Pular para o conteúdo principal

Dica de leitura do editor do Blog. Práticas para avaliação escolar Dicas e sugestões de como fazer de Geraldo Peçanha de Almeida


Práticas para avaliação escolar

Práticas para avaliação escolar
Dicas e sugestões de como fazer

Geraldo Peçanha de Almeida
 


 

Formato: 14X21
ISBN: 9788578541767
Edição: 1     Ano: 2012
N. Pag.: 104
Capa: BROCHURA


Avaliar, valorar, dar valor, fazer avaliação, tudo é muito difícil. A avaliação é, sem dúvida, o campo mais espinhoso da escola. E isso não se deve ao fato de que não sabemos fazer, mas simplesmente porque temos medo de fazer. O medo vem da ideia preliminar de que faremos mal àquele que estamos avaliando caso ele não se sai bem. Assim tenho visto os processos de avaliação acontecerem.

Sejam nas empresas ou nas escolas, os avaliadores costumam ter medo do resultado negativo da avaliação quando, na verdade, avaliar é justamente trazer o que tem efetivamente ali à tona, e se assim o é, tanto faz se o resultado for negativo ou positivo. A avaliação será um norteador para novas atitudes e novos procedimentos, todos com a finalidade de melhorar o indivíduo que se encontra no caminhar do processo.

Este livro traz um conjunto de instrumentos, sem medo, sem dogmas e sem rodeios. Alunos, professores e diretores escolares estão contemplados. Ele apresenta fichas, relatórios, atividades, modelos de provas, de testes, de avaliação cognitiva e até baterias de exercícios para verificar a aprendizagem a curto e médio prazo.

Estas contribuições não têm a intenção de serem totalizantes, mas de apresentar possibilidades concretas no caminho da avaliação que traz benefícios ao aluno. As fundamentações, as intenções, as teorias e os argumentos filosóficos para cada instrumento são apresentados, quando possível, no item denominado – POSTURA DESEJADA.

Sumário:

Apresentação

O processo de escolhas de técnicas para avalição escolar

Primeira sugestão de avaliação bimestral e composição de média final

Segunda sugestão de avaliação bimestral e composição de média final

Terceira sugestão de avaliação bimestral e composição de média final

Atividades para avaliar leitura e escrita em turmas de alfabetização: Primeiros anos de ensino fundamental de nove anos

Gêneros textuais em cada uma das séries - divisão para o trabalho de leitura

Gêneros textuais em cada uma das séries - divisão para o trabalho de escrita

Exemplo de provas usando gêneros do discurso - anos iniciais

Prova para alunos de primeiro ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Prova para alunos de segundo ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Prova para alunos de terceiro ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Prova para alunos de quarto ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Exemplo de atividades para avaliar leitura em avoz alta, do método fonético

Tabela para reestruturação textual

Práticas de avaliação de professores e demais funcionários da célula escolar

O que é bom e o que não é bom para a carreira de um profissional de educação?

Modelo de ficha para avaliação institucional do trabalho do professor.

Exemplo de parecer descritivo que apresenta todo o desenvolvimento do aluno

Programa de apoio e de intervenção aos critérios avaliativos não atingidos pelo aluno

Referências acadêmicas para consulta sobre o assunto

Referências bibliográficas sobre avaliação da aprendizagem escolar


fonte: http://www.clickbooks.com.br/product_info.php?products_id=2814

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…