Pular para o conteúdo principal

APRENDER E ENSINAR HISTÓRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL DO PCN/1997




APRENDER E ENSINAR HISTÓRIA NO ENSINO FUNDAMENTAL DO PCN/1997
Aprender e ensinar história no ensino fundamental envolve uma distinção básica entre o como um campo de pesquisa e produção de conhecimento do domínio de especialistas, e o saber histórico escolar, como conhecimento produzido no espaço escolar. Assim, os estudos históricos devem abranger aspectos fundamentais. Inicialmente, a inclusão da constituição da identidade social nas propostas educacionais para o ensino de História. Fazendo com que o aluno seja capaz de situar a relação entre o particular e o geral, sua ação e seu papel na sua localidade e cultura.
Considera-se, então, que o ensino de História envolve relações e compromissos com o conhecimento histórico, de caráter científico, com reflexões que se processam no nível pedagógico e com a construção de uma identidade social pelo estudante, relacionada às complexidades inerentes à realidade com que convive.
O que é importante lembrar!
- A apropriação de noções, métodos e temas próprios do conhecimento histórico, pelo saber histórico escolar, não significam que se pretende fazer do aluno um "pequeno Historiador".
- O ensino e a aprendizagem da História requerem seleção de conteúdos e métodos que contemple o fato, o sujeito e o tempo.
- O PCN privilegia a autonomia e a reflexão do professor na escolha dos conteúdos e métodos de ensino, porém este deve criar intervenções pedagógicas significativas para a aprendizagem e valorizar reflexões sobre as relações que a História, estabelece c/a realidade social vivida pelo aluno.
- O professor deve investigar o que é do domínio dos educandos.
- É importante a avaliação sistemática, para realizar a intervenção pedagógica necessária (procedimentos e atitudes) para que os educandos possam de fato compreender os temas e as dimensões históricas trabalhadas.
- Não se aprende História apenas no espaço escolar.
- O Ensino de Aprendizagem de História envolve distinção sobre o Saber Histórico (campo de pesquisa e historiadores) e o Saber Histórico Escolar (conhecimento produzido no espaço escolar).
- Os conteúdos escolares são mais um meio de levar o educando ao contato com a História.
- É preciso diferenciar, o saber adquirido pelo aluno de modo informal daquele que aprende na escola.
- Não se aprende História apenas no espaço escolar.
Saber Histórico X Saber Histórico Escolar
O Saber Histórico Escolar reelabora o conhecimento produzido do Saber Histórico (campo das pesquisas e historiadores), neste processo de reelaborarão, agrega-se um conjunto de "Representações Sociais" do mundo e da história produzidas por professores e alunos.
As Representações Sociais são constituídas pelas vivências dos alunos e professores, que adquirem conhecimentos dinâmicos vindos de fontes de informações veiculadas pela comunidade e pelos meios de comunicação.
O Saber Histórico Escolar é constituído pelos materiais didáticos e pelos meios de comunicação escolar, que formam o PROCESSO PEDAGÓGICO que é apresentado na sala de aula.
O Saber Histórico Escolar (conhecimento produzido no espaço escolar), na sua relação com o Saber Histórico delimita três conceitos fundamentais, o professor deve distinguir essas conceituações.
1-FATOS HISTÓRICOS: remetem para ações realizadas por indivíduo, pela coletividade, envolvendo eventos políticos, sociais, econômicos e culturais. 
2-SUJEITOS HISTÓRICOS: indivíduos, grupos ou classes sociais participantes de acontecimentos e repercussão coletiva e/ou imersos em situações de luta por transformações ou permanências. 
3-TEMPO HISTÓRICO: Possibilita referenciar o lugar dos momentos históricos. Baseia-se em parte no tempo institucionalizado (tempo cronológico) e o transforma a sua maneira. Este não é concebido como um fluxo uniforme. Ele é intrínseco aos processos e eventos estudados. As várias temporalidades e ritmos da História são categorias produzidas por estudiosos de acontecimentos no tempo.
OBJETIVO DO ENSINO DE HISTÓRIA NA EDUCAÇÃO INFANTIL: Que o aluno...
Desenvolva a capacidade de observar;
De extrair informações;
De interpretar algumas características da realidade de seu entorno;
De estabelecer algumas relações e confrontações entre informações atuais e históricas;
De datar, de localizar as suas ações e as de outras pessoas no tempo e no espaço;
Poder relativizar questões específicas de sua época.
Construa noções de diferenças e de semelhanças (compreensão do "eu" e a percepção do "outro");
Construa noções de continuidade e de permanência (percepção de que o "eu" e os "nós" são distintos de "outros" tempos vividos, compreendam o mundo e se relacionavam de outra maneira;
Compreensão de que o "outro" é simultaneamente, o "antepassado" (legado deixado para ser vivido).
ESSES OBJETIVOS SÃO CONSIDERAÇÕES IMPORTANTES PARA EXPLICAR OS OBJETIVOS, OS CONTEÚDOS E AS METODOLOGIAS DO ENSINO DE HISTÓRIA, PARA OS DOIS PRIMEIROS CICLOS DE ENSINO FUNDAMENTAL.
Conclusão: O Ensino de História envolve relações e compromissos com o conhecimento histórico, de caráter científico, com reflexões que se processam no nível pedagógico e com a construção de uma identidade social pelo estudante, relacionada às complexidades inerentes à realidade com que convive.
BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares Nacionais. História. 5ª a 8ª séries. Brasília: MEC /SEF, 1997. (V.5)




Nascida em São Paulo-Capital. Graduada em Tecnologia em Saúde,pela UNIFESP. Pedagogia pela F.M.U. e Mestranda pela Universid de Jaén - Espanha
Maria Anunciação Souza

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…