Pular para o conteúdo principal

Temperamento e caráter


temperamento

Temperamento é herdado geneticamente
O temperamento representado por nós ou reconhecido como “gênio”, está diretamente ligado ao emocional. Pode ser observado nos primeiros anos de vida. Muitas vezes as mães dizem que seu filho é bravo, genioso e nervoso.
Notamos que reforçam ainda dizendo: - “É nervoso como a mãe ou é o pai escrito”. É fato, o temperamento é herdado geneticamente.
Já o caráter decorre das experiências e modelos que formam nossas memórias constituídas biologicamente a partir das vivências do ser humano.
A forma como cada pessoa reage instintivamente às ações do meio produz uma resposta única. Essa resposta gera no indivíduo um significado de constituição pessoal que chamamos de caráter. É a maneira como lida com suas emoções e lapida sua estrutura psíquica, formando assim a personalidade.
Provavelmente já ouviu ou pronunciou o termo “fulano tem personalidade forte”. Observando um colega de trabalho, uma criança, ou comentando algum fato, ou ainda falando de humor, ou mau humor que algumas pessoas denotam claramente.
Esse desequilíbrio entre bom e mau humor, a elaboração que o indivíduo faz de seu temperamento pode produzir também transtorno de humor.
Mediante a dificuldade de lidar com as emoções produzidas pela situação de vida recorrente, a pessoa desencadeia vários humores.
Entre eles o humor triste depressivo onde a pessoa apresenta estado de tristeza, desânimo, falta à sensação de prazer. O humor eufórico é como sentir uma grande inspiração, estar ligado torna-se ousado e aumenta sua capacidade de arriscar.
Faz se necessário um equilíbrio do temperamento para manter-se saudável.
Importante esclarecer que existem temperamentos forte, alegre, expressivo, agressivo, uma série deles que em harmonia permitem que a pessoa drible na vida seus conflitos e com seus próprios recursos elimine qualquer forma de desvio, mantendo seu equilíbrio harmônico.
Diante de situações estressoras onde a pessoa não consegue reagir positivamente à sua expectativa, vai se desequilibrando e modificando seu comportamento.
Uma pessoa aparentemente de bem com a vida, alegre, motivada pode tornar-se triste, desanimada e melancólica no decorrer de sua busca em solucionar um problema. Vai mantendo um quadro de isolamento gradativo e modificando seu estilo, diante de sua impotência em conseguir algum sucesso.
Pode ser decorrente da perda de emprego, faltando perspectiva, desgaste conjugal, perda de uma pessoa querida.
É necessário manter um contato social e saber quando o momento de parar e procurar ajuda para evitar desencadear um transtorno em sua vida e manter uma qualidade de vida saudável.
Esse papel é bem cumprido pelo amigo ou uma pessoa que desenvolve afeto, ela perceberá e sinalizará o seu estado diferente. Não somos únicos e nem devemos nos sentir suficientes sozinhos, pois, a figura do outro é de primordial importância para nosso bem estar emocional e social, o próprio bem viver.
A variação de humor é saudável de acordo com a situação vigente, intensidade e duração do estado. Não podemos dizer que uma pessoa apresenta transtorno de humor, pelo simples fato de desequilíbrio momentâneo, para isso existe uma série de fatores para o diagnóstico correto.
Importante é manter-se informado e na dúvida buscar ajuda, é necessário conhecimento para uma vida saudável.

Saúde e Paz
Telma Yamamoto – Psicóloga

Fontes: Revista Boa Dica

http://portalnippon.com/vida-e-estilo/educacao/temperamento-e-carater.html

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…