Pular para o conteúdo principal

SAB - Espaço Cultural Rudolf Steiner - O poder transformador das histórias


SAB - Espaço Cultural Rudolf Steiner



Em São Paulo:
 
SAB B[3]

“Esquece-se que os contos são verdadeiras obras de arte. Eles são uma grande arte que pertence ao patrimônio cultural de toda  a  humanidade  e que representa a visão do mundo, as relações entre o homem e a natureza sob as formas estéticas mais acabadas, aquelas que provocam precisamente o maravilhoso”
Jean-Marie Gillig

Dia 18 de Agosto começa:

SAB - O poder transformador das histórias

Uma visão sistêmica, integradora e multidisciplinar
 
Em contraponto à sofisticada tecnologia presente, que é um desafio ao nosso pensar, procura-se a linguagem do sentir que alimente nossas próprias imagens e que nos leve onde queremos chegar. Ouvir uma história, contá-la e recontá-la, durante muitos anos, foi a maneira de preservar os valores e a coesão de uma comunidade. Um grupo de trabalho que se reúne hoje também é uma comunidade.Ultimamente na Inglaterra, França, Holanda, Suécia, Austrália, EUA e outros, um público adulto e cada vez maior, dentre as mais variadas profissões, está empenhado em resgatar este conhecimento milenar.
Observemos: é o maravilhoso que consola a aridez dos caminhos que temos à frente, que alimenta a inspiração e abre o portal da intuição para outras soluções.

botaoinscr

Investimento: R$ 440,00 ou 2 x R$ 220,00
Inscrições: (11) 3807-5069 ou http://espacosab.blogspot.com.br/

Aos Sábados, das 15:00 às 19:00:

18 de agosto: Uma proposta de releitura;
                       Ouvindo o velho índio;
                       As artes do oficio
                       O arquétipo da planta:  a semente; 
                       A ecologia da palavra
                       Um conto de fadas africano
 
25 de agosto: “Pôr Junto”   e  “Separar”
                  Vivencias dos números
                   Irmãos e Irmãs
                        O arquétipo da folha
                        Conceito e vivência da  lemniscata
                  Características do Conto Maravilhoso
                  As polaridades e o terceiro elemento que faz a mediação.
 
15 de setembro: Ritmo e Canção;
                     O arquétipo da flor;
                     Mandalas (da Índia, da horta, do jardim...)
                     Atitudes: Temperamental   ou  Contemporizar?
                     A estrutura orgânica do conto maravilhoso
                           Um conto de fadas coreano
 
22 de setembro: Quem nos visita? Paisagens, Personagens e Movimentos
                      O arquétipo do fruto 
                      O Todo e a Parte  
                      Ecologia da linguagem ( linguagens);
                      Pensar, sentir e querer nas histórias
                            A arte como caminho para a salutogênese
                      Juntando as peças do quebra cabeças

Investimento: R$ 440,00 ou 2 x R$ 220,00
Inscrições: (11) 3807-5069 ou http://espacosab.blogspot.com.br/


alda luba Com Alda Luba: Pedagogia. PUCSP. Mestrado em Educação – Educational Media – Temple University – EUA, 1972.
Formação: The International School of Storytelling – Emerson College – Inglaterra, 1997.
Certificada pela Association of Healing Education – EUA, 2004.
Pós-Graduação lato sensu em Arte Terapia.Certificada pela Alquimy Art. SP.
Consultora para Secretarias de Educação e Cultura de diversos municípios de SP e MG.
      Facilitadora de processos narrativos com o workshop “O Poder Transformador das Histórias” – “Organic Storytelling” - desde 1998.
      Premio Melhor Contadora de Histórias – Festival “Hans Christian Andersen”  da Secretaria da Cultura do Município de São Paulo:08 / 04 / 1999.
      Trabalho Voluntário para ACOMI – Associação Comunitária Micael – São Paulo 
 
 
 
Sede da Sociedade Antroposófica no Brasil
Rua da Fraternidade, 156, Alto da Boa Vista, São Paulo
Informações (11) 3807 5069


Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…