Pular para o conteúdo principal

Regra prevê passagem livre em pedágio com fila grande

 

Fábio Amato Do G1, em Brasília

Segundo ANTT, fila em pedágio das BRs não pode superar 400 metros.
Medida vale para leilão de sete trechos, previsto para abril.

  Regra prevê passagem livre em pedágio com fila grande


A medida, elaborada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT), consta do programa de exploração de sete trechos rodoviários que serão concedidos. O objetivo é garantir que as empresas que vão administrar essas estradas façam os investimentos necessários para evitar que os motoristas enfrentem longas filas para pagar pedágio, cena comum em feriados prolongados em São Paulo, por exemplo.
Pela regra, fora do horário de pico, a fila de carros em uma praça não vai poder ultrapassar 200 metros. E o tempo de espera dos motoristas, da chegada na fila até a passagem pela cabine de cobrança, será de até 10 minutos.
No horário de pico de movimento, a fila de carros poderá ter, no máximo, 400 metros. E o tempo de espera do motorista na fila não vai poder ser superior a 20 minutos.
Se os limites não foram observados, a concessionária vai ser obrigada a abrir a cancela para a passagem dos veículos, sem cobrança de tarifa. A empresa também não vai ter direito a pedir ressarcimento pelas perdas.
O documento diz que a ANTT ainda vai definir o que será considerado horário de pico. Sobre a extensão das filas de carros, ele prevê que as distâncias de 200 metros e 400 metros deverão estar demarcadas na pista, para que a aferição seja feita.
A regra vai valer para o leilão de sete trechos de rodovias, previsto para ocorrer em abril. Serão repassados à administração da iniciativa privada cerca de 5,7 mil quilômetros nos Estados da Bahia, Espírito Santo, Minas Gerais, Tocantins, Goiás, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, além do Distrito Federal. As rodovias que terão os trechos concedidos são as BRs 101, 262, 153, 050, 163, 267 e 060.
Para ler mais notícias do G1 Economia, clique em g1.globo.com/economia. Siga também o G1 Economia no Twitter e por RSS.

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…