Pular para o conteúdo principal

Educação na América (Estados Unidos) Autor: Juacy da Silva



10 de Novembro de 2011
Educação na América
Autor: Juacy da Silva
 
Ao longo de quase quatro décadas tenho tido a oportunidade de conviver nos EUA, primeiro em meados da década de setenta quando realizei mestrado, depois no final da década de oitenta quando fiz parte de uma missão militar brasileira em Washington, D.C. e desde então tenho passado boa parte dos anos por aqui até que há quase três anos acabei fixando residência neste país, onde também moram minhas três filhas, cinco netos e uma neta. Assim, aos poucos tenho podido observar o cotidiano da vida America, não apenas entender o que significa o "sonho americano", que continua atraindo milhões de imigrantes legais ou ilegais de todo o mundo, mas também vendo de perto os dramas, as crises e os desafios que o país e a sociedade enfrentam. Posso dizer que sou um observador participante, dentro das limitações que são estabelecidas para quem é oriundo de outra cultura, evitando qualquer forma de etnocentrismo.

Para entender a realidade educacional dos EUA é preciso saber como a mesma é organizada e quais são seus parâmetros mais importantes. Diferente do Brasil, por exemplo, o sistema público educacional é muito descentralizado, como também outros setores da sociedade. A responsabilidade pelo ensino fundamental e médio é dos condados e cidades (um condado por ter várias cidades, com certo grau de autonomia, inclusive para organizar os sistemas educacionais, de infra-estrutura e de segurança pública, entre outros). Os Estados e o Governo Federal participam nesta faixa de ensino, mas cabe aos condados o planejamento e a gestão. Cabe destacar que a definição do orçamento público nos condados e cidades é realizada de forma participativa, o povo define as prioridades do governo, ou seja, como o dinheiro público deve ser empregado. A educação é o setor que recebe a maior parcela dos orçamentos locais, em torno de 30% ou em alguns casos até mais do que este percentual.

O ensino superior público é de competência dos Estados, cabendo ao Governo Federal apoiar financeiramente e estimulando e financiando parte dos custos e também incentivando as pesquisas e o desenvolvimento científico e tecnológico, onde as universidades têm papel de destaque. O Governo Federal é responsável pelos estabelecimentos de ensino militar, inclusive de algumas universidades que também aceitam alunos civis. O sistema educacional público de nível fundamental ("elementary" e "middle") e médio ("high school") é integrado por 98.800 escolas (75% do total), enquanto o sistema particular é representado por 33.000 escolas (25%). No atual ano letivo de 2011/12 estão matriculados 49,4 milhões de alunos no sistema público (89,2%) e no sistema particular 6,5 milhões de alunos (11,3%). Cabe ressaltar que a qualidade do ensino público, com as exceções relacionadas com diferenças geográficas, econômicas e sociais, é igual ou em alguns casos superior aos resultados obtidos pela rede particular. Oportunamente escreverei sobre esta questão.

O Corpo docente é constituído por 3,2 milhões de professores nas escolas públicas e 500 mil nas escolas particulares. A relação aluno por professor é de 15,5 nas escolas públicas e de 12,9 nas escolas particulares. Tanto o sistema público quanto o particular da primeira série ao último ano do ensino médio ("high school") é em tempo integral. Ônibus escolares apanham os alunos nas proximidades de suas casas entre 06h20min da manhã e retornam após as 14h00min horas, em horários alternados de acordo com a faixa etária. A jornada escolar para todas as faixas etárias é de oito horas diárias, cinco dias por semana.

Todas as escolas possuem refeitórios compatíveis com o número de alunos matriculados. A alimentação é supervisionada por uma equipe de nutricionistas e os pais recebem em casa ou podem verificar nos sites das escolas o cardápio mensal e semanal. As refeições são pagas de acordo com a situação econômica dos pais, podendo chegar a 100% gratuitas, para alunos cujas famílias estão próximas ou abaixa da linha de pobreza. Outra particularidade tanto para as escolas públicas quanto as particulares são os laboratórios, as bibliotecas, as instalações esportivas oferecendo aos alunos condições de aprendizagem e ambiente propício para os estudos e a pratica de atividades físicas.

Uma coisa interessante é a relação dos ônibus escolares com o trânsito. Todos são equipados com rádio para comunicação com as escolas e quando param para que um aluno embarque ou desembarque de ambos os lados abre um sinal físico de "para" (stop) e todos os veículos em ambos os sentidos são obrigados a pararem até que o ônibus novamente se movimente.Os condados possuem uma grande frota de ônibus, todos de cor amarela/laranja, para atenderem inclusive atividades extracurriculares. No caso, por exemplo, dos condados de Fairfax na Virginia e de Montgomery em Maryland, integrantes da área metropolitana de Washington, D.C. cada um tem uma frota com mais de 1.200 ônibus. Voltarei ao tema com mais informações e outras reflexões sobre as questões do financiamento da educação, o salário dos professores e os desafios que a educação enfrenta atualmente nos EUA.

Juacy da Silva, professor universitário, fundador, titular, aposentado UFMT, ex-diretor da ADUFMAT, ex-ouvidor Geral de Cuiaba, mestre em sociologia, colaborador de Só Notícias e blog www.justicaesolidariedade.zip.net
E-mail professor.juacy@yahoo.com.br
O conteúdo aqui publicado é de total responsabilidade de seu autor e não reflete necessariamente a posição de Só Notícias


http://www.sonoticias.com.br/opiniao/3/139229/educacao-na-america

Obrigado pela visita, volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…