Pular para o conteúdo principal

Yoga como conteúdo das aulas de Educação Física

Yoga como conteúdo das aulas de Educação Física


             Além da Educação Física Escolar o Yoga é minha outra grande paixão. Meu interesse por essa prática surgiu depois de ler o livro "Corpo Mente" de Ken Dychtwald, durante o curso de graduação em Educação Física. Depois de 10 anos praticando finalmente me formei instrutora dessa prática. Hoje dou aulas de Power Yoga, na escola onde também ministro aulas de Educação física. O Yoga é muito mais antigo do que a Educação Física, estudos nos mostram que a mais de 5000 a.c. na India já haviam indícios dessa prática. O Yoga não é apenas uma série de exercícios físicos e nem uma religião como muitos acreditam, mas sim, uma filosofia de vida.
           O termo Yoga significa união, união do corpo, da mente e dos sentimentos. Ele visa a evolução do ser humano, a transformação, a expansão da consciência, um estado de consciência chamado Samadhy. O caminho para se chegar a Samadhy é a meditação. Uma das linhas do Yoga chamada Hatha-Yoga acredita em fortalecer o corpo e deixa-lo saudável para meditar. Assim, além da meditação o Hatha-Yoga propõe a realização de uma seqüência de movimentos realizados de acordo com o ritmo da respiração com alguns momentos de permanência, essas posturas ou posições são chamadas Asana. O Hatha-Yoga oferece um trabalho de consciência corporal, de fortalecimento muscular, melhora da flexibilidade, além de auxiliar na redução do estresse e da depressão, também melhora a concentração e nos ajuda a ter mais foco e equilíbrio.



            Há 3 anos introduzi o Power Yoga como conteúdo das aulas de Educação Física do 8º ano do Fundamental II, o foco não foi falar da filosofia, mas sim, trabalhar a consciência corporal, e experimentar alguns benefícios dessa prática, como aprender a respirar, a relaxar, a desenvolver flexibilidade, força muscular, equilíbrio e experimentar a sensação de bem estar que sentimos após a prática. A experiência foi tão interessante que no ano passado resolvi experimentar o Yoga nas aulas de Educação Física do Ensino Médio, e o resultado foi maravilhoso. Antes disso muitos alunos se ausentavam das aulas de Educação Física, não mostravam muito interesse pela prática, foi então que no segundo semestre de 2010 resolvemos oferecer duas opções, um dos professores desenvolveria o conteúdo trabalho em aulas teóricas como capacidades físicas: flexibilidade, força, ou anatomia: sistema esquelético, e muscular, entre outros assuntos, por meio do esporte e eu por meio do Yoga. E assim por livre e espontânea vontade os alunos participam dessa prática. Cada vez mais temos percebido os benefícios do Yoga para nossos jovens nessa fase pré-vestibular.

           Pratique Yoga, experimente! Leve essa prática para seus alunos também! Mas lembre-se Yoga não é Educação Física portanto procure um instrutor capacitado que possa oferecer essa prática para seus alunos! Ou quem sabe você também não se apaixona e resolve fazer um curso de formação...
 http://www.aliancadoyoga.com.br/




Quer saber mais sobre Yoga...
http://www.yogasite.com.br/
http://www.yoga.pro.br/inicial.php

 http://jogosqueeducam.blogspot.com.br/2011/03/yoga-como-conteudo-das-aulas-de.html

Obrigado pela visita, volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…