quinta-feira, 10 de maio de 2012

O caminho do meio

 O caminho do meio
Sociólogo critica a transformação das instituições de ensino superior ocorrida após o processo de globalização, que as levou a uma competição pela comercialização do conhecimento

Luciana Fagundes
 

Boaventura lamenta que os departamentos de ciências humanas estejam subfinanciados, enquanto as tecnologias recebem a maioria dos investimentos
Figura atuante na defesa dos movimentos sociais para o controle democrático da sociedade e conhecido crítico do modelo neoliberal, o sociólogo português Boaventura de Souza Santos, em artigo publicado recentemente pelo Human Architecture: Journal of the Sociology of Self-Knowledge, adentra o universo das instituições de ensino superior numa análise sobre o modelo das universidades contemporâ­neas, a partir do Processo de Bolonha, o qual reformulou o sistema de ensino superior na Europa. Sob o título A universidade numa encruzilhada, Boaventura questiona o papel da universidade nos dias de hoje e afirma que ela está em crise, levada pelos próprios ideais que nortearam a criação dessas instituições pós-Revolução Francesa.De acordo com o sociólogo, que concedeu a entrevista exclusiva a seguir durante sua participação no Fórum Social Temático 2012, ocorrido em Porto Alegre, a economia globalizada afetou também as universidades de forma a transformar o conhecimento em mais um produto a ser comercializado. "Não é só a administração, é o conhecimento que se preza e que tem valor de mercado", assevera. Entre essa e outras observações, ele explica a criação da Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS) como forma de combater a mercantilização do conhecimento de dentro para fora das universidades.
Ensino Superior: Por que o senhor afirma em recente artigo que os problemas modernos das universidades estão relacionados aos ideais da Revolução Francesa?
Boaventura de Souza Santos
: A universidade, na versão moderna e como uma instância livre e independente, deveria ter o conhecimento gerado pela curiosidade dos homens de ciência e isso bastaria para o seu progresso. Depois da Revolução Francesa, o processo de criação das universidades ligou-as aos Estados, constituindo-as, porém, como instituições públicas independentes. Havia aqui também uma intenção, digamos imperial da Europa, de conhecer o que era importante para o desenvolvimento do capitalismo nas áreas das ciências e tecnologias, e uma ambição de conhecimento do mundo, que passa a ser mais facilmente dominado, e, por acidente, cria-se o chamado capitalismo acidental. Essa ideia teve depois muitas versões fora da Europa, em países da América Latina, Ásia e África, onde a universidade pública esteve muito vinculada aos projetos de construção nacional, como no caso do Brasil, no qual a Universidade de São Paulo participou, nos anos 30, assim como a Universidade de Nova Déli foi o projeto de uma nova Índia independente. Essa universidade agora está em crise.

Seria essa a encruzilhada à qual o senhor se refere no artigo?A universidade está numa encruzilhada por duas razões. Por um lado, para o neoliberalismo, e seu capitalismo global, os projetos nacionais deixaram de interessar. Não há uma economia nacional, mas sim uma economia globalizada. O capitalismo global não precisa de estados, aliás, no meu entendimento, não precisa nem da democracia. É um capitalismo cada vez mais antidemocrático e, portanto, os projetos de país que, por sua vez, eram elitistas perderam a coerência. Por outro lado, a encruzilhada está no fato de que nós, a caminho de acabar com a curiosidade como motor do conhecimento e, em substituição a ela, debruçamo-nos sobre o mercantilização. O valor do conhecimento é cada vez mais ditado pelo mercado e então nós temos a transformação das universidades em empresas. Não só na maneira como são geridas, mas também como os professores e os alunos são tratados - operários e clientes e não como cidadãos da sua própria universidade. Não é só a administração, é o conhecimento que se preza e que tem valor de mercado. Assim, as humanidades entram numa profunda crise. Enquanto os departamentos de ciências humanas estão sendo subfinanciados, outras áreas como a biologia e as tecnologias, ao contrário, nunca tiveram tanto dinheiro. A universidade pode estar se transformando em mais um outro mercado com a comercialização da educação terciária.

É o desafio da universidade contemporânea?A universidade foi criada para resolver os problemas nacionais, porque, na grande maioria e sobretudo fora da Europa, as sociedades eram ainda muito recentes. Precisavam então se debruçar sobre a criação da nação, da cultura e identidade nacional, ao mesmo tempo que também se constituía a sociedade como Estado. Eram essas as tarefas realmente importantes. Hoje, esse trabalho deixou de ser interessante para as elites políticas, que já não estão mais tão interessadas nas excelências das universidades para esta construção. Agora, o objetivo das universidades é serem globais para que possam vender seus cursos em todo o mundo. Essa comercialização está fazendo com que a universidade traia totalmente sua vocação original e, ao invés de ser uma solução para os paí­ses, será um problema adicional. O comércio vai impedir que outros saberes que são importantes sejam reconhecidos como tal e fará com que acabem excluídos da universidade.

Como garantir a amplitude desse conhecimento?É por isso que nos sentimos na obrigação de criar contrauniversidades, isto é, dentro da própria universidade criar mecanismos contrários à lógica mercantilista. No Brasil há algumas iniciativas interessantes, sobretudo nos departamentos de extensão. Algumas estão totalmente dominadas pelo neoliberalismo, e a extensão é uma maneira de ganhar verba para a universidade. Outras estão buscando os conhecimentos populares dos movimentos sociais, debruçando-se sobre questões de fora e trazendo-as para dentro da universidade. Nesse sentido é que propomos a criação da Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS).
Como é a atuação da UPMS?Há experiências importantes como a Universidade da Terra, no México, a Universidade Popular das Mães da Praça de Maio, na Argentina, ou as universidades interculturais dos indígenas, no Equador e Bolívia. Há muitas iniciativas às quais a UPMS também se junta como um trabalho universitário paralelo às universidades convencionais, mesmo se muitos de nós trabalharmos nessas universidades como é o meu caso. Aqui no Brasil estamos levando a discussão sobre a UPMS para dentro de universidades como as federais do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Integração Latino-Americana (Unila). Um dos objetivos é acabar com o divórcio entre o conhecimento acadêmico e o conhecimento popular (das mulheres, dos camponeses, dos indígenas, do movimento estudantil etc.). A ideia é também criar um interconhecimento entre os movimentos e fazer com que atuem conjuntamente.
Que análise o senhor faz do ensino superior brasileiro considerando o atual desenvolvimento do país?O Brasil teve uma recente transformação da educação superior, a partir do governo do presidente Lula, com o investimento na contratação de professores e na criação de novas universidades federais e com projetos inovadores como, por exemplo, os cam­pi instalados em regiões de fronteira. O que não se mudou, porém, foi a monocultura da universidade. A questão do acesso é um problema polêmico neste país, especialmente em relação às ações afirmativas e à polêmica que elas geram. Os conteúdos culturais das universidades são ainda muito colonialistas, não contemplam as histórias das populações vitimizadas pelo colonialismo como a dos indígenas, quilombolas. A diversidade cultural não chegou ainda à universidade como deveria chegar. Mas os caminhos estão se abrindo em defesa dessas questões.
O Processo de Bolonha foi uma revolução no sistema de educação europeu. Até que ponto ele está contribuindo para uma reformulação positiva do ensino superior na Europa?Eu sou bastante crítico a esse processo, e especialmente ao modo como ele avança. Com a vocação inicial de criar um sistema europeu unificado e garantir a circulação de estudantes e professores dentro do continente, era um projeto interessante e, inclusive, democrático e progressista. Na prática, porém, não é isto que está acontecendo. Sem nos darmos conta, o Processo de Bolonha sofreu a dominação das novas políticas do Banco Mundial e acabou influenciado pela lógica de que o conhecimento deve ser relevante para as necessidades do mercado, balizando a formação acadêmica e permitindo que as empresas exerçam um papel mais forte dentro da universidade. Acaba sendo um veículo de comercialização da própria universidade. Por outro lado, criou-se um processo de crucificação das universidades, que têm a excelência ditada por rankings, os quais utilizam critérios criados fundamentalmente no êxito mercantil. E também no uso comercial das suas patentes, dos postos de trabalho para os estudantes e da validade do conhecimento para o mercado e para o bem da empregabilidade dos seus egressos.
Então Bolonha não seria um bom exemplo a seguir na América Latina?Ocorre que, ao invés de mais solidariedade entre as universidades, criamos mais competição. Isso faz com que as universidades de periferia que normalmente precisam de mais ajuda, mesmo em países centrais como a França, em vez disso tenham menos recursos porque os fundos se concentram nas universidades de excelência. Portanto estamos de alguma maneira estratificando o sistema europeu, o que é uma perversão. Lembro um artigo de um ex-reitor da Universidade Federal da Bahia [o Naomar de Almeida Filho], o qual sugere que a nova universidade brasileira não pode ser nem Harvard nem Bolonha, e sim alguma coisa diferente. Nem Harvard, que é uma forma de elitismo, nem Bolonha, que é uma forma de estratificação das universidades e muito orientada para as necessidades do mercado, o que é absolutamente ridículo na Europa dos dias de hoje, por conta do alto nível de desemprego. Na Espanha 50% dos jovens que saem da universidade estão sem emprego devido à crise financeira. Então, qual o papel da universidade? É orientada para o emprego, mas qual emprego? Portanto, há um problema que foi muito mal orientado com a confiança num mercado europeu que não existe mais.

fonte http://revistaensinosuperior.uol.com.br/textos.asp?codigo=12878

Obrigado pela visita, volte sempre.
 pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Pragmatismo e Utilitarismo