Pular para o conteúdo principal

Slides sobre o método fônico.

A seguir slides sobre o método fônico.

dilsoncatarino


Slide 1: Prof. Dílson Catarino dilson@catarino.pro.br www.gramaticaonline.net

Slide 2: • Método de alfabetização aplicado pela correspondência entre símbolos e seus respectivos sons. • Símbolos: letras • Sons: fonemas.

Slide 3: • Letra: Cada um dos sinais gráficos elementares com que se representam os vocábulos na língua escrita. •Fonema: Unidade mínima distintiva no sistema sonoro de uma língua.

Slide 4: • Há uma relação entre a letra na língua escrita e o fonema na língua oral, mas não há uma correspondência rigorosa entre estes. Por exemplo, o fonema /sssss/ pode ser representado pelas seguintes letras ou encontro delas: c (antes de e e de i): certo, paciência, acenar. ç (antes de a, de o e de u): caçar, açucena, açougue. s: salsicha, semântica, soçobrar. ss: passar, assassinato, essencial. sc: nascer, oscilar, piscina. sç: nasço, desço, cresça. xc: exceção, excesso, excelente. xs: exsudar, exsicar, exsolver. x: máximo.

Slide 5: • Os sons da fala resultam quase todos da ação de certos órgãos sobre a corrente de ar vinda dos pulmões. Para a sua produção, três condições são necessárias: 6) A corrente de ar; 7) Um obstáculo para a corrente de ar; 8) Uma caixa de ressonância. Caixa de Ressonância: • - Faringe; - Boca (ou cavidade bucal): os lábios, os maxilares, os dentes, as bochechas e a língua; - Fossas nasais (ou cavidade nasal).

Slide 6: Órgãos respiratórios: Pulmões, brônquios e traquéia; • • Laringe (onde estão as pregas vocais); • Cavidades supralaríngeas: faringe, boca e fossas nasais.

Slide 7: • O ar chega à laringe e encontra as pregas vocais, que podem estar retesadas ou relaxadas. •Pregas vocais retesadas vibram, produzindo fonemas sonoros. •Pregas vocais relaxadas não vibram, produzindo fonemas surdos. S - Z

Slide 8: •Ao sair da laringe, a corrente de ar entra na cavidade faríngea, onde há uma encruzilhada: a cavidade bucal e a nasal. O véu palatino é que obstrui ou não a entrada do ar na cavidade nasal M - B

Slide 9: • Sons formados pela vibração das pregas vocais e modificados segundo a forma das cavidades supralaríngeas. • Não há obstáculo para a saída do ar, a não ser as pregas vocais. • As vogais são a base da sílaba. Não há sílaba sem vogal, e cada sílaba só pode ter uma vogal. • As consoantes são obstáculos à corrente de ar (só existem junto de uma vogal).

Slide 10: • 5 Letras vogais: • 12 Fonemas vocálicos: a, e, i, o, u. • Vogal aberta: a •Vogais semi-abertas: é, ó • Vogais semifechadas: ã, ê, ẽ, ô, õ •Vogais fechadas: i, ĩ, u, ũ • Nas vogais nasais, a corrente de ar flui em parte pela cavidade bucal, em parte pela nasal. Representam-se, na escrita, pelas cinco letras vogais, seguidas de m ou de n, ou com til, ou ainda seguidas de nh.

Slide 11: Vogais Médias Posteriores Elevação Articulação Anteriores ou velares ou da ou palatais Timbre centrais (velar = véu) língua i ĩ u ũ Fechadas + alta â=ã ôõ ẽ ê Semifechadas + - alta é ó Semi-abertas + - baixa a aberta + baixa Reduzidas: as vogais átonas e e o no final das palavras.

Slide 12: Semivogais Fonemas vocálicos com duração de som menor que a das vogais e que nestas se apóiam para constituir sílaba. Representação Representação Letras Fonemas gráfica fonética boi boy e i /y/ pães pãys cão kãw o u /w/ touro towro cantam kãtãw m* /y/ e /w/ sentem sẽtẽy n* /y/ hífen ifẽy * São semivogais somente nos encontros am, em e en , em final de palavra.

Slide 13: • 18 letras consoantes: b, c, d, f, g, h, j, l, m, n, p, q, r, s, t, v, x, z. • 19 fonemas consonantais: /b/, /k/, /s/, /d/, /f/, /g/ (gue), /j/, /l/, /lh/, /m/, /n/, /nh/, /p/, /r/, /R/, /t/, /v/, /x/, /z/.

Slide 14: • Cada som consonantal representa única e exclusivamente um fonema. Para pronunciá-lo, não se deve terminar por um som de vogal. Por exemplo, a consoante B, que é bilabial, deve ser realizada juntando os lábios e imaginando que soprará o ar para fora da cavidade bucal, não o fazendo, no entanto.

Slide 15: Consoantes Fonemas Ocorrências b /b/ ba, be, bi, bo, bu, bla, bra..., ab, eb... c /k/ e /s/ ca, co, cu , cla, cra..., ac, ec... / ce, ci d /d/ da, de, di, do, du, dla, dra..., ad, ed... f /f/ fa, fe, fi, fo, fu, fla, fra..., af, of g /g/ (gue) /j/ ga, go, gu, gla, gra... , ag, ig... / ge, gi h sem fonema ha, he, hi, ho, hu j /j/ ja, je, ji, jo, ju l /l/ la, le, li, lo, lu / al, el, il, ol, ul m /m/ ma, me, mi, mo, mu n /n/ na, ne, ni, no, nu p /p/ pa, pe, pi, po, pu, pla, pra... / ap, ep... q /k/ qua, qüe, que, qüi, qui, quo r /r/ e /R/ ara, era, ira..., ar, er, ir... / arra, erra, irra... / Ra, Re, Ri... s /s/ e /z/ Sa, Se, Si... , assa, asse, assi..., as, es, is... / asa, ase, asi... t /t/ ta, te, ti, to, tu, tla,tra..., at, et... v /v/ va, ve, vi, vo, vu x /s/ /z/ /ks/ e /x/ máximo, exame, fixo, mexer z /z/ e /s/ aza, aze, azi... / ..az, ...ez, ...iz, ...oz, ...uz

Slide 16: /m/ e /n/: São consoantes apenas em início de sílaba: mato, neto. No final das sílabas são simples sinais de nasalização: Canto = kãto Sentar = sẽtar Cinto = sĩto Encontro = ẽkõtro Nunca = nũka • Nos encontros am, em e en, em final de palavras, m e n são semivogais.

Slide 17: Consoantes Papel das cavidades bucal e nasal Orais Nasais /p/ /b/ /t/ /d/ /k/ /g/ /f/ /v/ /m/ /n/ /nh/ /s/ /z/ /x/ /j/ /l/ /lh/ /r/ /R/ • Nasais: A corrente de ar ressoa tanto pela cavidade bucal quanto pela nasal. • Orais: A corrente de ar ressoa somente pela cavidade bucal

Slide 18: Consoantes Modo de articulação Constritivas Oclusivas Fricativas Laterais Vibrantes /p/ /b/ /f/ /v/ /l/ /r/ /t/ /d/ /s/ /z/ /lh/ /rr/ /k/ /g/ /x/ /j/ • Oclusivas: O obstáculo à corrente do ar é total, ou seja, não há a saída do ar. • Constritivas: O obstáculo é parcial, ou seja, há a saída do ar. Fricativas: O ar sai em fricção; Laterais: O ar sai pelos cantos da boca; Vibrantes: Ocorre a vibração da língua ou do véu palatino.

Slide 19: Consoantes Papel das pregas vocais Surdas (sem vibração das p. vocais) Sonoras (com vibração) /b/ /d/ /g/ /p/ /v/ /t/ /z/ /k/ /j/ /f/ /l/ /s/ /lh/ /x/ /r/ /R/ /m/ /n/ /nh

Slide 20: Consoantes Ponto de articulação Bilabiais labiodentais linguodentais alveolares palatais velares /l/ /lh/ /p/ /s/ /k/ /f/ /t/ /nh/ /b/ /z/ /R/ /j/ /v/ /d/ /m/ * /n/ /g/ /x/ /r/ * Eis o motivo de se usar m antes de p e de b: são as três consoantes bilabiais.

Slide 21: Consoantes • Bilabiais: Fechamento dos lábios; • Lábiodentais: Contato do lábio inferior com os dentes incisivos superiores; • Linguodentais: Contato da língua com os dentes superiores; • Alveolares: Contato do dorso da língua com a parte anterior do “céu da boca”, chamado de alvéolo; • Palatais: Contato do dorso da língua com a parte posterior do “céu da boca”, chamado de palato. • Velares: Aproximação da parte posterior da língua com o véu palatino.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…