Pular para o conteúdo principal

Resumo: Filosofia da Educação

 

Resumo: Filosofia da Educação

Jean-Jacques Rousseau (1712-1778). Filósofo suíço, escritor, teórico político e um compositor musical autodidata.
Emanuel Kant (1724-1804). Filósofo alemão. Grande filósofo dos princípios da era moderna, indiscutivelmente um dos seus pensadores mais influentes.
O pensamento misógino de Rousseau se expressa claramente quando justifica um modelo de educação diferenciada segundo o sexo, argumentando: “uma vez que se demonstrou que o homem e a mulher não são e nem devem ser constituídos da mesma maneira, nem quanto ao caráter, nem quanto ao temperamento, segue-se que não devem ter a mesma educação”.

É na exclusão das mulheres de uma educação baseada na razão que o filósofo Rousseau assenta as bases da soberania masculina, que se reflete em todas as esferas da sociedade. A fronteira da razão em Rousseau passou a ser determinante e determinada pela divisão sexual de papéis sociais. Para ele, lugar de mulher não é no mundo científico, e sim em casa, submissa ao marido enquanto que o homem deve ser o herdeiro legítimo dos legados científicos e, referindo-se à instrução das moças, afirma que pudor, recato e ignorância sexual por parte da mulher são essenciais para sustentar a virilidade do marido.

Por outro lado, o peso das mulheres na constituição da República das Letras é testificado pela freqüência com a que o próprio Rousseau faz referência à gravitação das mulheres no mundo intelectual de seu tempo. Pesa sobre ele e o seu radicalismo, a suspeita de que a mulher haja se refugiado na vida privada, sob a forma de argumentações biologicistas, devido a desigualdade e a expulsão do espaço público.
Segundo o filósofo Rousseau a mulher é feita especialmente para agradar ao homem, ser-lhe útil, fazer-se amada e estimada; educar o homem quando jovem, cuidá-lo quando adulto, consolá-lo, fazer-lhe a vida agradável e doce. Sua missão na vida é fazer grandes homens e que, ser mulher, para ele, é ter uma condição esquizofrenizante, pela dicotomia entre ser santa e tentadora. E, ainda mais, que os deveres femininos de todas as épocas deveriam ser ensinados às meninas desde a mais tenra idade.
Essa foi uma forma de educação da mulher que perdurou por muito tempo e em diferentes sociedades.

O pensamento pedagógico e filosófico de Rousseau prega a liberdade masculina e a sujeição feminina. Rousseau aconselha incentivar nos meninos a livre iniciativa e a espontaneidade e insiste na contínua repressão dos impulsos das meninas para acostumá-las à obediência e às tarefas do âmbito doméstico.

Na afirmação filosófica de Rousseau, a mulher mantém-se perpetuamente na infância; ela é incapaz de ver tudo o que lhe é exterior ao mundo fechado da domesticidade que a natureza lhe legou, e daí resulta que ela não pode praticar as ciências exatas.

Rousseau vê a mulher como destinada ao casamento e à maternidade mas, apesar de suas convicções misóginas, não conseguia desejar uma mulher
escravizada.

Acredita Rousseau que o homem depende da mulher através somente do desejo, enquanto que a mulher depende do homem tanto por seus desejos quanto por suas necessidades de forma geral e afirma: “subsistiríamos melhor sem elas do que elas sem nós”. O filósofo justifica com clareza uma educação feminina não só diferente, mas oposta à educação dos homens.

O filósofo Emmanuel Kant, na sua perspectiva, mesmo sendo da mesma época do filósofo Rousseau e, demonstrando ter aprendido algo com Comenius*, acredita que “a mulher compreende o que quer que seja por meio de sensações e que elas devem permanecer o mais próximo possível do comportamento do seu sexo”. Como é o conhecimento empírico que elege os belos pilares, então, o ensino frio e especulativo parece pouco contribuir para a instrução da mulher. Para Kant, a instrução mais apropriada para o gênero feminino depende de um instrutor talentoso, experiente e capaz de transmitir sentimentos. Na falta deste, a mulher não somente pode, mas deve educar-se por conta própria, já que desempenha tal função com admirável destreza.

Kant determina o conhecimento que a mulher deve ter ao afirmar: “a mulher não deve aprender nada de geometria; do princípio da razão suficiente ou das mônadas só saberá o indispensável para entender a graça das poesias humorísticas”. E especifica exatamente o campo restrito do aprendizado feminino: “O conteúdo da grande ciência da mulher é preferencialmente o humano, e no humano, o homem e sua filosofia não consiste em raciocinar, mas em sentir”. Do universo, igualmente, só precisam conhecer o necessário para tornar comovedor o espetáculo do céu numa noite bonita.

Kant diz que a natureza feminina é determinada através da categoria do belo. Para ele encontram-se no caráter espiritual os traços determinantes da mulher, visto que elas tendem a exprimir um forte sentimento inato por tudo que é portador de beleza.

O filósofo Kant pregava: “A uma mulher que tenha a cabeça entulhada de grego, ou que trave disputas profundas sobre mecânica, só pode mesmo faltar uma barba, pois com essa talvez consiga exprimir melhor o grau de profundidade a que aspira”.


______________________________________________________________
* O professor Comenius, o mais antigo dentre esses pensadores, diz que a instrução da mulher deve servir para ela “administrar bem a casa e para promover seu próprio bem, o do marido, dos filhos e de toda a família”.
Ele valoriza o trabalho das mães, sobre o qual escreve um tratado – o Guia da escola materna. Nele destaca o papel das mães, não só delas mas também das amas, no processo pedagógico.

http://www.paralerepensar.com.br/antoniocf_amulher_naoticapedagogica.htm
http://www.partes.com.br/educacao/educacaoparakant.asp
http://www.pedagogiaemfoco.pro.br/per03.htm

 http://pedagogia-opet.blogspot.com.br/2011/05/resumo-filosofia-da-educacao.html

 Obrigado pela visita, volte sempre.
 pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…