Pular para o conteúdo principal

Dicas para a Elaboração do Referencial Teórico (fundamentação teórica ou marco teórico) Prof. Maria do Carmo Teixeira Costa



Dicas para a Elaboração do Referencial Teórico
(fundamentação teórica ou marco teórico)


Prof. Maria do Carmo Teixeira Costa


É importante destacar que esta parte do trabalho demonstra o conhecimento sobre a literatura básica que se refere ao assunto abordado. É muito importante concentrar no título e apresentar os conceitos que ele aborda. A escrita é característica e qualquer trabalho que apresente esta parte terá uma forma redacional muito semelhante, só diferenciando quanto ao assunto. A configuração demonstra que os conceitos foram explorados e a redação representa o esforço de condensar os resultados dos estudos feitos nos diversos autores que escrevem sobre o assunto. Por isto, a inclusão de citações (dos três tipos) de nota de rodapé explicativa é sempre requisitada, pois auxilia na construção de argumentos. Todos os autores citados devem ter seu nome e o título da obra consultada registrados nas Referencias.

A redação do Referencial Teórico permite a apresentação das teorias e seus autores, contribuindo para embasar teoricamente a pesquisa. Para a elaboração do Referencial Teórico é necessária uma análise comentada dos conceitos pertinentes ao tema. Isto irá permitir consubstanciar cientificamente o trabalho, mostrando o que existe sobre o assunto, quantas e quais pessoas escrevem sobre ele.

O objetivo da construção do Referencial Teórico é concentrar a ênfase na temática abordada, e, através de diferentes metodologias de pesquisa, sustentar uma argumentação pautada nos dizeres de autores consultados. 

A melhor forma de montar o Referencial Teórico é destacando os conceitos importantes que serão tratados em cada disciplina. Todo conceito é elaborado por um autor e o aluno, juntamente com o professor da disciplina, escolhem previamente a literatura que será utilizada.

A seguir um breve exemplo de Referencial Teórico, destacando conceitos sobre o tema ‘Relações de poder’.

Segundo Melo (1991), toda estrutura social é caracterizada pela existência das relações de poder. No que se refere a essas relações a autora revela a existência da autoridade, não só no contexto da legalidade ou das formalidades das concepções weberianas, como também, na legitimidade das manifestações das relações de poder entre os pares. Rocha e Melo (2001) relatam sobre organizações que adotam a influência dos indivíduos para a construção de um imaginário próprio, com o qual os empregados estabelecem laços de confiança.

Enriquez (2007, p. 64) identifica e descreve as figuras do poder carismático, tecnocrático, burocrático, democrático e despótico, indicando que em todo poder “há uma hierarquia de papéis, status, comportamentos”. Essa hierarquia pode ser facilmente observada nas sociedades animais, pois não se encontram sociedades animais sem regras, sem diferenciação fixa, sem sistema de dominação. O autor observa ainda, que as relações de poder “em função da carga emocional que lhe é inerente, parece ser embaraçosa no dia-a-dia” (ENRIQUEZ, 2007, p. 61).

As questões relativas ao poder e aos problemas derivados das relações de poder encontram sua trajetória pontuada por autores como Clegg e Hardy (2001) que trazem muitos dos diferentes olhares sobre o tema.  




Dicas para a elaboração do referencial teórico

xa.yimg.com/kq/groups/22758048/1512903098/name/Dicas



Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…