Pular para o conteúdo principal

PROJETO: FOLCLORE PROFESSORA BRUNA LOBO


PROJETO: FOLCLORE

PROFESSORA BRUNA LOBO
1. INTRODUÇÃOA história da humanidade é permeada por simbolismos resultantes das crenças e tradições de cada um dos povos que, através do contato e da variedade cultural existente, delineia sua historicidade e marca seus traços de identidade no mundo. A experiência histórica de um povo constrói seu estilo de vida, suas tradições, costumes, crenças e, tais elementos interligados, formam sua cultura.


2. JUSTIFICATIVAEntendemos que o folclore é a expressão mais forte da maneira de viver de cada grupo social. Assim, levando em consideração a importância das manifestações culturais na vida da população e a necessidade de sua preservação, desenvolvemos este projeto, na tentativa de perpetuar este importante elemento de identidade cultural.
Portanto, O saber popular é um dos pontos de partida para o fazer pedagógico, buscando assim ampliar o conhecimento, compreensão e análise sobre o folclore brasileiro através do diálogo com os alunos, de questionamentos a respeito de suas próprias experiências sobre as diversas lendas, brincadeiras, brinquedos, parlendas, cantigas, trava-línguas e etc., levando-os a pesquisarem sobre o tema em questão.

3. OBJETIVOS
- Valorizar as manifestações culturais;
- Estimular a ampliar a linguagem oral;
- Incentivar a escrita nas suas diversas modalidades;
- Estimular o ritmo, a criatividade e prazer pelas cantigas de roda.

4. ESTRUTURA PROGRAMÁTICA/RECURSOS
Em cada aula do projeto, serão propostas atividades visando resgatar a cultura popular através de: lendas, parlendas, cantigas de roda, brincadeiras folclóricas, trava-línguas, e advinhas. Para tanto, utilizaremos:
- Pesquisa no laboratório de informática e com familiares
- Cruzadinha
- Caça palavras
- Jogos e brincadeiras
- Leitura e ordenação de textos
- Representação de cantigas e parlendas
- História legendada
- Quebra-cabeças sobre personagens das lendas
- Modelagem com argila ou massinha
- Jogo da memória

3.PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS (AÇÕES)
- Conversa e registro (sondagem dos conhecimentos prévios);
- Explicar o que é folclore: são lendas, superstições, parlendas, brincadeiras, adivinhas;
- Pesquisar com pais as lendas conhecidas;- Socializar as lendas na sala de aula, por meio de recontos;
- Escolher por meio de votação as lendas preferidas dos alunos;
- Elaborar um gráfico com o resultado da votação (aproveitar e trabalhar situações-problema em matemática);
- Pedir aos alunos (em duplas) que reescrevam algumas lendas;
- Fazer um levantamento dos trava-línguas conhecidos pela turma (se não souberem nenhum, pedir uma pesquisa para casa);
- Socializar os trava-línguas e organizar fichas de leitura de cada um deles;
- Os alunos levam para casa as fichas com os trava-línguas para que possam ler em casa;
- A professora começa a aula lendo algumas adivinhas p/ turma, que tentam descobrir as respostas;
- Organizar um campeonato de adivinhas na sala;
- Os alunos deverão advinhar, através de objetos da caixa surpresa, de quais advinhas a professora se refere;
- Representação de cantigas de roda e parlendas
- Confecção de móbiles referente as parlendas trabalhadas
- Promover pesquisas na internet.

5. AVALIAÇÃO
A avaliação ocorrerá de forma coletiva, com a participação dos alunos na rodinha, que se posicionarão sobre os pontos positivos e negativos do projeto, e com o registro da participação feito pela professora.

6.PRODUTO FINAL
Finalizaremos o projeto com a exposição dos trabalhos realizados pelos alunos da educação infantil e ensino fundamental na maloca da escola.

7. BIBLIOGRAFIA
Livros:

Dia a dia do professor

Revistas:
Projetos Escolares (agosto 2007 e 2008)
Professor Sassá (agosto 2008)

Sites de pesquisas:
www.ifolclore.com.br
www.folclorebrasileiro.com.br
http://portalx.globo.com./portalzinhox/frameset.htm?lendas
 http://brunaleaolobo.blogspot.com.br/2008/08/projeto-folclore.html

  Obrigado pela visita, volte sempre.
 pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…