sábado, 28 de abril de 2012

Grupo Anhanguera faz demissão em massa no Estado de São Paulo abrangendo 900 professores

 

Grupo Anhanguera faz demissão em massa no Estado de São Paulo abrangendo 900 professores

Em Campinas e região o número de demitidos chega a 220
No Estado 80% dos dispensados são mestres e doutores
O Grupo Anhanguera Educacional, que em Campinas responde pelas Faculdades Anhanguera FAC I, II, III e IV, demitiu cerca de 900 professores em diversas cidades do Estado de São Paulo no final de dezembro, a maioria das demissões atingiu mestres e doutores. Somente em Campinas são 123 demitidos, seguida de Piracicaba, com 60 demitidos, Limeira 20 e Santa Bárbara d'Oeste 15 professores.
O maior número de demissões ocorreu em São Paulo e no ABC, na Universidade Bandeirante (Uniban), na Universidade do Grande ABC (UniABC), na Faculdade Senador Fláquer, na Faculdade Anchieta e na Faculdade Editora Nacional (Faenac). O Sinpro ABC estima que quase 50% dos professores da UniABC tenham perdido o emprego neste final de ano.
"Nós estávamos ouvindo boatos há uma semana de que as demissões atingiriam 1.200 professores da Anhanguera em todo o Estado. O maior número de demitidos está na Uniban, universidade adquirida em setembro deste ano pela Anhanguera. O curioso é que 80% são mestres e doutores, que serão substituídos por graduados e especialistas, obviamente rebaixando os salários dos professores, reduzindo a qualidade de ensino e aumentando os lucros do grupo Anhanguera", disse Cláudio Jorge, presidente do Sinpro Campinas.
A Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) fará uma reunião com todos os Sindicatos já no início de janeiro para estudar as medidas a serem tomadas e para discutir as demissões em massa. As demissões serão levadas também ao MEC para que verifique a legalidade do ato.
Uniban
A aquisição mais recente do Grupo Anhanguera foi a Uniban, que custou  R$ 510 milhões. A compra ocorreu em setembro passado e a estrutura de 13 campi da Uniban (dez no Estado de São Paulo, dois no Paraná e um em Santa Catarina) entraram no pacote. 

Não deixamos de brincar por ficarmos velhos...ficamos velhos por deixarmos de brincar

No dejamos de jugar - Porque nos hacemos viejos. Nos hacemos viejos porque dejamos de jugar

CONTOS DE FADAS E PSICOPEDAGOGIA

CONTOS DE FADAS E PSICOPEDAGOGIA

Vídeo Aula grátis - ECA - Prof. Tiago Santos - Mestre dos Concursos

sexta-feira, 27 de abril de 2012

32% dos matriculados na Unicamp em 2012 vieram da rede pública de ensino



32% dos matriculados na Unicamp em 2012 vieram da rede pública de ensino
Dados fazem parte do perfil socioeconômico dos candidatos e matriculados do Vestibular Nacional Unicamp 2012
A Unicamp registrou 32% de estudantes da rede pública matriculados em seus cursos de graduação aprovados em seu último processo seletivo, o Vestibular Nacional Unicamp 2012. O percentual representa 1.099 estudantes que cursaram todo o ensino médio em escolas da rede pública de um total de 3.435 matriculados na Unicamp. Os dados fazem parte do perfil socioeconômico dos candidatos e ingressantes disponibilizado pela Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) nesta página. O índice é praticamente o mesmo do ano anterior, quando a Unicamp bateu recorde, em números absolutos, de estudantes oriundos de escolas públicas aprovados no vestibular e matriculados na universidade: 1.111 (32,1%).
Já entre os inscritos, o percentual de estudantes da rede pública superou o índice do ano anterior, passando para 28,2% no Vestibular Unicamp 2012, contra 27% no Vestibular Unicamp 2011. Foram 16.054 candidatos da rede pública este ano, contra 14.277 no ano anterior. O Vestibular Unicamp 2012 registrou recorde de inscritos, com 61.500 candidatos.
Os dados apontam o impacto do Programa de Ação Afirmativa e Inclusão Social da Unicamp (PAAIS), implantado em 2004 e que bonifica os candidatos da rede pública na nota final. O PAAIS prevê que estudantes que tenham cursado todo o ensino médio na rede pública brasileira recebam 30 pontos a mais na nota final da segunda fase. Candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas que tenham cursado o ensino médio em escolas públicas também têm, além dos 30 pontos adicionais, mais dez pontos acrescidos à nota final.
Isenção da taxa
Estudantes de escolas públicas podem pedir a isenção da taxa de inscrição do Vestibular Unicamp 2013 até dia 31 de maio. A Comissão Permanente para os Vestibulares da Unicamp (Comvest) disponibiliza um formulário para os pedidos exclusivamente nesta página. Para finalizar o processo, o interessado deve enviar a documentação necessária (descrita no Edital), pelo correio, para a Comvest até o dia 31 de maio. O valor da taxa de inscrição para o Vestibular Unicamp 2013 ainda não foi definido. Os pré-requisitos para obter a isenção da taxa de inscrição são: ter cursado da 5ª a 8ª série (ou 6º ao 9º ano) do ensino fundamental e o ensino médio integralmente em instituições da rede pública de educação; ser residente e domiciliado no Estado de São Paulo e já ter concluído ou concluir em 2012 o ensino médio. A Comvest oferece 6.640 isenções na modalidade 1; 100 na modalidade 2 e um número ilimitado de isenções na modalidade 3.
Vestibular Unicamp 2013
As inscrições para o Vestibular Unicamp 2013 serão feitas entre 20 de agosto e 14 de setembro, exclusivamente pela internet, nesta página. A primeira fase será realizada em 11 de novembro de 2012 e a segunda fase, nos dias 13, 14 e 15 de janeiro de 2013.

 fonte.http://www.comvest.unicamp.br/vest2012/rede_publica.html

Pragmatismo e Utilitarismo