenos espaços
Educadores organizam espaços externo com cantinhos estruturados que vão se transformando continuamente
50. O canto caipira
Educadores e crianças de pré-escola organizam juntos o espaço externo da creche com um cantinho: o canto caipira
51. Mordidas: agressividade ou aprendizagem?
O primeiro contato da criança com o mundo é pela boca e morder faz parte disso
52. Sim e não na hora certa!
Pais e educadores dando limite e ouvindo as crianças
53. Pensando a disciplina
Trabalhar regras é mais importante do que ter uma classe quietinha
54. Novos ares para a educação infantil
55. As leis e a educação infantil
A vontade era contar tudo de uma vez, só que...
Sugestões de leituras

http://www.cortezeditora.com.br/

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…