Pular para o conteúdo principal

Qual a diferença entre mapa mental e mapa conceitual?

Mapa Mental e Mapa Conceitual

Mapas Mentais e Mapas Conceituais são poderosas ferramentas para estudo. Podem ser usados para anotações em aulas e palestras, discussões estilo brainstorm, resumos de livros e outros materiais, organização do pensamento, indexação de grandes volumes de informação, etc.

Essencialmente, ambos são "diagramas de fluxo de pensamento", cujo grande objetivo é deixar o pensamento visualmente organizado, para que seja fácil recuperar a informação ali contida. É como se fossem "chaves" para recuperar toda uma linha de raciocínio. Aliás, palavras e conceitos-chave que literalmente produzirão isso. É possível sintetizar muita informação em um pequeno espaço, para que seja fácil processá-la e transformá-la em conhecimento.

Os mapas podem ser feitos à mão, mas há boas ferramentas para automatizá-los.

Mapas Mentais

Nos mapas mentais, há sempre uma ideia central (raiz), a partir da qual se "puxam" as ideias conectadas (galhos), numa estrutura em árvore. Em cada "nó", ou "caixa" do mapa, há apenas uma palavra, ou uma pequena frase. A organização é feita de forma a encadear o pensamento. E vale tudo: trabalhar com as cores, inserir imagens, etc.

Exemplo de Mapa MentalA Wikipedia possui um ótimo exemplo de Mapa Mental sobre Como Elaborar Mapas Mentais, no artigo sobre Mind Maps.

Mapas Mentais neste site:
Ferramentas recomendadas (depois de muitos testes):
  • Usando html5, offline, ou online, com a possibilidade de salvar os arquivos (.json) localmente, no google drive, ou na nuvem, há o mindmaps de David Richard. E também uma versão mais turbinada do trabalho dele no app.mindmapmaker.org.
  • Para Windows 8.x e Windows 10, meu preferido foi o espresso Mind Map. A limitação da versão gratuita é basicamente as marcas d'água ao se exportar os mapas para html ou imagem. A versão paga custa menos que um cafézinho. É o software que uso aqui no site, especialmente pela facilidade em exportar arquivos html.
  • Instalável e multiplataforma, provavelmente o software livre mais famoso seja o FreeMind, mas na minha opinião não vale tanto a pena assim, pois não há mais recursos dos que os disponíveis nas opções anteriores.

Mapas Conceituais

Os mapas conceituais diferem dos mentais pela presença de uma conexão entre os conceitos registrados nos nós, ou caixas. Essa conexão é feita sempre com um verbo, ou locução. Por exemplo: "é", "pode ser", "deriva de", "pode ser feito com". É também muito comum que os conceitos sejam interligados, numa estrutura mais para rede do que para árvore.

O site Learn About Concept Maps do Institute for Human and Machine Cognition (IHMC) é um ótimo ponto de partida. Eles também fazem o software mais 
popular para mapas conceituais, o CmapTools.

Muitas vezes um software como o MS Visio, o LibreOfiice Draw, ou a ferramenta de desenho do Google Drive acabam sendo a opção mais interessante para se elaborar um mapa conceitual.

Mapas Conceituais neste site:
pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…