Pular para o conteúdo principal

Entrei na faculdade pública após 14 anos sem estudar


 FACULDADE

"Entrei na faculdade pública após 14 anos sem estudar"

Rosimeire ingressou numa faculdade pública depois de ter abandonado os estudos para ser mãe, esposa e dona de casa

27/07/2011 10:09
Texto Redação
 
Foto: Hoje Rosimeire está no segundo ano do curso de Letras com habilitação pela UNIFESP. 
 
Hoje Rosimeire está no segundo ano do curso de Letras com habilitação em francês pela UNIFESP.
 

Rosimeire Cardoso de Oliveira, 34, moradora de São José dos Campos, sempre gostou de estudar. Aos 16 anos, no entanto, por causa de uma gravidez não planejada, sua vida virou de ponta-cabeça. Abandonou a escola e, com ela, o sonho de se formar em Letras e ser uma ótima professora. Mesmo com tão pouca idade, virou mãe, esposa e dona de casa em tempo integral. Foi uma ducha de água fria.

Gravidez inesperada 
Ela descobriu que estava grávida depois de um ano de namoro com Gilson. Logo que soube, ficou muito preocupada com a responsabilidade de ser mãe na adolescência. Não queria parar de estudar, por isso, com muito sacrifício, conseguiu finalizar o segundo ano do Ensino Médio durante a gestação.
Quando sua filha, Helen, nasceu, Rosimeire parou de estudar e foi morar numa casinha nos fundos do terreno da mãe de Gilson. Mas não quis ficar longe da escola, então, quando a menina completou um ano, decidiu concluir o Ensino Médio. Matriculou Helen numa creche e voltou a estudar. Mas não foi fácil, ela não tinha tempo para fazer as lições de casa e estava sempre cansada. Para piorar, começou a trabalhar na floricultura da tia. Terminou o curso, porém, parou de estudar novamente e desistiu de fazer faculdade. Estava conformada com a vida doméstica.

Depois de 11 anos sob o mesmo teto, sua relação com  Gilson chegou ao fim. Mudou-se com a filha para uma casinha alugada. Quatro anos mais tarde, quando Helen estava mais crescida, Rosimeire voltou a sonhar com a faculdade, aos 31 anos. Mas considerava a ideia uma loucura. Não tinha condição de pagar a mensalidade de uma universidade particular e achava muito difícil entrar numa pública depois de 14 anos sem abrir um livro.
Foi então que ela descobriu o ProUni (Programa Universidade para Todos), que oferece bolsas de estudo em instituições particulares de todo o país para alunos de baixa renda. "Essa é a minha chance", pensou a futura estudante. "Se não passar numa faculdade pública, vou tentar essa bolsa."
Em maio de 2009, Rosimeire inscreveu-se no Enem, matriculou-se num cursinho gratuito noturno e começou a estudar por conta própria em casa. Como trabalhava de segunda a sábado, só tinha domingo para dedicar-se aos estudos. Ela acordava cedo e passava praticamente o dia todo mergulhada em livros, apostilas e simulados. Também lia revistas e jornais e não perdia um noticiário televisivo.

"Minha nota no Enem ficou acima da média!" 
Ao procurar as provas anteriores do Enem na internet, entrou no site da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), que é pública, e viu que ela oferecia o curso de letras com habilitação em francês que ela tanto queria fazer. Soube que a nota do Enem era utilizada no vestibular deles e resolveu arriscar.
Na manhã do dia do exame, Rosimeire sentiu-se bastante nervosa, mas, ao ler as primeiras questões, percebeu que estava bem preparada e os nervos se acalmaram. Quando saiu o resultado, ela não acreditou: sua pontuação no Enem havia ficado acima da média nacional.

Confiante, foi prestar o vestibular da Unifesp. Quando a primeira lista de aprovados foi divulgada, seu nome não fazia parte dela. Enquanto esperava pela segunda lista, inscreveu-se no ProUni e foi selecionada para receber a bolsa. Estava prestes a se matricular na Universidade Paulista (Unip), que é particular, quando a segunda lista da Unifesp foi divulgada e seu nome aparecia entre os aprovados.

Quando as aulas começaram, em 2010, Rosimeire estava nas nuvens. Valeu a pena esperar sua vida se estabilizar e, 14 anos depois, voltar aos estudos para realizar seu grande desejo.
Hoje, ela está no segundo ano e vê um longo e brilhante futuro para si como professora e tradutora.




Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…