Pular para o conteúdo principal

Freud e o Desenvolvimento: A teoria psicanalítica é como uma formulação desenvolvimentista da personalidade


Freud e o Desenvolvimento

A teoria psicanalítica é como uma formulação desenvolvimentista da personalidade

O desenvolvimento humano e a constituição do aparelho psíquico são explicados pela evolução da psicossexualidade.
A sexualidade está integrada no nosso desenvolvimento desde o nascimento, evoluindo através de estádios, com predomínio de uma zona erógena, que, quando estimulada, dá prazer.
Um dos conceitos mais importantes da teoria psicanalítica é a existência da sexualidade infantil.
Esta psicossexualidade envolve todo o corpo, é pré-genital e não centrada no aparelho genital, e nos primeiros anos é auto-erotica.

Organização das instancias do aparelho psíquico.

Id.

· É o primeiro elemento. Nasce com a criança. O seu conteúdo é constituído por toda a herança biológica do indivíduo, enquanto fonte da motivação e do prazer.
· É a fonte de toda a energia psíquica. É inconsciente e visa a satisfação imediata na busca exclusiva do prazer tendo assim a função de descarregar as tensões biológicas.
· A vida em sociedade seria impossível: é amoral.
· A busca narcísica e egocêntrica do prazer levaria a constantes frustrações e conflitos no mundo real.

Ego

· Orienta as pulsões de acordo com as exigências da realidade.
· Controla as exigências instintivas do Id, decidindo onde, quando e como são feitas. Tem o papel de árbitro na luta entre as pulsões inatas e o meio. É a parte racional da alma.
· É pressionado pelos desejos insaciáveis do Id, a severidade repressiva do Superego e os perigos do mundo exterior. Se se submete ao Id, torna-se amoral e destrutivo; se se submete ao Superego, enlouquece de desespero, pois viverá numa

insatisfação insuportável; se não se submeter à realidade do mundo, será destruído por ele. Por esse motivo, tem a dupla função de, recalcar o Id, satisfazendo o Superego, e satisfazer o Id, limitando o poderio do Superego.

Superego

· Autoridade do grupo social. Consciência moral que se liga a culpabilidade e a autocrítica.
· Representa um conjunto de valores nucleares como: honestidade, sentido de dever, obrigações, sentido de responsabilidade e outros.
· Também inconsciente faz a censura dos impulsos que a sociedade e a cultura proíbem ao Id, impedindo o indivíduo de satisfazer plenamente seus instintos e desejos.
· Repreende. Manifesta-se à consciência de forma indirecta.
· Produção da imagem “Eu ideal”, isto é, da pessoa hipermoral, boa e virtuosa.

Estádios Psicossexuais

Estádio Oral (0 – 12/18 meses)

O ser humano nasce com id, ou seja, um conjunto de pulsões inatas.
O ego forma-se no primeiro ano de vida, de uma parte do id, que começa a ter características próprias.
Neste período são particularmente importantes as percepções visuais e auditivas.

A zona erógena do bebé, nos primeiros meses é constituída pelos lábios e cavidade bucal.
A alimentação é uma grande fonte de satisfação.
O chupar o seio materno é para os freudianos a primeira actividade sexual.
Nesta altura a relação entre o bebe e a mãe, vai ter reflexos na vida futura.

Estádio Anal (12/18 meses – 2/3 anos)

A maturação e o desenvolvimento psicomotor vão permitir à criança reter ou expulsar as fezes e a urina.
Neste estádio a zona erógena é o ânus.
Este período etário corresponde a uma fase em que a criança é mais autónoma, procurando afirmar-se e realizar as suas vontades.

Estádio Fálico (3 – 5/6 anos)

Neste estádio a zona erógena é a região genital. O órgão sexual é a fonte de prazer, sendo comum a sua manipulação.
A criança estão interessadas nas diferenças anatómicas entre os sexos, às interacções homem e mulher, tem brincadeiras que exploram essa interação (aos pais e as mães). Tem comportamentos exibicionistas e gostam de espreitar.




Estádio de Latência (5/6 anos – puberdade)

Após a vivência dos complexos e com um superego já formado a criança entra numa fase da latência, ou seja, vai esquecer alguns acontecimentos e sensações, através de um processo que se chama amnésia infantil.
O estádio de latência caracteriza-se por uma diminuição da actividade sexual.
A criança pode nesta fase, de uma forma mais calma e disponibilizada, desenvolver competências a nível escolar, social, cultural… Via aprender a ser mulher ou homem na sociedade.

Estádio Genital (depois da puberdade)

A adolescência vai reactivar uma sexualidade que esteve como que adormecida durante o período de latência.
A puberdade traz novas pulsões sexuais genitais e o mundo relacional do adolescente é alargado a pessoas exteriores à família.
O adolescente vai reactivar o seu complexo de Édipo e poderá assim, fazer escolhas sexuais fora do mundo familiar, bem como adaptar-se a um conjunto de exigências socioculturais.

Conflitos inerentes aos diferentes estádios psicossexuais do desenvolvimento

Cada estádio é marcado pelo confronto entre as pulsões sexuais (libido) e as forças que se lhe opõem (ódio, raiva, desespero, ausência de desejo).

Estádio oral

Neste período a criança é muito passiva e dependente; e por outro em que a criança é mais activa e na época do desmame pode mesmo morder o seio da mãe.
O desmame corresponde a uma frustração que vai situar a criança em relação à realidade do mundo.

A mãe é então muito investida enquanto pessoa que pela sua presença dá prazer e pela sua ausência frustra. A partir deste acontecimento dá-se um primeiro passo no processo de separação.

Estádio anal

A estimulação do ânus neste estádio dá prazer à criança, todavia, as contracções musculares podem provocar dor.
A ambivalência está também presente na forma como a criança hesita entre ceder ou opor-se ás regras de higiene que a mãe exige.

Estádio Fálico

Complexo de Édipo

É vulgar ouvir os meninos dizer que a sua namorada é a mãe e quando forem crescidos querem casar com ela.
Segundo Freud, os desejos libidinosos do filho para com a mãe, são totalmente inconscientes, embora eles influenciem o seu comportamento, não é ciente deles.
À medida que o seu desejo se sente mais forte, a criança entra inconscientemente em competição com o pai. É a conjugação destes dois sentimentos (amor/rivalidade) que fazem com que surja no rapaz o desejo de imitar o pai, de ser como ele, para conquistar a mãe.
Isto origina outro complexo – o complexo da castração – em que o rapaz teme que o pai se vingue, mutilando-o, particularmente amputando-lhe os órgãos genitais. O que aqui nos parece negativo e de certo modo chocante é, pelo contrário, positivo e basilar para a estruturação da personalidade.

Complexo de Electra

O desenvolvimento da personalidade da rapariga segue as mesmas directrizes. A rapariga sente-se atraída pelo pai. Uma importante diferença é que a rapariga esteve desde sempre muito ligada à mãe e, nesta idade, vai investir e seduzir o pai.
É mais difícil rivalizar com a mãe porque receia perder o seu amor. As meninas sentem aquilo a que Freud chamou inveja do pénis, ou pura e simplesmente dão-se conta de que o não têm, culpam a mãe por as terem posto no mundo incompletas. Porém, a resolução deste complexo não chega a um desfecho abrupto e quando o desfecho é feliz, a rapariga identifica-se com a mãe e torna socialmente aceitáveis os seus sentimentos pelo pai.

Estádio de Latência

A vergonha, o pudor, o nojo, a repugnância são sentimentos que contribuem para reter e controlar a libido. A existência do superego vai manifestar-se em preocupações morais.
O ego tem mecanismos inconscientes, que permitem estruturar uma nova organização face as pulsões do id.

Estádio Genital

Alguns adolescente, face as dificuldades deste período, regridem, recorrendo a mecanismos como o ascetismo ou a intelectualização.

Ascetismo: o adolescente nega prazer, procura ter controlo das pulsões através de uma rigorosa disciplina e de isolamento.

Intelectualização: o jovem procura esconder os aspectos emocionais do processo adolescente, interessa-se por actividades como pensamento, colocando ai toda a sua energia.

Obrigado por sua visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…