Pular para o conteúdo principal

Indicação de leitura do editor do Blog: Alfabetização: Método fônico Fernando C. Capovilla / Alessandra G. S. Capovilla

Alfabetização: Método fônico Alfabetização: Método fônico Fernando C. Capovilla / Alessandra G. S. Capovilla Após examinarem a fundo 115 mil estudos à procura do método de alfabetização mais eficaz, os Estados Unidos, a França e o Reino Unido decidiram adotar oficialmente o método fônico. Infelizmente, contudo, os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) da Secretaria de Educação Fundamental do MEC ainda insistem em pregar um outro método de alfabetização que, de acordo com aqueles países, é ultrapassado, improcedente e ineficaz. Isto tem custado caro ao aluno brasileiro, cuja competência em leitura e escrita tem caído de modo alarmante, classificado repetidamente em último lugar em várias avaliações internacionais, com o Programa Internacional de Avaliação de Alunos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico, e diversos outros como os da UNESCO. Este livro mostra como o Brasil pode reverter esta onda de fracasso e dar a volta por cima ao adotar o método fônico que além de restaurar à criança o direito à aprendizagem competente e o prazer da maestria e das descobertas que ela produz, também restaura ao professor a profunda importância, dignidade e encanto de sua profissão, e o seu direito de ensinar com prazer e eficiência, de construir competências e de saber que o fez, de descortinar novos mundos com dedicação e alegria, e de compartilhar com seus educandos o entusiasmo pela aventura da descoberta e do conhecimento. Alfabetização: método fônico explica os dados científicos nacionais e internacionais que comprovam a clara superioridade do método fônico e demonstra, passo a passo, como implementá-lo na sala de aula para a alfabetização eficaz, de modo a reverter as alarmantes taxas de fracasso escolar de nossas crianças, e da conseqüente evasão escolar de nossos adolescentes que, mal alfabetizados, perdem o interesse e o prazer pelo fascinante mundo do aprender. Sumário: 1. Porque a educação brasileira precisa do Método Fônico 2. Implementando o Método Fônico Atividades diárias para alfabetização Folha mnemônica com as letras do alfabeto Fichas de leitura fonte http://www.clickbooks.com.br/product_info.php?products_id=1151 Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…