Pular para o conteúdo principal

A reunião escolar é importante para acompanhar o desenvolvimento das crianças e compartilhar com os pais as propostas da escola ...

Ponto de partida


A reunião escolar é importante para acompanhar o desenvolvimento das crianças e compartilhar com os pais as propostas da escola para a formação dos pequenos. Saiba como tornar esse evento ainda mais interessante


Por Sâmia Gabriela Teixeira
Objetivos:
Organizar e apresentar o plano didático
 Estreitar relações com os pais
 Aprimorar o conteúdo das reuniões


O ano sempre começa com uma porção de objetivos e expectativas e o calendário escolar já inicia com a primeira reunião de pais. Esse é o momento de encontro do docente com o novo grupo de pais ou ainda com os que regressam de anos anteriores. A primeira reunião não deve ser tratada como uma simples tarefa a ser cumprida, pois é a importante, e talvez a única oportunidade de obter sucesso e criar vínculo entre família e escola. A pedagoga e psicopedagoga Renata Calasans, da Escola Municipal Henrique Freitas Badaró, de Ipatinga (MG), explica que “o ingresso ou regresso ao ambiente escolar gera sensações como ansiedade, temor, angústia, entre outros, e que por isso é importante que o professor elabore pautas claras e fundamente a necessidade da integração entre família e escola, para melhor adaptação das crianças”.


Troca de experiências
A Pritt, marca de colas da empresa Henkel, promove por meio de site e blog a aproximação de pais, professores e alunos com conteúdo recheado de artigos, atividades e experiências compartilhadas para o desenvolvimento mais feliz das crianças e os envolvidos na educação. Acesse: www.pritt.com.br
Mitos e “saias-justas”
Pensar que os pais não aceitarão as informações dadas pelo professor é um erro a ser evitado. Luciana Fevorini, orientadora pedagógica do Colégio Equipe, de São Paulo (SP), salienta que normalmente os pais são muito receptivos às informações sobre os filhos, mas recomenda que qualquer tema individual seja tratado em horários específicos ou após a reunião. “Quando precisamos conversar com os pais de uma criança, devemos investigar se o que ocorre em sala de aula acontece em outros ambientes e partilhar com eles a mesma preocupação, sem julgar o aluno, que certamente está em fase de desenvolvimento até mesmo de personalidade”, explica a orientadora. 

Além dos cuidados com o tratamento individual, que não deve isolar o aluno como um problema ou criar estereótipos, saber lidar com as interferências no decorrer do encontro é muito importante. “É comum ocorrer desvios durante a reunião quando os pais desejam tratar de assuntos que não fazem parte das questões pedagógicas. Além disso, os pais podem querer discutir assuntos administrativos que dizem respeito à direção da escola. Nesse caso, seja pontual e objetivo, e procure explicar o que faz parte do plano do encontro, mantendo-se à disposição para assuntos particulares ao fim da reunião”, exemplifica Renata.

Na reunião de pais, evite:
- Roupas curtas ou decotadas. Se a escola possuir uniforme, utilize-o.
- O uso de muita maquiagem e acessórios.
- Sentar em cima da mesa.
- Utilizar gírias e fazer brincadeiras.
- Desviar o assunto.
- Utilizar palavras negativas, de tratamento íntimo e expressões repetitivas.
- Expor o aluno. Para casos individuais existe o plantão pedagógico.
- Falar rápido.

Envolvimento máximo 

A escola não deve atribuir baixo desempenho do aluno aos pais e nem os pais devem culpar a escola por qualquer problema de seu filho. Por isso, a interação e as observações de ambos são tão importantes para o aluno, que certamente terá mais confiança para progredir nos estudos ao ser observado em conjunto pela escola e pelos pais. Luciana Fevorini é autora da tese “O envolvimento dos pais na educação escolar dos filhos: um estudo explanatório”, na qual aborda, por meio de pesquisas e entrevistas, o quanto os pais se preocupam com os estudos dos filhos e como interagem com eles e o corpo docente da escola. A pedagoga afirma que para maior envolvimento dos responsáveis pelas crianças “é necessário promover atividades que não tenham como objetivo somente falar dos filhos, mas inclua cursos, jogos e encontros mais informais. Isso aproxima os pais de maneira mais sutil e quebra preconceitos, uma vez que parte deles não teve boa experiência escolar na infância”.

Planejamento e conteúdo 
A reunião escolar deve ser muito bem planejada, com temas provocativos e interessantes, e o tempo de duração, calculado de modo que o encontro não se torne um evento cansativo. Luciana Fevorini conta como planejar e o que abordar durante as conversas: “As reuniões devem ter caráter coletivo. Conte aos pais sobre os trabalhos que serão desenvolvidos durante o período letivo e não descreva nada utilizando discursos teóricos. Traga o universo pedagógico ao cotidiano deles. Lembre-se de que as diretrizes devem ser facilmente compreendidas”.

Ponto de partida


A reunião escolar é importante para acompanhar o desenvolvimento das crianças e compartilhar com os pais as propostas da escola para a formação dos pequenos. Saiba como tornar esse evento ainda mais interessante


Por Sâmia Gabriela Teixeira
Três etapas para o sucesso da reunião
Renata Calasans, além de pedagoga e psicopedagoga, é especialista em marketing e gestão de instituições educacionais, em educação infantil e especial e em alfabetização e linguagem. É dela a sugestão abaixo de planejamento para uma apresentação completa e objetiva.
- Primeira etapa: Imprima cópias da pauta da reunião. No dia do encontro, dê as boas vindas e recepcione os pais. Em seguida, distribua a pauta e uma mensagem sobre os assuntos que serão tratados. Pode ser uma introdução para reflexão.
- Segunda etapa: Apresente-se, faça a leitura e detalhamento da pauta e leia a mensagem. Dê continuidade à reunião seguindo os assuntos da pauta. Seja clara e não pule nenhum tema descrito na pauta. Lembre-se de transmitir confiança e propriedade ao falar com os pais.
- Terceira etapa: Finalize a reunião propondo aos pais uma reflexão sobre os assuntos abordados. Pergunte se alguém deseja compartilhar ideias e sugestões. Agradeça a presença de todos e sirva um bombom, um cartão de agradecimento ou até mesmo um lanche, de acordo com a disponibilidade da escola.


http://revistaguiainfantil.uol.com.br/professores-atividades/95/artigo208616-2.asp

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…