Pular para o conteúdo principal

A ética e a moral não podem ser definidas ou determinadas pela ciência

ESCRITO POR ORLANDO BRAGA | 03 MAIO 2012 
ARTIGOS - CULTURA

Surgiu no século XX um fenômeno massivo de “liquidação do sujeito”, imposto por uma elite cientificista e neognóstica, que se traduziu na emergência das religiões políticas totalitárias.

A ideia de “responsabilidade moral” reside na experiência subjetiva, enquanto que a ciência só concebe açõesdeterminadas por leis da natureza, e não concebe autonomia, nem sujeito, nem consciência e nem responsabilidade. A noção de “responsabilidade” é não-científica.

A ética e a moral pertencem ao domínio da metafísica que se caracteriza pela falta de “bases objetivas” - aqui entendidas no sentido naturalista (naturalismo = cientificismo metodológico).

Para tentar contornar esta realidade objetiva e insofismável que consiste no fato de a ciência não poder determinar a ética, a ciência transformou-se, ela própria, em uma forma de metafísica (evolucionismo, naturalismo e neo-ateísmo), para assim poder obter a legitimidade para opinar sobre a ética e sobre a moral. É assim que surgem as “teorias científicas” não refutáveis na sua essência, como por exemplo, a teoria do Multiverso, ou as teorias evolucionistas em geral [por exemplo, a teoria do epifenomenalismo de Thomas Huxley, que ainda hoje subsiste entre os darwinistas, evolucionistas e naturalistas].

Entrando pela metafísica adentro, a ciência — feita por cientistas que são, eles próprios, sujeitos — pretendeu redefinir a ética e a moral segundo princípios deterministas que “varriam” o sujeito, e estabelecendo apenas determinações, leis e estruturas (estruturalismo). Neste sentido, a ciência pretende ser uma espécie de nova religião (imanente e política), cuja classe dos novos sacerdotes é composta principalmente pela classe dos cientistas.
É este o fundamento do declínio da civilização ocidental e para o qual a própria comunidade científica contribuiu de forma ativa (a "traição dos intelectuais"):
Este naturalismo errado devassou a cultura intelectual do século XX, mas é no dealbar do século XXI que nos deparamos com o auge da “doença da ciência” na cultura antropológica (a criação massiva de zumbis em circulação na nossa sociedade). Estamos na presença da “traição dos intelectuais” (segundo o conceito de Julien Benda). Quando o naturalismo (ou cientificismo metodológico) foi erroneamente aplicado ao sujeito (humano), seja por exemplo, por Durkheim ou por Freud, iniciou-se todo um processo de degradação humana através da degradação da ética e da moral na sociedade ocidental.
Na medida em que (1) o cientista deve procurar a objetividade; (2) a objetividade requer um despojamento de valores; e (3) o cientista é um sujeito (um ser humano) e a comunidade científica é composta por seres humanos (sujeitos) — a ciência (e sobretudo as ciências sociais) só muito raramente consegue libertar-se das valorações (éticas) da sua própria camada social, de modo a poder estabelecer uma independência valorativa e objetiva.
Em consequência, surgiu no século XX um fenômeno massivo de “liquidação do sujeito”, imposto por uma elite cientificista e neognóstica (gnosticismo moderno: ver Eric Voegelin), e que se traduziu na emergência das religiões políticas totalitárias (por exemplo, o eugenismo característico dos “progressistas”, evolucionistas e socialistas; o nazismo e o comunismo). Este processo neognóstico e cientificista de “liquidação do sujeito” levou a uma dissociação mental extrema entre a comunidade científica, e a uma inversão da moral (ver Olavo de Carvalho).
O marxismo é um exemplo dessa dissociação mental extrema e da inversão da moral: por um lado, o marxista liquida a ética e a moral (e também toda a filosofia), classificando-a de “subjetiva” e idealista, ao mesmo tempo que denuncia os tabus tradicionais e históricos; e por outro lado, entrega-se a um excesso ético (por exemplo, o puritanismo de Francisco Louçã) que denuncia toda a oposição e crítica como um embuste, e estabelecendo simultaneamente novos tabus contrapostos aos tabus tradicionais (por exemplo, a substituição do tabu do aborto pelo novo tabu que proíbe as corridas de touros). O marxismo — que se diz, dele próprio, científico — faz a crítica da moral tradicional de uma forma extremamente moralizante, mas moralmente invertida e até contra-natura.

 

http://espectivas.wordpress.com




Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…