Pular para o conteúdo principal

Como Montar um Terrário?

Como Montar um Terrário?
Clique para ampliar
Resumo
Monte um terrário para observar fenômenos como o ciclo da água, o ciclo da vida vegetal e animal (desde seu nascimento, crescimento, morte e decomposição)
Objetivos
  • Montar um terrário
  • Simular um ambiente terrestre
  • Verificar a ocorrência do ciclo da água no terrário;
  • Conscientizar os alunos da importância da água e do solo na vida das plantas edos animais (inclusive o homem);
  • Conscientizar os alunos da importância da água para os animais (inclusive ohomem);
  • Observar que há diferentes tipos de solo;
  • Incentivar a observação e o cuidado com a natureza;
  • Estimular o registro das observações em diários e tabelas;
  • Conteudos
    Terrário - solo - ciclo da água – ciclo de vida dos animais e vegetais – partesdas plantas- decomposição
    Material
  • Recipiente para montar o terrário (aquário vazio, vidro ou garrafa PET);
  • Pedrinhas ou argila expandida;
  • Carvão ativado (utilizado para absorver componentes orgânicos, evita o mal cheiro, proliferação de fungos etc);
  • Solo para jardim (comprado) ou mistura de solos trazidos pelos alunos;
  • Mudas de plantas ou sementes;
  • Manutenção
    O terrário se mantém sozinho. Semanalmente podemos abrir o terrário paracolocar um pouco d´água (verifique se é realmente necessário, o mesmo deveestar úmido e não encharcado!), limpar o vidro e colocar mais plantas eanimais. Se tiver água demais no terrário é necessário deixá-lo alguns diasaberto para que a água evapore. Se as plantas cresceram tomando todo oespaço, corte-as ou substitua-as. Folhas e bichinhos mortos podem serdeixados no terrário para ver como ocorre sua integração ao solo, mas podemcausar uma proliferação exagerada de fungos. Se houver mais que um terrário,podemos deixar um deles com os restos de plantas e de animais e o outro,limpo.
    Inicio
    A introdução do terrário nas atividades da sala de aula poderá ser iniciada com a atividade 14 do Módulo Solos -“Preparando o Solo” - disponível no sitewww.cienciamao.if.usp.br). Nesta atividade o professor poderia questionar afunção e a diferença da argila, da areia, do adubo orgânico, terra vegetal etc.Após esse estudo o professor poderia questionar os alunos: Para onde vai aágua que cai no solo? O que acontece com a água usada para molhar asplantas? As plantas comem terra? As plantas bebem água? O que acontecequando uma planta ou um bichinho morre?
    O professor poderia também utilizar a atividade “Fabricando chuva”, seqüência8 do Módulo Água (disponível no site www.cienciamao.if.usp.br);
    Colocando
    Podemos mostrar um terrário já montado às crianças para ilustrar o objetivo aser alcançado, mostrar fotos de outros tipos de terrários ou lembrar visitas(serpentes da Estação Ciência e do Instituto Butantan) onde são encontradosterrários com plantas e animais.
    A montagem do terrário faz parte da atividade proposta e deve ser realizadapelos alunos, sob orientação do professor. É interessante que a classe sejaorganizada em grupos, de modo a permitir que todos os alunos participemdesta e das outras etapas da atividade.
    O terrário poderá ser montado em um aquário com tampa ou outro recipientecomo um vidro de conserva ou uma garrafa PET. Pode ser pequeno ou grande,de acordo com o material disponível.
    A montagem do terrário começa pela limpeza do recipiente, que deve ser limpoe seco. No fundo do recipiente colocam-se as pedrinhas (ou argila expandida),formando uma camada para drenagem da água. Imediatamente acima, sepossível, uma fina camada de carvão ativado é colocada para evitar ocrescimento de fungos na água, o apodrecimento das raízes e a formação degases. Finalizando, coloca-se uma camada de terra, até completar cerca de 1/4da altura do vidro.
    Preparado o "terreno" é hora de escolher as plantas adequadas para estaatividade. São mais indicadas as plantas que crescem pouco, como porexemplo: peperômia, musgos, pequenas samambaias, begônias e até mesmopequenos antúrios. É importante lembrar que nessa escolha deve-se levar emconta o tamanho do recipiente utilizado.
    Para melhor simular uma paisagem natural, podemos acrescentar ao terrárioalguns elementos facilmente encontrados, como galhos, pedras e folhas secas.Podemos também simular um lago, adicionando ao terrário um potinho comágua.A presença de pequenos animais como tatuzinhos de jardim e caramujos,auxiliaria na introdução de outros assuntos como: locomoção, alimentação,reprodução, comportamento de animais da mesma espécie e de espéciesdiferentes, comportamento diante das características do ambiente, entre outrospodem ser observados e comparados pelos alunos. Após colocar as plantas eos animais é necessário borrifar água com cuidado dentro do vidro e fechar oterrário com a tampa ou com um plástico preso com um elástico.
    O terrário deve ficar num local iluminado, mas sem receber sol diretamente. Oexcesso de exposição à luz solar transforma-o numa estufa. O professorpoderia aproveitar e perguntar: Você já ouviu falar em estufa? O que será queacontece com as plantas e os animais em uma estufa? Que tal realizarmosuma pesquisa?
    Acordo
    A observação do terrário poderá ser realizada a qualquer momento,diariamente ou semanalmente, a freqüência de observações deverá serestabelecida pelo professor e alunos e deve levar em consideração o objetivodas mesmas. Se a intenção for medir o crescimento de uma planta, porexemplo, a observação poderá ser semanal. Se a intenção for acompanhar agerminação de uma semente, a observação poderá ser diária.O professor poderia questionar os alunos: Quais os tópicos que serãoobservados no terrário, como serão registrados? É importante, que todosparticipem, portanto todos os alunos devem registrar suas observações nocaderno.
    Registro
    Cada grupo deve fazer um registro inicial com a data da montagem e oscomponentes do terrário. O registro poderá ser realizado diariamente ousemanalmente através de desenhos, tabelas, redações etc.
    Sugestoes
  • A revista Nova Escola (número 187, Nov/Dez) traz “Um terrário paraobservar o ciclo da água”, com dicas e fotos que ajudam a montar e autilizá-lo. Disponível em:http://novaescola.abril.com.br/index.htm?ed/165_set03/html/ faca.
  • O terrário poderá ser utilizado também para observar a atividade dasminhocas no solo, para isso deve-se colocar dentro dele, algumasminhocas e cobrir a parte do recipiente utilizado que está com terra comjornal ou papel escuro e aguardar algumas semanas. Passado o tempoesperado, retira-se o papel. Pede-se aos alunos observarem oscaminhos que as minhocas fizeram e a presença de “montinhos” nasuperfície do solo (são as fezes das minhocas). O professor tambémpode questioná-los sobre a contribuição das minhocas ao solo e àsplantas do terrário. Pode-se também, experimentar montar diferentestipos de terrários, um com solo seco, um com solo úmido e um com solomisto.
  • Os professores das séries iniciais podem aproveitar a atividade doterrário de forma mais simples, por exemplo, no momento que oprofessor estiver montando-o poderá discutir com os alunos sobre oselementos da natureza, a diferença dos seres bióticos (com vida) eabióticos (não vivos, como pedras, água, etc).
  • Observação
    O professor deverá supervisionar a coleta dos animais para evitaracidentes com animais peçonhentos ou que eventualmente causem alergias. Oprofessor deverá utilizar uma pinça ou luva grossa.
    Referencias
    [1]Baseado em texto produzido por Eleuza Guazzelli (Secretaria de Estado da Educação - Coordenadoria de Estudos e Normas Pedagógicas)
    Módulo Escola e Meio Ambiente
    Em 2004, o grupo de professores e coordenadores pedagógicos de 13 escolas que participaram do projeto “Mão na Massa” desenvolvido pela Estação Ciência, que estudaram o tema “Solos”, mostraram interesse na continuidade do trabalho. A partir desse quadro foi planejado o Módulo Meio Ambiente, no qual partimos de um terrário (um pequeno ecossistema) para uma horta, jardim e pomar, chegando aos ecossistemas terrestres brasileiros (Amazônia, Caatinga, Cerrado, Restinga, etc) e as relações entre os elementos que os compõem.
    Como Montar um Terrário?
    Módulo Escola e Meio Ambiente
    Sequencia1
    Número1
    Tipoatividade


    http://www.cienciamao.usp.br/tudo/exibir.php?midia=ema&cod=_1-1

    Obrigado pela visita, volte sempre.
      pegue a sua no TemplatesdaLua.com

    Postagens mais visitadas deste blog

    Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

    A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

    1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
    2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
    3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
    4) Interesse pessoal do candidato na área. 
    5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
    6) Expectativas em relação ao curso. 

    Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

    Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
    O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
    A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
    1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
    2-Experiência acadêmica…

    Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

    Planos de Aula
    CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

    Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

    Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
    Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
    1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…