Pular para o conteúdo principal

Mudança na rede de estadual Paulista amplia chance de reprovação

Alunos da rede pública de SP


Mudança na rede de estadual amplia chance de reprovação

O novo sistema prevê que o ensino fundamental seja dividido em três ciclos: do 1º ao 3º ano, do 4º ao 6º ano e do 7º ao 9º ano

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou nesta sexta-feira 8 que, a partir de 2014, os alunos do ensino fundamental da rede estadual de ensino passarão por três ciclos com possibilidade de reprovação.
Atualmente a rede estadual funciona com o sistema de ciclos no ensino fundamental. Ou seja, o aluno só é retido ao final do 5º ano e ao final do 9º ano caso não seja aprovado.
O novo sistema prevê agora que o ensino fundamental seja dividido em três ciclos: do 1º ao 3º ano, do 4º ao 6º ano e do 7º ao 9º ano. O estudante pode ser reprovado ao final de cada um desses ciclos.
De acordo com o governo, a mudança deve afetar cerca de 2,5 milhões de estudantes. O estudante poderá ser reprovado pelo número de faltas em todos os anos do ensino fundamental.
Durante o anúncio, no Palácio dos Bandeirantes, a equipe tucana se apressou em dizer que a mudança não teve influência do anúncio, feito três meses antes pela Prefeitura de São Paulo, do fim da aprovação continuada na rede municipal de ensino.
"Não teve nenhuma interferência. A reestruturação vem sendo discutida na rede há três anos", disse Alckmin.
Recentemente, o governador elogiou os corredores de ônibus inaugurados pela administração petista e, a exemplo do prefeito, disse que também tinha interesse em usar transporte público durante os compromissos externos.
Solução? Embora tenha apoio de pais e professores, a reprovação é alvo de questionamento por especialistas, conforme mostrou reportagem recente da revista Carta Fundamental. “Não existe nenhuma pesquisa mostrando que onde há reprovação anual os alunos apresentam desempenho melhor do que onde não há reprovação”, disse à época a professora do Departamento de Educação da Unifesp Márcia Jacomini.
Ainda de acordo com a reportagem, um relatório divulgado em 2012 pelo Instituto de Estatísticas da Unesco estimava que 9% dos custos com educação básica no Brasil sejam destinados a dar suporte aos alunos reprovados na escola. A professora cita uma pesquisa, realizada em 2002 pela Escola Nacional de Ciências Estatísticas do IBGE com 16 mil alunos da região sudeste, que investigou o impacto do regime de organização do ensino (seriado ou em ciclos) nos resultados escolares dos estudantes. Não foi encontrada evidência de que o desempenho acadêmico dos alunos com defasagem idade-série seja inferior ao desempenho dos alunos em idade adequada por causa do regime de organização do ensino em vigor na escola que ele frequenta.
Professor da Faculdade de Educação da USP e crítico à reprovação, Vitor Paro explica que o professor aprende que a reprovação é positiva durante sua própria formação escolar. Márcia Jacomini chegou à conclusão semelhante ao estudar as opiniões de pais e alunos sobre a progressão continuada e a reprovação na rede municipal de São Paulo. Para ela, a reprovação ainda é vista como um estímulo positivo para o aluno porque a experiência escolar da maioria envolveu a reprovação e a organização seriada. “Na verdade, há uma compreensão presente no senso comum de que a reprovação é um instrumento necessário para o processo educativo”, conta.
Na mesma reportagem, Ocimar Alavarse, professor da Faculdade de Educação da USP, ressaltou os aspectos moralistas da proposta de reestruturação: “Há um senso comum disseminado de que a reprovação é boa e sua ausência é lasciva”.


http://www.cartacapital.com.br/educacao/mudanca-na-rede-de-estadual-amplia-chance-de-reprovacao-9777.html
Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…