Pular para o conteúdo principal

A observação das minhocas possibilitou que os pequenos aprendessem a aprofundar a investigação sobre uma espécie e checar suas hipóteses

 Fotos Dercílio

Pesquisa no laboratório e também no jardim

A observação das minhocas possibilitou que os pequenos aprendessem a aprofundar a investigação sobre uma espécie e checar suas hipóteses

Compartilhe
Página 1 de 3 > >|
Luvas e lupas foram usadas
na observação dos anelídeos
realizada pela turma da Fundação Bradesco de Paragominas. Foto: Rafael Araujo
Luvas e lupas foram usadas na observação dos anelídeos realizada pela turma da Fundação Bradesco de Paragominas
"As minhocas têm olhos?", uma criança perguntou. Outra respondeu que sim, pois tinha visto na televisão. Um colega disse que elas não gostam de sol, outro quis saber se é possível esticar o corpo delas. Foi assim, com dúvidas e hipóteses, a primeira visita da turma da pré-escola ao minhocário da Escola de Educação Básica e Profissional Fundação Bradesco, em Paragominas, a 314 quilômetros de Belém.

Esse levantamento de ideias e conhecimentos prévios foi o início do percurso de investigação e pesquisa científica conduzido pela educadora Elda Mara Veras Corrêa Feitosa (confira algumas das atividades realizadas e o registro dos pequenos sobre as minhocas nas imagens desta página e das seguintes). Atenta às questões levantadas, ela promoveu uma nova visita ao minhocário. Dessa vez com luvas e lupas, as crianças fizeram uma observação mais atenta. Coletaram amostras de terra, adubo e, claro, alguns bichinhos. Levaram o material para o laboratório de Ciências usado pelas classes de Ensino Fundamental. Lá, já com menos receio de manipular os animais, começaram a validar suas hipóteses ou refutá-las.
Encontraram, por exemplo, alguns ovos, concluindo que a minhoca não se desenvolve dentro da barriga da mãe como os mamíferos. Observaram, também, que o corpo dela é formado por vários anéis e, por isso, ela se estica e encolhe com tanta facilidade. Viram, ainda, que esse anelídeo se alimenta de folhas secas e restos de comida e não tem olhos, como alguém havia dito antes, mas sua pele é bastante sensível à luz.

"É fundamental levar as perguntas dos pequenos a sério. Quando isso acontece, eles adquirem conhecimento científico de maneira mais efetiva", alerta Celi Rodrigues Chaves Dominguez, docente da Licenciatura em Ciências da Natureza da Universidade de São Paulo (USP). Ao criar contextos e cenários de investigação como a ida ao laboratório, o educador consegue aproximar a turma de instrumentos e procedimentos científicos. Isso possibilita o desenvolvimento de competências como formulação de hipóteses, experimentação, demonstração, registros e conclusões. "As crianças não aprendem somente sobre o conteúdo principal - nesse caso, as minhocas - mas também a estudar Ciências", diz a formadora de professores Silvana Augusto, do Instituto Avisa Lá, em São Paulo.
Página 1 de 3 > >|

http://revistaescola.abril.com.br/creche-pre-escola/pesquisa-laboratorio-tambem-jardim-720891.shtml



Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…