Pular para o conteúdo principal

Os lados da História





Objetivos Compreender a noção de que a História pode ser contada de diversas formas.
Analisar o conteúdo histórico de uma reportagem e de um texto literário.
Diferenciar objetivos e conseqüências na análise da história das bandeiras.
Conteúdos Entradas e bandeiras.
Formas de narrar um fato histórico.

Anos 7º e 8º.

Material necessário 
Cópias do poema O Caçador de Esmeraldas, de Olavo Bilac, (disponível aqui) e da reportagem Os Brutos que Conquistaram o Brasil, da revista Superinteressante (disponível aqui).

Duração Quatro aulas.

Desenvolvimento
Antes de começar, a turma já deve dispor de informações básicas para a compreensão do fenômeno das bandeiras e das conseqüências dessas expedições.

1ª ETAPA Realize com a classe uma leitura compartilhada do poema, que caracteriza os bandeirantes com traços heróicos. Mostre como os adjetivos constroem um perfil elogioso do personagem.

2ª ETAPA Organize os alunos em grupos para a leitura da reportagem da Superinteressante, um texto mais recente e crítico sobre as bandeiras. Levante questões para estimular o debate: como eram os bandeirantes segundo o relato? Quais os motivos que levavam os paulistas a penetrar no sertão brasileiro? Quais as principais conseqüências dessas incursões?

3ª ETAPA Hora de contrapor os dois relatos, avaliando as perspectivas do poeta e do repórter. Pode-se dizer que eles têm os mesmos objetivos ao contar a história? Quais seriam eles? Para que a classe saiba mais sobre Olavo Bilac, oriente a busca de informações sobre a vida e as posições políticas dele. Nessa etapa, sua intervenção deve mostrar que, dependendo das intenções do narrador, a história pode ser contada de diversas maneiras.

Avaliação Proponha a escrita de um texto individual que cumpra dois requisitos: destacar os objetivos dos bandeirantes e as conseqüências das expedições e comparar as perspectivas sobre a história das bandeiras nas duas narrativas estudadas. Verifique se os alunos informam os dados corretos e se percebem que o primeiro relato enfatiza os objetivos dos bandeirantes, enquanto o segundo foca suas conseqüências.
Consultoria: Daniel Vieira Helene
Selecionador do Prêmio Victor Civita Educador Nota 10.


http://revistaescola.abril.com.br/historia/pratica-pedagogica/os-lados-da-historia-426178.shtml

Obrigado pela visita, volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…