Pular para o conteúdo principal

Psicodrama Pedagógico e Jogos Dramáticos


Texto de Gleidemar Diniz, autora dos livros “Psicodrama pedagógico e teatro/educação” (Editora Ícone) e “Psicodrama, amplitudes e novas aplicações” (Robe Editorial), doutorado pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP). Gleide oferece cursos, oficinas, workshops, treinamento para profissionais de Educação e de outras áreas. Contato:luaucultura@hotmail.com.
O QUE É PSICODRAMA PEDAGÓGICO?

O criador do Psicodrama, Jacob L. Moreno, estudou medicina, entrando para a Universidade de Viena em 1909 e graduando-se em 1917.
Desenvolveu um método diferente do de Freud. De acordo com o preceito freudiano, o paciente deveria estar disposto em divã falando ao analista. Moreno, ao contrário, colocou o paciente juntamente com outros, por meio do teatro improvisado, denominado Psicodrama.
O método psicodramático tem como princípios básicos a improvisação teatral, a espontaneidade, a criatividade e o trabalho em grupo.
Além do teatro terapêutico, Moreno desenvolveu possibilidades de aplicação do método psicodramático também na educação.
Enquanto o Psicodrama terapêutico visa ao tratamento e é um trabalho especificamente técnico realizado por profissionais específicos da área da psicoterapia, o Psicodrama Pedagógico não tem esta finalidade específica.
O Psicodrama Pedagógico consiste numa proposta que utiliza os fundamentos do método psicodramático com o objetivo de: melhorar a aprendizagem e a qualidade do ensino; obter maior compreensão de um tema já adquirido mediante métodos tradicionais, melhor compreensão de um conteúdo escolar curricular; avaliar os conhecimentos obtidos e a fixação destes; transmitir conhecimentos novos; ao treinamento da espontaneidade; a uma melhoria da sociabilização; desenvolver a capacidade criativa.

JOGOS DRAMÁTICOS E PSICODRAMA

Tanto o Jogo Dramático quanto o Psicodrama tem por princípio e base a improvisação. 
O Jogo Dramático se diferencia dos outros jogos porque envolve representação dramática, apresentando diferentes personagens. Pertence ao campo das representações teatrais.
Existe uma ampla variedade de Jogos dramáticos que podem ser aplicados desde a pré-escola até os cursos superiores.
Assim como no Psicodrama, as etapas do Jogo Dramático são o aquecimento, a dramatização e os comentários.
Os jogos dramáticos prestam grande contribuição ao trabalho psicodramático. O campo oferecido pelos Jogos Dramáticos e Técnicas psicodramáticas é vasto, podendo se utilizar também o teatro de bonecos, máscaras, música.
ÁREAS DE APLICAÇÃO DO PSICODRAMA PEDAGÓGICO E DOS JOGOS DRAMÁTICOS

Nos cursos de Psicodrama Pedagógico e Jogos dramáticos que realizamos com professores, foram vivenciadas técnicas dramáticas abrangendo várias matérias curriculares, entre elas: ciências, geografia, português, história e matemática.
Fizeram parte de nossos cursos de ¨Psicodrama Pedagógico¨ e ¨Jogos Para o Desenvolvimento Humano¨, profissionais de outras áreas, além da Psicologia  e Pedagogia. Entre elas, Artes, Serviço Social, Filosofia, Educação Física, Área Empresarial.
Verificamos que, para todas, o Psicodrama Pedagógico e os Jogos Dramáticos contém técnicas apropriadas e recursos de auxílio às suas profissões.
Através da representação, os profissionais podem visualizar novos ângulos para seus trabalhos.
A metodologia psicodramática presta relevante contribuição à ciência por possibilitar maior compreensão de temas e aprofundamento de conhecimentos através de suas eficientes técnicas e por propiciar o desenvolvimento da capacidade criativa, espontaneidade e sociabilização.
http://espacoluau.wordpress.com/2011/02/25/psicodrama-pedagogico-e-jogos-dramaticos/


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…