Pular para o conteúdo principal

A História do Brasil precisa ser reescrita?



A História do Brasil precisa ser reescrita?

 
Autor: Mario Guerreiro

Por “reescrita”, é possível entender ao menos duas coisas: (1) reinterpretada, pois a maioria dos historiadores quando não faz uma abordagem do tipo ufanista, faz uma do tipo marxista. (2) Mas também se pode entender uma abordagem distorcedora e falsificadora dos fatos históricos, coisa mais grave ainda.
Alguns poucos jovens historiadores, como Eduardo Bueno e Leandro Narloch, voltarem-se para a tarefa dereescrever a História. Em sua obra: “Guia politicamente incorreto da História do Brasil” (Leya, 2011) Narloch reescreve alguns capítulos numa visão liberal e fiel aos autênticos fatos.
Lendo esses e outros historiadores ficamos sabendo algumas coisas bastante interessantes, como, por exemplo, que a independência do Brasil, que até então teria sido feita em 7 de setembro de 1822 às margens do Ypiranga (SP) – conforme todos os livros de História – na realidade, foi feita nos últimos dias de agosto no Paço Imperial no Rio de  Janeiro.
Foi descoberto um documento oficial em que D.Pedro I declara a independência.
Quanto ao famoso brado varonil “Independência ou Morte!”, este não passou de um gesto simbólico para acalmar paulistas inquietos.
Não houve nenhuma falsificação de documentos, nem mesmo ocultamento de fatos: apenas a mencionada declaração assinada por D.Pedro I permaneceu muitos anos desconhecida, ao passo que o brado do Ypiranga contou com diversas testemunhas oculares.
Menos grave! Coisas como essa não são infrequentes na labuta dos pesquisadores de fontes primárias. Mais grave é o ocultamento intencional ou a distorção proposital dos fatos históricos.
Recebi recentemente de um amigo internauta um e-mail contendo coisas estarrecedoras sobre um importante episódio da História do Brasil. O autor do texto é anônimo, coisa que concorre para aumentar a suspeita de que meu amigo – tendo desconhecimento ou não suspeitando de uma possível falsificação – passou adiante um fake, coisa infelizmente muito freqüente na comunicação via Internet.
No entanto, o autor anônimo revela conhecimento da história ou ao menos ótimo conhecimento do episódio narrado por ele. Não só apresenta fatos dignos de confiança como também riqueza de detalhes na sua narrativa.
Outras coisas narradas são tão insólitas e estarrecedoras que geram inevitavelmente a suspeita de que se trata de uma falsificação muito bem elaborada.
No entanto, não podendo me certificar disso nem do contrário, faço como os antigos céticos gregos: suspendo meu juízo por não dispor de nenhuma boa razão a favor ou contra a fidedignidade da narrativa, reproduzida abaixo em trecho:
“Quem morreu no lugar dele foi um ladrão chamado Isidro Gouveia. A mentira que criou o feriado de 21 de abril é: Tiradentes foi sentenciado à morte e foi enforcado no dia 21 de abril de 1792, no Rio de Janeiro, no local chamado Campo da Lampadosa, que hoje é conhecido como a Praça Tiradentes.
Com a Proclamação da República, precisava ser criada uma nova identidade nacional. Pensou-se em eternizar Marechal Deodoro, mas o escolhido foi Tiradentes. Ele era de Minas Gerais, estado que tinha na época a maior força republicana e era um pólo comercial muito forte. Jogaram ao povo uma imagem de Tiradentes parecida com a de Cristo e era o que bastava: um ‘Cristo da Multidão’.”

Que dizer diante disso? É muito duro e decepcionante ver um grande herói nacional transformado em engenhosa farsa.
Supondo que seja uma falsificação, só podemos lamentar que o autor da mesma tenha assumido ares de historiador, quando na realidade é um excelente ficcionista do gênero romance histórico – criado por Sir Walter Scott no século XIX – pois sua estória (storyse non è vera, è molto ben’ trovata.
Mas, supondo que seja digno de confiança como relato histórico, só podemos aplaudir essas grandes desmitificação e desmistificação. E temos mais um exemplo que reforça nossa suspeita de que a História do Brasil precisa urgentemente ser toda reescrita.
Como na política, estamos fartos de ser engabelados por habilidosos homens na arte da patifaria!

http://www.imil.org.br/artigos/pta-histria-brasil-precisa-ser-reescrita/

 Obrigado pela visita, volte sempre.
  pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…