Pular para o conteúdo principal

50 dicas para pensar melhor

50 dicas para pensar melhor


Estas são dicas retiradas de materiais utilizados no seminário "Poder Cerebral", desenvolvido por Karl Albrecht Internacional.

1. Respeite todos os níveis de sua mente ( por exemplo, a  experiência subjetiva e o conhecimento bem com o raciocínio verbal); lembre-se de que o raciocínio é uma função corporal.
2. Respeite todas as formas de saber, em si mesmo e também nos outros.

3. Pratique a humildade; intelectualmente, socialmente e emocionalmente

4. Promova o alto respeito pela evidência, em si mesmo e nos outros; muitos problemas contêm suas próprias soluções quando você as entende bem.

5. Anote suas ideias. Mantenha canetas e fichas de arquivo ao seu alcance, onde quer que você esteja.

6. Preste atenção a diferenças nos estilos de raciocínios; lembre-se de que cada pessoa tem sua forma única de elaborar a realidade.

7. Explique coisas no padrão de raciocínio da outra pessoa, quem nem sempre é o seu.

8. Combine seus palpites com sua lógica; eles são grandes parceiros.

9. Mantenha suas opiniões na forma de rascunho; isso pode torná-lo mais alerta para novas perspectivas

10. Verifique se o cérebro com o qual você está conversando está "online"

11. Ouça o subtexto: dados; sentimentos; valores e opiniões.

12. Adie suas reações sinalizadoras; não deixe sua amígdala ser sequestrada.

13. Suspenda o julgamento ao ouvir algo novo

14. Pratique uma atitude de gratidão, generosidade e altruísmo prático.

15. Tenha seus julgamentos de valor, suposições e inferências.

16. Pratique o raciocínio e a conversa em tom não absoluto ( minimize o uso de "tudo", "todo", "sempre", "todo mundo", etc.

17. Pratique o raciocínio relativo ("em que extensão...")

18. Pratique a auto-referência ("Parece..." ou "Pelo que sei...")

19. Lembre-se que discutir é uma das formas menos efetivas de mudar a opinião de alguém.

20. Lembre que o contexto tem uma comunicação tão forte quanto o conteúdo. Em uma reunião ou outra situação de grupo, note o processo bem como o conteúdo.

21. Use a linguagem da liderança e grandes ideias, e as pessoas estarão mais inclinadas a tratá-lo como líder.

22. Volte a assumir partes de seu corpo que você pode ter rejeitado antes.

23. Declare seus direitos cívis intelectuais: "Não sei", "Eu errei" e "Mudei de ideia".

24. Lembre-se de que sua noção de humor é seu barômetro de estresse; quando parece que não existe nada de que possa rir, provavelmente você esteja estressado demais.

25. Encontre pelo menos 5 minutos por dia para reflexão; encontre um lugar provado, feche suas ideias, entre na zona alfa e fique lá.

26. Conheça seus módulos mentais; observe-os em ação e aprenda quando e como eles querem ter influência em seu comportamento.

27. Lembre-se constantemente de que sue valor próprio não é algo que você tenha de provar, ou uma conclusão à qual você chega; é um pressuposto que você tem como ponto de partida.

28. Lembre-se de que frequentemente há mais de uma "resposta certa".

29. Cuidado com slogans; frequentemente eles são um convite à reação em reflexão.

30. Lembre-se de que a "verdade" se restringe ao sistema individual do cérebro-mente em que ele surge, e ao sistema de linguagem usado para elaborá-la.

31. Não tenha medo, nem evite o raciocínio lógico; os dados são seus amigos.

32. Pratique "sesorship" positiva; você pode preferir concentrar sua atenção em insumos positivos.

33. Gaste mais tempo lendo do que gasta assistindo televisão

34. Monitore constantemente sua fala interior; prefira a linguagen positiva.

35. Afaste-se de pessoas tóxicas e daquelas que o levam ao pensamento negativo;

36. Não banque a vítima ou o mártir; aceite a responsabilidade e autoridade pelas consequências em sua vida.

37. Monitore seu humor; mantenha-se otimista; quando você estiver de mau humor, não chute o cachorro, o gato ou qualquer coisa.

38. Para mudar sua forma de sentir, mude o que você está fazendo.

39. Aprenda sempre; tente descobrir alguma coisa nova todos os dias.

40. Não dê conselhos; sugira opiniões.

41. Note os hologramas culturais, os padrões e regras básicos não declarados que modelam seu comportamento todos os dias.

42. Evite a praga dos clichês; mantenha sua linguagem inovadora e original.

43. Não anule ideias ao ouvi-las pela primeira vez; use a fórmula "p.i.n" (Primeiro Positivo, então Interessante,  então os aspectos Negativos).

44. Faça bom uso de metáforas e palavras visuais; elas acrescentam cor e poder à sua linguagem.

45. Não confunda um "papo" casual com uma conversa; explique suas ideias claramente; use uma estratégia discursiva para levar os outros até sua verdade.

46. Use o poder do pensamento bivergente; saiba quando divergir e quando convergir, e faça isso por opção consciente.

47. Não se deixe intimidar pelo pensamento consensual; como Aldous Huxley disse: "O importante não é que está certo, mas o que é certo".

48. Use mapas e ideias e escreva fichas para fazer um inventário dos elementos de uma situação; use o pensamento que envolve o cérebro todo para combinar os fragmentos e partes com o quadro geral.

49. Um curso equilibrado entre o cinismo e a credulidade; não aceite tudo como lhe propõem, e não procure motivos diabólicos em tudo.

50. Esteja sempre pronto para sorrir no próximo segundo, e mantenha-se sempre sorridente.

Não esqueça de curtir o Mundo interpessoal no Facebook e de Assinar nosso boletim semanal para receber os artigos por e-mail!


fonte: http://www.mundointerpessoal.com/2013/06/50-dicas-para-pensar-melhor.html

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…