quarta-feira, 30 de maio de 2012

Sequencia Didatica Como as aves voam

Use a origem das aves e a evolução das espécies para explicar a habilidade de voar destes animais
Flamingos no Lago Nakuru, na Reserva Lake Nakuru National Park, Quênia. Foto: Sergio Berezovsky
Objetivos
  • Compreender a origem das aves e como conseguem voar

Conteúdos
  • Zoologia de vertebrados
  • Evolução e fisiologia

Anos
  • Ensino Médio

Tempo estimado
  • Duas aulas

Materiais necessários

  • Computadores com acesso à internet e projetor de imagens.
  • Cópias da reportagem "Falcões do bem" (Veja, 30 de maio de 2012)

Flexibilização
Para alunos com deficiência visual
Nesta aula, use recursos do laboratório de Ciências - se a escola tiver um, e mostre o infográfico  com as imagens em relevo, usando os pontos do Braile ou pedaços de barbante com cola de relevo.  Para o reconhecimento sensorial da ação de voar, recomenda-se fazer, antes da aplicação do plano, uma dinâmica em que todos os alunos vendam os olhos e joguem entre si bolas adaptadas com guizos pendurados para que percebam a direção do objeto e possam apanhá-lo no ar, ainda em movimento. A dinâmica deve ser feita em pares, com a participação de todos.

Desenvolvimento
Aula 1
Descreva uma cena do filme Jurassic Park, o primeiro da série. Nela, o paleontólogo Alan Grant está em um jipe em alta velocidade sendo perseguido por um imenso Tiranossauro e chega a tempo para embarcar em um helicóptero e fugir da ilha Nublar. Na cena final, quando já está a salvo a caminho de casa, ele olha pela janela e ao ver um bando de pelicanos em voo, sorri aliviado. A música tema fecha a cena com os letreiros e o filme termina. Descreva-a mostrando aos alunos que o especialista fica aliviado porque sabe que os dinossauros deixaram herdeiros mais dóceis na terra, como os pássaros.
De fato, há semelhanças fisiológicas entre répteis e aves. O grande zoólogo inglês Thomas Huxley ficou tão impressionado com as semelhanças anatômicas e fisiológicas que chamou as aves de "répteis glorificados".  Conduza uma leitura coletiva da reportagem da revista Veja. Em seguida, avise que ao longo desta aula e da próxima, uma série de pesquisas serão encomendadas aos alunos e que o objetivo é compreender porque as aves voam e qual a origem deste animais. Comece pedindo que busquem as semelhanças entre répteis e aves.
Esclareça que a origem das aves a partir de ancestrais chamados Terópodes está bem estabelecida. Busque na internet imagens do fóssil Archaeopteryx lithographica e mostre aos alunos usando o projetor. Chame a atenção para características tanto de aves como de répteis presentes nele. Entre os traços de cada grupo o mais notável é a presença de penas. Hoje sabemos que esta é uma característica necessária para quem um animal seja classificado como ave.  Existem evidências de Terópodes que apresentavam penas como Caudipteryx (imagens também podem ser localizadas na internet). Provavelmente, ele não era capaz de voar, a julgar por suas características. Pergunte então para que serviam as penas, já que ele não voava. Ouça os comentários dos alunos e explique que elas mantinham a temperatura do corpo. Estes animais eram provavelmente endotérmicos e precisavam ficar aquecidos. Assim, a associação das penas ao voo das aves pode ser entendida como uma adaptação secundária. Observe que na história evolutiva é comum um órgão mudar de função e  a pena é um anexo da pele homólogo à escama de um réptil.  Paça que descubram pelo menos dois casos em que um órgão mudou completamente de função ao longo da evolução.
Leia mais Evolução: a ideia que revolucionou o sentido da vida
Leia mais Charles Darwin e a evolução
Para voar as aves devem gerar uma força de ascensão maior do que a sua própria massa. E também devem manter a propulsão para permanecer no ar. O formato das asas é fundamental para que isso aconteça. Não é à toa que as asas dos aviões copiam o formato de aerofólio das asas dos passáros. Por causa dele, o ar que passa na parte de baixo da asa tem uma pressão maior do que na parte da cima. Este efeito aerodinâmico vence a força da gravidade e permite que o pássaro voe (ver infográfico).
Pergunte o que é necessário para diminuir a força da subida do voo. Ouça os comentários dos alunos e diga que a evolução fez adaptações para diminuir a massa das aves. Explique que o esqueleto dos pássaros é menos pesado graças aos ossos pneumáticos, que são leves e entremeados por cavidades aéreas. Aproveite e encomende a terceira questão da pesquisa: Por que os ossos de aves apresentam uma notável diversidade de peso? Essa heterogeneidade tem algum valor adaptativo relativo ao voo?
Neste momento é importante que o professor tenha à disposição imagens de um esqueleto de lagarto e de uma galinha para efetuar comparações, como as novidades ou modificações no esqueleto de uma ave e de um réptil. O que se nota é uma série de reduções, fusões e perdas. Redução da cauda, fusão das vertebras cervicais e torácicas, fusões de dedos e perda de dentes. Mostre que essas modificações podem ser associadas à adaptações ao voo.
As aves não excretam uma urina líquida e assim não acumulam  líquido nas bexigas. Sua excreção é constituída de cristais de ácido úrico, um material sólido. Certamente parece ser uma solução de grande valor adaptativo em termos de diminuição de peso do animal. Entretanto, a excreção de ácido úrico é uma adaptação anterior ao ovo. A perda da bexiga de fato é diretamente ligada à aquisição do voo. Encomende aos alunos a quarta questão da pesquisa: qual é valor adaptativo das aves e repteis excretarem ácido úrico?
Finalmente procure fazer relações entre o sistema respiratório e o voo. Explique que as aves possuem um pulmão extremamente eficiente para a aquisição de oxigênio cumprindo às altas demandas de um animal que faz tanto esforço muscular para voar. Seu pulmão é rígido e associado a uma série de sacos aéreos que se estendem para vários pontos do tórax. O funcionamento e a estrutura deste pulmão único nos vertebrados permite que esse órgão seja continuamente ventilado por ar fresco, tanto na inspiração quanto na expiração. O ar acumulado em determinados sacos aéreos na inspiração passa de volta no pulmão na expiração. Esta eficiência pode ser notada nos gansos (Anser indicus) que são vistos migrando sobre o Himalaia em alturas inimagináveis para o sistema respiratório humano.

Aula 2

Inicie a aula com os resultados das pesquisas feitas pelos alunos. Peça que todos socializem o que descobriram e esclareça eventuais dúvidas. Para finalizar, exponha os tipos de voos das aves. Mostre que algumas generalizações podem ser feitas e que existem pelo menos quatro formas básicas de asas.
As asas elípticas são comuns em passeriformes, os populares passarinhos adaptado a manobras rápidas no interior de florestas. Nestas aves, o coeficiente de relação entre comprimento e largura é baixo.O segundo tipo, da esquerda para a direita, sãs as asas de alta velocidade, presentes em andorinhas e gaivotas. O terceiro é a asa de planeio, presente em aves como os albatrozes. Estas são as aves de maior eficiência aerodinâmica, entretanto de menor capacidade de manobra. E o último tipo, são as asas de alta ascensão, adaptadas à grande sustentação em velocidades baixas, importantes para predadores como corujas, urubus, gaviões e águias.
Hiperconectados

Avaliação
Com as pesquisas e as discussões em sala de aula, observe se os alunos compreenderam a origem das aves e a explicação para conseguirem voar.

Ricardo Paiva
Professor de Biologia do Colégio Santa Cruz
Beto Uechi
Infografista
Rossana Ramos
Professora da Universidade de Pernambuco

fonte: http://revistaescola.abril.com.br/ensino-medio/como-aves-voam-686460.shtml

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

terça-feira, 29 de maio de 2012

Force the Forces by TDL (official full-length track) do comercial Rexona.



Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Educação Continuada - Situação Problema







Enviado por em 09/02/2012
Competência, habilidades, sempre foram fundamentais para a nossa sobrevivência. Qual é a novidade desse tema hoje? Se antes, pautávamos nossa conduta tendo como referência principalmente a tradição, hoje, temos também o futuro, a tecnologia, com suas surpresas e novas oportunidades. Como desenvolver essas competências na escola? Como avaliar ou valorizar essas competências? Situações-problema podem ser duas boas estratégias para isso. Lino de Macedo é pedagogo e Doutor em Psicologia Social.

Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sábado, 26 de maio de 2012

Educação continuada - Experiência de Aprendizagem Mediada





Enviado por em 15/02/2012
Nesse segundo programa da série, Hélio Antônio Franceschini fala da teoria de REUVEN FEUERSTEIN, psicopedagogo romeno, sobre a modificabilidade cognitiva estrutural. A teoria de Feuerstein descreve a capacidade que o organismo humano possui de mudar a estrutura de seu funcionamento. Hélio apresenta uma das maiores contribuições de Feuerstein para o desenvolvimento cognitivo: A Experiência de Aprendizagem Mediada. Hélio Antônio Franceschini é especialista em inteligência e cognição.


Obrigado pela visita, e volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Dica de leitura do editor do Blog.170 Técnicas arteterapêuticas Modalidades expressivas para diversas áreas Beatriz Acampora / Bianca Acampora

170 Técnicas arteterapêuticas 170 Técnicas arteterapêuticas
Modalidades expressivas para diversas áreas

Beatriz Acampora / Bianca Acampora
 


 

Formato: 14X21
ISBN: 9788578541712
Edição: 1     Ano: 2011
N. Pag.: 188
Capa: BROCHURA

A Arteterapia consiste em um processo terapêutico por meio da arte e dos recursos artísticos. Ela possibilita que pessoas de todas as idades sejam beneficiadas com a (re)descoberta de seu potencial criativo para ser si mesmo, valorizar a vida e se relacionar consigo e com os outros de forma saudável.
Por meio da Arteterapia, as muitas habilidades de um indivíduo ou grupo se abrem em infinitas possibilidades criadoras, facilitando um viver humano mais pleno. A proposta deste livro é oferecer técnicas que sirvam de apoio para um trabalho arteterapêutico de qualidade, com foco na expressão do ser e na qualidade da relação terapêutica.
Este livro traz 170 técnicas arteterapêuticas que visam facilitar o trabalho do terapeuta que se utiliza de recursos artísticos, como técnicas expressivas plásticas, escrita, música, dança, teatro, fotografia, dentre outros, como via de acesso para o crescimento de pessoas.
Sumário:
Apresentação
Introdução
Técnicas de Apresentação
Técnicas de Criatividade
Técnicas de Autoconhecimento
Técnicas de Artes Plásticas
Técnicas de Construção
Técnicas para o Desenvolvimento Interior
Técnicas Junguianas
Técnicas de Psicanálise
Técnicas Gestálticas
Técnicas de Escrita Criativa
Técnicas para Grupos e Famílias
Técnicas de Dança e Expressão Corporal
Técnicas de Consciência Sonora, Ritmo e Música
Técnicas Educacionais: Psicopedagogia e Inclusão
Técnicas de Fotografia, Rádio, Televisão e Cinema
Técnicas de Psicodrama e Teatro
Considerações Finais
Referências

fonte: http://www.clickbooks.com.br/product_info.php?products_id=2770

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sábado, 19 de maio de 2012

Aulete Digital – Palavra do dia A palavra é sua - Simbolismo




PALAVRA DO DIA
Aulete Digital – Palavra do dia: A palavra é sua!
Tema da semana: um pouco de história da arte

Simbolismo
O simbolismo foi uma manifestação literária, artística e especialmente poética surgida na França durante as últimas décadas do século XIX. O nome deve-se à tentativa feita pelos seus adeptos de resgatar os símbolos poéticos que, no seu entender, haviam desaparecido da poesia. No ideário do Simbolismo, os artistas eram considerados intérpretes da simbologia universal. Assim, as relações entre o mundo físico e o espiritual seriam por eles compreendidas e expressas através de metáforas, alusões e impressões vagas. O Simbolismo manifestava forte atração pelas artes esotéricas, pelo misticismo e por outras formas insólitas de religiosidade. Tecnicamente, essas ideias eram apresentadas mediante intenso jogo metafórico, desvios sintáticos, pontuação ritmada e até mesmo pela disposição gráfica dos poemas. Outro traço importante do Simbolismo era a busca e o emprego de termos incomuns. Tais recursos, porém, ao mesmo tempo que lhe davam uma personalidade única de estilo e produção, angariavam severas críticas, sendo os simbolistas não raro chamados de bárbaros, anti-intelectuais e fugitivos. Hoje, no entanto, é reconhecido que tais traços ou aspectos desse movimento representaram verdadeira ressuscitação de vocábulos e do próprio idioma, em vista do desgaste provocado pelo utilitarismo da linguagem. No Brasil, o movimento teve reduzida importância, sendo rapidamente absorvido pelo Parnasianismo. Os brasileiros de maior projeção no Simbolismo foram João da Cruz e Souza e Alphonsus de Guimarães.
>>Definição do iDicionário Aulete: 
 (sim.bo.lis.mo)
sm.

  1  Qualidade do que é simbólico, do que se exprime por meio de símbolo: o simbolismo da bandeira/ da reverência ao sol.
  2  Qualquer sistema de símbolos ou convenções simbólicas, como o da lógica, o da matemática, o da linguistica.
  3  Liter.  Movimento literário surgido na França do final do séc. XIX como reação ao parnasianismo e ao naturalismo, distinguindo-se pela visão de mundo subjetiva, simbólica e espiritual, pela atitude entre reflexiva e afetiva, pela valorização da musicalidade verbal, da sugestividade e sutileza estética.
  4  Psic.  Modo pelo qual os desejos, conflitos e tendências inconscientes adquirem representação indireta e figurada, tanto no indivíduo como na cultura (na linguagem, nos mitos, costumes etc.).

 [F.: Do fr. symbolisme.]

___
Gostaria de sugerir uma palavra? Envie um e-mail para sugestao@palavradodia.com.br
_____
A Palavra do Dia é um serviço oferecido gratuitamente aos usuários cadastrados do Aulete Digital.
Clique aqui  para cancelar o recebimento, ou envie um e-mail para cancelar@palavradodia.com.br
_____
A Palavra do Dia agora pode ser ouvida pelo site da Rádio Globo: www.radioglobo.com.br .
Palavra do Dia: uma parceria da Lexikon editora digital com a Rádio Globo.
_____
Siga o Aulete no Twitter: www.twitter.com/aulete

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Atividades Com Tirinha

 Atividades Com Tirinha

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Projeto Educação Infantil

 Projeto Educação Infantil

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Construindo Monografias

 Construindo Monografias

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Clanet e Laterrasse - Quadro dos estágios de desenvolvimento segundo Henri Wallon

 Clanet e Laterrasse - Quadro dos estágios de desenvolvimento segundo Henri Wallon

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Relacionando tempo e espaço





Relacionando tempo e espaço

Experiências práticas e exemplos do cotidiano ajudam a compreender o que é velocidade e diferenciar essa grandeza de rapidez

Camila Camilo (novaescola@atleitor.com.br). Editado por Bruna Nicolielo

O senso comum costuma confundir rapidez e velocidade, mas os termos nem sempre são sinônimos. Rapidez diz respeito a qualquer variação no tempo, independentemente do ponto de partida e chegada. Já velocidade relaciona a distância percorrida, o tempo gasto, a direção e o sentido do movimento. Por isso, pode até chegar a zero. "Um carro de Fórmula 1 é capaz de percorrer todo um circuito com grande rapidez. Mas se ele passa novamente pela largada sua velocidade é zero", explica Cristian Annunciato, físico e pesquisador da Sangari Brasil, em São Paulo.

A diferença entre as duas grandezas é uma das dúvidas mais frequentes da garotada dos anos finais do Ensino Fundamental. Discutir essa questão é uma boa maneira de introduzir o conceito de velocidade. Foi o que fez Arnaldo Alves, professor do Colégio Renascença, em São Paulo, ao apresentar o conteúdo aos estudantes do 9º ano. Durante as aulas, ele explorou conhecimentos intuitivos da moçada, fazendo perguntas como: "O que muda quando percorro um trajeto mais rápido?". Os alunos responderam que o tempo sofreria alteração. Em seguida, a turma realizou experiências práticas - uma situação adequada à apresentação do conteúdo. Dois alunos andaram de um ponto a outro com velocidades diferentes, enquanto um terceiro cronometrava o tempo gasto.


Depois, todos discutiram os dados encontrados e perceberam que, quanto menor é o tempo gasto, maior a velocidade. Logo, essas grandezas são inversamente proporcionais. Vale apostar em outros exemplos práticos para demonstrar, por exemplo, que velocidade e distância são diretamente proporcionais
(veja as atividades nas próximas páginas). "Dessa forma, é possível construir conceitualmente um conhecimento que já é intuitivo", diz Alves.

Ensinar o tema dentro dessas bases evita a necessidade de apresentar fórmulas complexas e de abordar toda a linguagem matemática utilizada pela Física. "Se o trabalho com experiências envolver a sistematização, o estudante chega ao Ensino Médio entendendo como a fórmula atua sem decoreba", diz Erika Mozena, formadora de professores e mestre no Ensino de Ciências. Nessa etapa da escolaridade, os alunos serão apresentados a outros desdobramentos do conteúdo, como velocidade vetorial.

fonte: http://revistaescola.abril.com.br/fundamental-2/relacionando-tempo-espaco-680483.shtml

http://revistaescola.abril.com.br/img/capas/251g.jpg

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

sexta-feira, 11 de maio de 2012

Qual o sotaque mais bonito? E o mais feio? Aldo Bizzocchi



Essa pergunta volta e meia surge em bate-papos e reacende uma velha discussão, que dá muito pano pra manga - e também dá margem a muitos preconceitos e discriminações. Há até tópicos em fóruns da internet com esse tema, e é curioso perceber que, neles, boa parte das pessoas tem uma posição chauvinista em relação ao assunto: o sotaque mais bonito é o da minha região, da minha cidade, do meu estado. E o sotaque mais feio é, em geral, o das pessoas mais pobres, das classes mais baixas, das regiões menos desenvolvidas.

Ora, não existem pronúncias feias ou bonitas - pelo menos, objetivamente falando. Beleza é questão de gosto. Afinal, quais seriam os critérios objetivos para determinar quem fala bonito ou feio?

Outra decorrência do chauvinismo linguístico é o sentimento que a maioria das pessoas tem de que elas não têm sotaque, são os outros que têm. Como se fosse possível falar uma língua desprovida de pronúncia! (Só se for a linguagem de sinais dos surdos-mudos.) Afinal, qualquer pessoa que fale um idioma utiliza uma pronúncia característica, que revela a sua região de origem, mas também a sua classe social, o seu nível de escolaridade e, em alguns casos, até a nacionalidade dos seus antepassados.

Na verdade, se quisermos pôr um pouco de objetividade nessa discussão, o que existe é uma pronúncia padrão do idioma, isto é, um modo de falar, típico dos atores e dos locutores de rádio, que se baseia na fala de uma determinada região do país (em geral, a mais influente econômica, política ou culturalmente), mas que é em grande medida artificial, já que resulta de treino profissional, e dificilmente se encontra nas ruas, mesmo na região da qual se origina.

Essa pronúncia padrão nasceu com a necessidade de veicular nos meios eletrônicos de massa (rádio e TV, principalmente) uma pronúncia que fosse bem aceita em todos os lugares. Por isso, a fala padrão costuma ser uma "média" das falas das pessoas cultas da maioria das regiões do país. Seu objetivo é ser o mais "neutra" possível (se é que isso é possível).

Quando se ensina um idioma estrangeiro, é a pronúncia padrão dessa língua que vai ser usada em sala de aula e no material didático audiovisual. É por isso que, quando se estuda francês, o que se ensina é a pronúncia de Paris e não a do Quebec ou do Senegal. Mesmo assim, boa parte dos parisienses não fala segundo esse padrão.

Aliás, algumas pessoas são mais "afetadas" do que outras, ou seja, têm uma pronúncia mais "carregada", em que os traços característicos da sua localidade são mais acentuados. E, estranhamente, isso não tem a ver necessariamente com a cidade ou o bairro de origem do cidadão. Por exemplo, costuma-se pensar que aqueles paulistanos que falam cantado, com forte sotaque italiano ("cê tá mi inteindeindo?"), são naturais da Mooca ou do Bexiga. No entanto, há pessoas com esse sotaque em todas as regiões da cidade de São Paulo (e até no interior do estado), assim como nem todos os nascidos nesses bairros falam de maneira carregada.

Portanto, excluindo-se o chauvinismo puro, que só enaltece o que é da própria terra e execra o que é de fora, aquilo que as pessoas entendem como um falar bonito é um falar bem próximo do padrão. Do mesmo modo, quanto mais distante desse padrão, mais feia e esquisita é considerada a fala das pessoas. Em todas as regiões tem gente que fala segundo o padrão e gente que não. O mais é puro preconceito.
 

 fonte http://revistalingua.uol.com.br/textos/blog-abizzocchi/qual-o-sotaque-mais-bonito-e-o-mais-feio-258354-1.asp

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quinta-feira, 10 de maio de 2012

O caminho do meio

 O caminho do meio
Sociólogo critica a transformação das instituições de ensino superior ocorrida após o processo de globalização, que as levou a uma competição pela comercialização do conhecimento

Luciana Fagundes
 

Boaventura lamenta que os departamentos de ciências humanas estejam subfinanciados, enquanto as tecnologias recebem a maioria dos investimentos
Figura atuante na defesa dos movimentos sociais para o controle democrático da sociedade e conhecido crítico do modelo neoliberal, o sociólogo português Boaventura de Souza Santos, em artigo publicado recentemente pelo Human Architecture: Journal of the Sociology of Self-Knowledge, adentra o universo das instituições de ensino superior numa análise sobre o modelo das universidades contemporâ­neas, a partir do Processo de Bolonha, o qual reformulou o sistema de ensino superior na Europa. Sob o título A universidade numa encruzilhada, Boaventura questiona o papel da universidade nos dias de hoje e afirma que ela está em crise, levada pelos próprios ideais que nortearam a criação dessas instituições pós-Revolução Francesa.De acordo com o sociólogo, que concedeu a entrevista exclusiva a seguir durante sua participação no Fórum Social Temático 2012, ocorrido em Porto Alegre, a economia globalizada afetou também as universidades de forma a transformar o conhecimento em mais um produto a ser comercializado. "Não é só a administração, é o conhecimento que se preza e que tem valor de mercado", assevera. Entre essa e outras observações, ele explica a criação da Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS) como forma de combater a mercantilização do conhecimento de dentro para fora das universidades.
Ensino Superior: Por que o senhor afirma em recente artigo que os problemas modernos das universidades estão relacionados aos ideais da Revolução Francesa?
Boaventura de Souza Santos
: A universidade, na versão moderna e como uma instância livre e independente, deveria ter o conhecimento gerado pela curiosidade dos homens de ciência e isso bastaria para o seu progresso. Depois da Revolução Francesa, o processo de criação das universidades ligou-as aos Estados, constituindo-as, porém, como instituições públicas independentes. Havia aqui também uma intenção, digamos imperial da Europa, de conhecer o que era importante para o desenvolvimento do capitalismo nas áreas das ciências e tecnologias, e uma ambição de conhecimento do mundo, que passa a ser mais facilmente dominado, e, por acidente, cria-se o chamado capitalismo acidental. Essa ideia teve depois muitas versões fora da Europa, em países da América Latina, Ásia e África, onde a universidade pública esteve muito vinculada aos projetos de construção nacional, como no caso do Brasil, no qual a Universidade de São Paulo participou, nos anos 30, assim como a Universidade de Nova Déli foi o projeto de uma nova Índia independente. Essa universidade agora está em crise.

Seria essa a encruzilhada à qual o senhor se refere no artigo?A universidade está numa encruzilhada por duas razões. Por um lado, para o neoliberalismo, e seu capitalismo global, os projetos nacionais deixaram de interessar. Não há uma economia nacional, mas sim uma economia globalizada. O capitalismo global não precisa de estados, aliás, no meu entendimento, não precisa nem da democracia. É um capitalismo cada vez mais antidemocrático e, portanto, os projetos de país que, por sua vez, eram elitistas perderam a coerência. Por outro lado, a encruzilhada está no fato de que nós, a caminho de acabar com a curiosidade como motor do conhecimento e, em substituição a ela, debruçamo-nos sobre o mercantilização. O valor do conhecimento é cada vez mais ditado pelo mercado e então nós temos a transformação das universidades em empresas. Não só na maneira como são geridas, mas também como os professores e os alunos são tratados - operários e clientes e não como cidadãos da sua própria universidade. Não é só a administração, é o conhecimento que se preza e que tem valor de mercado. Assim, as humanidades entram numa profunda crise. Enquanto os departamentos de ciências humanas estão sendo subfinanciados, outras áreas como a biologia e as tecnologias, ao contrário, nunca tiveram tanto dinheiro. A universidade pode estar se transformando em mais um outro mercado com a comercialização da educação terciária.

É o desafio da universidade contemporânea?A universidade foi criada para resolver os problemas nacionais, porque, na grande maioria e sobretudo fora da Europa, as sociedades eram ainda muito recentes. Precisavam então se debruçar sobre a criação da nação, da cultura e identidade nacional, ao mesmo tempo que também se constituía a sociedade como Estado. Eram essas as tarefas realmente importantes. Hoje, esse trabalho deixou de ser interessante para as elites políticas, que já não estão mais tão interessadas nas excelências das universidades para esta construção. Agora, o objetivo das universidades é serem globais para que possam vender seus cursos em todo o mundo. Essa comercialização está fazendo com que a universidade traia totalmente sua vocação original e, ao invés de ser uma solução para os paí­ses, será um problema adicional. O comércio vai impedir que outros saberes que são importantes sejam reconhecidos como tal e fará com que acabem excluídos da universidade.

Como garantir a amplitude desse conhecimento?É por isso que nos sentimos na obrigação de criar contrauniversidades, isto é, dentro da própria universidade criar mecanismos contrários à lógica mercantilista. No Brasil há algumas iniciativas interessantes, sobretudo nos departamentos de extensão. Algumas estão totalmente dominadas pelo neoliberalismo, e a extensão é uma maneira de ganhar verba para a universidade. Outras estão buscando os conhecimentos populares dos movimentos sociais, debruçando-se sobre questões de fora e trazendo-as para dentro da universidade. Nesse sentido é que propomos a criação da Universidade Popular dos Movimentos Sociais (UPMS).
Como é a atuação da UPMS?Há experiências importantes como a Universidade da Terra, no México, a Universidade Popular das Mães da Praça de Maio, na Argentina, ou as universidades interculturais dos indígenas, no Equador e Bolívia. Há muitas iniciativas às quais a UPMS também se junta como um trabalho universitário paralelo às universidades convencionais, mesmo se muitos de nós trabalharmos nessas universidades como é o meu caso. Aqui no Brasil estamos levando a discussão sobre a UPMS para dentro de universidades como as federais do Rio Grande do Sul (UFRGS) e da Integração Latino-Americana (Unila). Um dos objetivos é acabar com o divórcio entre o conhecimento acadêmico e o conhecimento popular (das mulheres, dos camponeses, dos indígenas, do movimento estudantil etc.). A ideia é também criar um interconhecimento entre os movimentos e fazer com que atuem conjuntamente.
Que análise o senhor faz do ensino superior brasileiro considerando o atual desenvolvimento do país?O Brasil teve uma recente transformação da educação superior, a partir do governo do presidente Lula, com o investimento na contratação de professores e na criação de novas universidades federais e com projetos inovadores como, por exemplo, os cam­pi instalados em regiões de fronteira. O que não se mudou, porém, foi a monocultura da universidade. A questão do acesso é um problema polêmico neste país, especialmente em relação às ações afirmativas e à polêmica que elas geram. Os conteúdos culturais das universidades são ainda muito colonialistas, não contemplam as histórias das populações vitimizadas pelo colonialismo como a dos indígenas, quilombolas. A diversidade cultural não chegou ainda à universidade como deveria chegar. Mas os caminhos estão se abrindo em defesa dessas questões.
O Processo de Bolonha foi uma revolução no sistema de educação europeu. Até que ponto ele está contribuindo para uma reformulação positiva do ensino superior na Europa?Eu sou bastante crítico a esse processo, e especialmente ao modo como ele avança. Com a vocação inicial de criar um sistema europeu unificado e garantir a circulação de estudantes e professores dentro do continente, era um projeto interessante e, inclusive, democrático e progressista. Na prática, porém, não é isto que está acontecendo. Sem nos darmos conta, o Processo de Bolonha sofreu a dominação das novas políticas do Banco Mundial e acabou influenciado pela lógica de que o conhecimento deve ser relevante para as necessidades do mercado, balizando a formação acadêmica e permitindo que as empresas exerçam um papel mais forte dentro da universidade. Acaba sendo um veículo de comercialização da própria universidade. Por outro lado, criou-se um processo de crucificação das universidades, que têm a excelência ditada por rankings, os quais utilizam critérios criados fundamentalmente no êxito mercantil. E também no uso comercial das suas patentes, dos postos de trabalho para os estudantes e da validade do conhecimento para o mercado e para o bem da empregabilidade dos seus egressos.
Então Bolonha não seria um bom exemplo a seguir na América Latina?Ocorre que, ao invés de mais solidariedade entre as universidades, criamos mais competição. Isso faz com que as universidades de periferia que normalmente precisam de mais ajuda, mesmo em países centrais como a França, em vez disso tenham menos recursos porque os fundos se concentram nas universidades de excelência. Portanto estamos de alguma maneira estratificando o sistema europeu, o que é uma perversão. Lembro um artigo de um ex-reitor da Universidade Federal da Bahia [o Naomar de Almeida Filho], o qual sugere que a nova universidade brasileira não pode ser nem Harvard nem Bolonha, e sim alguma coisa diferente. Nem Harvard, que é uma forma de elitismo, nem Bolonha, que é uma forma de estratificação das universidades e muito orientada para as necessidades do mercado, o que é absolutamente ridículo na Europa dos dias de hoje, por conta do alto nível de desemprego. Na Espanha 50% dos jovens que saem da universidade estão sem emprego devido à crise financeira. Então, qual o papel da universidade? É orientada para o emprego, mas qual emprego? Portanto, há um problema que foi muito mal orientado com a confiança num mercado europeu que não existe mais.

fonte http://revistaensinosuperior.uol.com.br/textos.asp?codigo=12878

Obrigado pela visita, volte sempre.
 pegue a sua no TemplatesdaLua.com

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Educatrix 2 - A revista que pensa a educação





Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Hambúrguer e Almôndega sem carne



Obrigado pela visita, volte sempre.pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Dica de leitura do editor do Blog. Práticas para avaliação escolar Dicas e sugestões de como fazer de Geraldo Peçanha de Almeida


Práticas para avaliação escolar

Práticas para avaliação escolar
Dicas e sugestões de como fazer

Geraldo Peçanha de Almeida
 


 

Formato: 14X21
ISBN: 9788578541767
Edição: 1     Ano: 2012
N. Pag.: 104
Capa: BROCHURA


Avaliar, valorar, dar valor, fazer avaliação, tudo é muito difícil. A avaliação é, sem dúvida, o campo mais espinhoso da escola. E isso não se deve ao fato de que não sabemos fazer, mas simplesmente porque temos medo de fazer. O medo vem da ideia preliminar de que faremos mal àquele que estamos avaliando caso ele não se sai bem. Assim tenho visto os processos de avaliação acontecerem.

Sejam nas empresas ou nas escolas, os avaliadores costumam ter medo do resultado negativo da avaliação quando, na verdade, avaliar é justamente trazer o que tem efetivamente ali à tona, e se assim o é, tanto faz se o resultado for negativo ou positivo. A avaliação será um norteador para novas atitudes e novos procedimentos, todos com a finalidade de melhorar o indivíduo que se encontra no caminhar do processo.

Este livro traz um conjunto de instrumentos, sem medo, sem dogmas e sem rodeios. Alunos, professores e diretores escolares estão contemplados. Ele apresenta fichas, relatórios, atividades, modelos de provas, de testes, de avaliação cognitiva e até baterias de exercícios para verificar a aprendizagem a curto e médio prazo.

Estas contribuições não têm a intenção de serem totalizantes, mas de apresentar possibilidades concretas no caminho da avaliação que traz benefícios ao aluno. As fundamentações, as intenções, as teorias e os argumentos filosóficos para cada instrumento são apresentados, quando possível, no item denominado – POSTURA DESEJADA.

Sumário:

Apresentação

O processo de escolhas de técnicas para avalição escolar

Primeira sugestão de avaliação bimestral e composição de média final

Segunda sugestão de avaliação bimestral e composição de média final

Terceira sugestão de avaliação bimestral e composição de média final

Atividades para avaliar leitura e escrita em turmas de alfabetização: Primeiros anos de ensino fundamental de nove anos

Gêneros textuais em cada uma das séries - divisão para o trabalho de leitura

Gêneros textuais em cada uma das séries - divisão para o trabalho de escrita

Exemplo de provas usando gêneros do discurso - anos iniciais

Prova para alunos de primeiro ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Prova para alunos de segundo ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Prova para alunos de terceiro ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Prova para alunos de quarto ano do ensino fundamental de nove anos - final do primeiro semestre

Exemplo de atividades para avaliar leitura em avoz alta, do método fonético

Tabela para reestruturação textual

Práticas de avaliação de professores e demais funcionários da célula escolar

O que é bom e o que não é bom para a carreira de um profissional de educação?

Modelo de ficha para avaliação institucional do trabalho do professor.

Exemplo de parecer descritivo que apresenta todo o desenvolvimento do aluno

Programa de apoio e de intervenção aos critérios avaliativos não atingidos pelo aluno

Referências acadêmicas para consulta sobre o assunto

Referências bibliográficas sobre avaliação da aprendizagem escolar


fonte: http://www.clickbooks.com.br/product_info.php?products_id=2814

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Um novo leitor

 Um novo leitor
Instrumento de avaliação permite oferecer o acervo de livros em meio digital para ampliar o acesso de estudantes às publicações
Edinaldo Andrade

 
Passados mais de cinco séculos desde a invenção de Gutenberg que revolucionou o processo de produção de livros, uma nova transformação em curso impacta o mercado editorial: são as publicações em meio digital. Dessa vez, a tecnologia atinge ainda a maneira como as obras são armazenadas, criando as chamadas bibliotecas digitais. A força do meio eletrônico para a publicação de livros se mostra tão premente que, em dezembro passado, uma resolução da Comissão Nacional de Avaliação do Ensino Superior (Conaes) permitiu às instituições de ensino superior disponibilizar em ambiente virtual pelo menos um dos livros da bibliografia básica de cada disciplina dos cursos oferecidos.

De acordo com o presidente da Conaes, Sérgio Roberto Kieling Franco, a expressão "pelo menos um" significa que os demais livros também podem ser digitais - normalmente três obras compõem a bibliografia básica exigida para cada disciplina. "O que a resolução quer sinalizar é que não adianta, para este indicador, a instituição ter um acervo digital e este não atender à bibliografia básica. É por isso que existem outros indicadores de avaliação do MEC", explica Franco.

O presidente da Conaes alerta, no entanto, que a possibilidade de oferecer aos alunos uma biblioteca virtual não descarta a manutenção do acervo físico pela instituição.

Uma possibilidade vislumbrada com a nova resolução é poder atingir um número maior de alunos e facilitar o acesso deles ao acervo das instituições. Embora na maioria dos casos não haja limite de consultas simultâneas às bibliotecas virtuais, Sérgio Franco alerta que as instituições devem estar atentas aos contratos desse serviço. "Pretendemos acompanhar isso e evitar que o uso do acervo virtual não seja restritivo, porque se assim for, torna-se muito pior que o acervo físico", destaca Franco.

De  modo geral, para a adoção de uma biblioteca virtual, a instituição assina um contrato de serviço com uma empresa especializada no fornecimento deste tipo de tecnologia, disponibilizando senhas de acesso para seus estudantes.

Na biblioteca digital, o aluno não tem hora para "retirar" livros e pode ler quantas publicações quiser, sem ter de se preocupar com data de devolução. Na maioria das plataformas, não é possível baixar o material no computador, apenas acessá-lo remotamente. O número de cópias também é limitado por leis de direitos autorais. Outras vantagens são os recursos interativos como vídeos e fotos, que ampliam a experiência do leitor.

Entre as empresas que oferecem o serviço está o Grupo Pearson, editora especializada em conteúdos digitais para a educação, que possui uma linha de negócios específica chamada de Biblioteca Virtual Universitária (BVU). Desde 2005, época do lançamento do projeto, a BVU passou a ser utilizada por 92 instituições de ensino superior e mais de dois milhões de usuários que a acessam diariamente, segundo o diretor de Negócios de Ensino Superior e Idiomas da Pearson Brasil, Laércio Dona.
Tendência virtual
Na Universidade do Grande Rio Professor José de Souza Herdy (Unigranrio), o sucesso do livro virtual é tanto, que uma pesquisa interna realizada pela instituição demonstrou que 95% dos 25 mil alunos preferem utilizar o material on-line como fonte de pesquisa. Segundo o diretor de Avaliação e Regulação da Unigranrio, Herbert Martins, o número de acessos à biblioteca virtual só cresce, chegando a 178 mil em 2011. "Mas isso não quer dizer que o aluno tenha deixado de lado a biblioteca física, ela continua sendo utilizada, principalmente em períodos que antecedem as provas, para o estudo em grupo, por exemplo", diz.

É também justamente em época de prova que as instituições e, especialmente, os alunos enfrentam um problema muito comum: a falta de livros. "A biblioteca física acaba não suprindo esta demanda. Então manter a biblioteca virtual disponível é uma vantagem muito importante", conta Martins.

A experiência com os livros digitais também foi positiva na PUC-PR, uma das pioneiras do Estado na utilização de uma biblioteca virtual, ainda em 1998. Na época, a instituição contava apenas com publicações em língua inglesa e periódicos on-line.

A coordenadora do Sistema de Bibliotecas da PUC-PR, Heloisa Anzolin, é defensora dos livros eletrônicos, mas tem ressalvas quanto ao uso exclusivo das bibliotecas virtuais. As razões, segundo ela, são bem simples. "Nem tudo o que a gente precisa existe em formato eletrônico ainda. Muitos livros de bibliografia básica, por exemplo, não são encontrados no formato digital", assevera.
Mais interatividade
Tal problema, porém, não representa uma barreira ao crescimento das bibliotecas virtuais, já que cresce rapidamente o lançamento de publicações digitais. No caso da BVU da Pearson, a oferta de publicações tem sido constantemente ampliada por meio de parcerias firmadas com editoras. Atualmente, a empresa conta com mais de dois mil títulos adotados como bibliografia básica e que cobrem mais de 40 áreas de conhecimento, como administração, marketing, engenharia, economia, direito, letras, história, geografia, jornalismo, computação, educação, medicina, enfermagem, psicologia, psiquiatria, gastronomia, turismo e outras - todos em português.

Herbert Martins adianta que novos serviços estão por vir, com a Biblioteca Virtual Universitária sendo preparada para oferecer outros recursos ainda mais interativos. "Nela o estudante pode digitar uma palavra qualquer e o próprio sistema vai trazer todos os títulos que existem dentro do acervo. A pesquisa também fica bem mais rápida. Ferramentas de anotações ainda permitem escrever observações no livro e uma nova versão possibilitará até enviar um trecho do livro para os amigos ou mesmo postar material no Twitter ou Facebook", conta Dona.

Os benefícios da biblioteca virtual
para a instituição...- Economia no valor investido para a compra de acervo para a biblioteca física.
- Maior número de títulos das bibliografias básica e complementar disponíveis.
- Integração e suporte aos programas de educação a distância da instituição, atendendo ao decreto n° 5.622 do MEC.
- Atualização permanente do acervo da biblioteca (inclusão mensal de novas edições e lançamentos).
- Segurança contra fotocópias ou replicações ilegais.
- Número ilimitado de acessos simultâneos.

... e para o estudante- Flexibilidade de acesso via internet na faculdade, em casa ou no trabalho.
- Disponibilidade do acervo 24 horas por dia, sete dias por semana.
- Consulta a múltiplos textos com facilidade.
- Existência de recursos de anotações eletrônicas que permitem gravar comentários em seu perfil.
- Descontos na compra da versão impressa dos livros disponíveis na biblioteca virtual universitária.
- Impressão de até 50% do conteúdo do livro com preço de fotocópia.

História do livro
Em 1455 a prensa móvel de Gutenberg imprimiu o primeiro livro: uma bíblia escrita em latim. Na época, o inventor e gráfico alemão enfrentou a resistência dos copistas, já que o sistema de impressão criado por ele colocava "em risco" a atividade desses profissionais. De fato não demorou muito para que a prensa se popularizasse e passasse a ser largamente utilizada, transformando a forma como os livros eram produzidos e, principalmente, comercializados. Agora, mais uma vez o livro e a maneira como nos relacionamos com a leitura passa por uma transição, com a popularização das publicações digitais. Esse mercado ganhou força principalmente devido à massificação da internet e das redes de banda larga. Soma-se a isso a produção cada vez mais crescente de tablets, dispositivos portáteis que permitem a leitura dos livros digitais, entre outras inúmeras funções. No entanto, a expectativa é de que o livro eletrônico não substituirá definitivamente o tradicional. Isso porque, para muitos, nada substitui o prazer de folhear uma boa publicação, fazer marcações ou até mesmo sentir aquele cheirinho gostoso de livro novo.
- Portas para a inovação
- Muito além da vigilância
- Mais próximo do mercado
- Onde está o aluno?

fonte http://revistaensinosuperior.uol.com.br/textos.asp?codigo=12925

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

segunda-feira, 7 de maio de 2012

Acontece na faculdade de Educação da UNICAMP. Dias 9, 10 e 11 de maio de 2012.



 SEMINÁRIO
As Diferentes Epistemologias na Formação de Professores c/ Profa. Dra. Anna Maria Pessoa de Carvalho (Faculdade de Educação - USP). Dia: 10/05, das 9h às 12h, na Sala LL 02. Realização: Grupo Formar-Ciências


PALESTRA
Projeto Político Pedagógico do Curso Técnico em Enfermagem do Cotil: Desafios e Reflexões, com Profa. Daisy Rodrigues Pommer (Cotil - Unicamp) e Profa. Marilene Alice Cunha Santos (Cotil - Unicamp).
Dia 10/05, das 14h às 16h, no Salão Nobre da FE. Realização: PRAESA - Laboratório de Estudos e Pesquisas em Práticas de Educação e Saúde
   
SEMINÁRIO
Microconteúdo multiplataforma móvel aplicado em ambiente virtual de ensino a distância c/ Marcia Izabel Fugisawa Souza (Doutoranda em Educação - FE/UNICAMP; Embrapa Informática Agropecuária). Dia: 11/05, às 14h, na Sala da Congregação da FE.
Realização: Grupo de Pesquisa LANTEC






 Faculdade de Educação da  Unicamp

 Av. Bertrand Russell, 801
Cidade Universitária "Zeferino Vaz"
13083-865 - Campinas - SP - Brasi

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com