Pular para o conteúdo principal

A teoria de Kohlberg TEORIA DE DESENVOLVIMENTO MORAL




 A teoria de Kohlberg


Lawrence Kohlberg (1927-1987)

  • Trabalhou na Marinha mercante entre o ensino secundário e a universidade.
  • Ingressou na Universidade e completou a licenciatura em Psicologia em 2 anos em vez de 4, terminou em 1949, na Universidade de Chicago.
  • Iniciou logo o Doutoramento o qual só foi terminado em 1958.
  • Tese que se iniciou por uma análise entre as perspectivas psicanalítica (conceito de superego) e piagetiana acerca do desenvolvimento moral, conduziu à elaboração de uma nova teoria.

Desenvolvimento moral: Teoria de Kohlberg
Para Kohlberg (1984):
  •  A essência da moralidade reside mais no sentido de justiça do que, propriamente no respeito pelas normas sociais.
  •  A moralidade tem mais a ver com considerações de igualdade, de equidade, de contratos sociais e de reciprocidade nas relações humanas e menos com o cumprimento ou violação de normas sociais ou regras.
  •  A justiça é o princípio moral básico.

  

Cada estádio de desenvolvimento moral:

  • É qualitativamente diferente do precedente;
  • Representa um novo e mais compreensivo sistema de organização mental;
  • Ocorre numa sequência invariante;
  • Está relacionado com a idade de forma global e, mais especificamente, com o desenvolvimento cognitivo.



Metodologia de Kohlberg:

  • Método clínico através da apresentação de dilemas (tal como Piaget);
  • Um dilema é um problema complexo em que não há resposta correcta única. O essencial são as razões apontadas como justificativos da resposta.
  • A análise dos argumentos permite situar o sujeito num estádio de desenvolvimento moral.

Kohlberg identificou três níveis de desenvolvimento moral no interior de cada um distinguiu dois estádios.

I – Nível pré-convencional ou pré-moral (infância)

II – Nível convencional (adolescência)

III – Nível pós-convencional

 

Nível Pré-convencional ou Pré-moral

            Típica da maioria das crianças até aos 9 anos, alguns adolescentes e adultos.
  • A criança sabe que existem normas sociais, coisas que se podem ou não fazer, mas estas normas permanecem externas.
  • As normas são obedecidas por duas razões: evitar o castigo e satisfazer desejos e interesses concretos e individualistas, imediatos, pela recompensa que pode advir.
Não deve roubar porque senão vai para a cadeia.
Deve roubar porque senão a mulher zanga-se com ele.

Nível Convencional

            Típica da maioria dos adolescentes e adultos.
  • As normas e expectativas sociais foram interiorizadas. O justo e o injusto não se confundem com o que leva à recompensa ou ao castigo, mas definem-se com as normas estabelecidas na sociedade.
  • A moralidade implica cumprir os deveres e respeitar a lei e a ordem estabelecidas. As necessidades individuais subordinam-se às normas sociais.
Não deve roubar porque é proibido, é contra a lei.

Nível Pós-convencional

                 Apenas uma minoria de adultos e, em geral, só depois dos 20-25 anos. 
  • O valor moral depende menos da conformidade às normas morais e sociais vigentes e mais da sua orientação em função de princípios éticos universais, como o direito à vida, à liberdade, à justiça.
  •  As normas sociais devem ter subjacentes princípios éticos universais e, por vezes, pode haver contradição, impondo-se a necessidade de hierarquizar os princípios e as normas (moral versus legal).
Tendo roubado o medicamento o Senhor Heinz tem a atenuante que estava a defender uma vida humana.


Os três níveis de moralidade podem ser concretizados no seguinte exemplo:

Porque não se deve roubar?

  • Alguém pode ver e chamar a polícia. Pré-convencional

  • É uma questão de lei. Há leis que protegem as pessoas e as propriedades. Convencional

É uma violação dos direitos humanos, neste caso, do direito de propriedade. Pós-convencional



Moral Pré-convencional


Estádio 1: moralidade heterónoma (moral do castigo)

  • Orientação dominante: obediência e punição;
  • Trata-se de obedecer à autoridade e evitar o castigo;
  • A moralidade é confundida com o castigo: é incorrecta toda a acção que leva à punição e toda a acção punida é incorrecta. Está tudo bem se não for apanhado!
  • A acção é vista como tanto mais incorrecta quanto maior for o dano causado;
  • O dever baseia-se nas necessidades externas e objectivas;
  • As normas sociais são entendidas à letra e de modo absoluto. O castigo deve ser a reacção automática à violação da norma.

Estádio 2: Individualismo, propósito e troca instrumental (a moral do interesse)

  • As acções são justas e correctas quando são um instrumento que permite satisfazer desejos, interesses e necessidades do próprio e, por ventura de um outro, entendido de um ponto de vista individualista e concreto;
  • A justiça e a moralidade são questões de pura troca, orientadas por preocupações hedonistas (satisfação de desejos e necessidades concretas e individuais) e pragmáticas.
  • Deve-se retribuir o favor ou presente de alguém apenas pelo facto de esse alguém me ter dado um presente ou feito um favor.

Moral Convencional


Estádio 3: Expectativas e relações interpessoais mútuas e comformidade interpessoal (a moral do coração do “bom rapaz”).

  • O sujeito deste estádio está preocupado com as normas e convenções sociais;
  • Esta preocupação é mais do ponto de vista de uma terceira pessoa (“bom marido”, “bom amigo”, “bom cidadão”) que do ponto de vista social, legal e institucional;
  • O sujeito está preocupado em manter a confiança interpessoal e a aprovação social;
  • As justificações para uma boa ou mé acção têm origens afectivas e relacionais.
  • Devia denunciar o irmão ao pai, porque teria remorsos em relação ao meu pai se não lhe dissesse, porque o meu pai não poderia ter mais confiança em mim.

Estádio 4: Sistema Social e Consciência (a moral da lei)

  • Orientação dominante: Predomínio da lei, das normas e dos códigos socialmente aceites, (“se toda a gente fizesse isso…”);
  • Os comportamentos são tido como bons se se conformam a um conjunto rígido de regras e o sujeito cumpre o seu dever, se respeita a autoridade e mantém a ordem social;
  • É assumido o ponto de vista não de um sujeito individual mas de um “nós, membros de uma sociedade”;
  • As regras e princípios morais foram interiorizados.
  • Não estacionava o carro em cima da passadeira de peões porque é proibido.

 Moral Pós-convencional


Estádio 5: Contrato Social (a moral do relativismo da lei)

  • Orientação dominante: O maior bem para o maior número;
  • As leis são obedecidas porque representam uma estrutura necessária de acordo social;
  • Mas a relatividade das normas é reconhecida;
  • As normas podem entrar em conflito com a moral;
  • As leis são relativas a uma sociedade. Existem valores e direitos de cariz universal independentes da sociedade;
  • Nos julgamentos morais, são tomados em consideração os diferentes pontos de vista em confronto;
  • Presente uma perspectiva de transformação da sociedade.
  • Se Heinz fosse julgado o juiz deveria ter em conta o ponto de vista moral, mas preservar o ponto de vista legal e aplicar-lhe uma pena ligeira.

Estádio 6: Princípios Éticos Universais (a moral da razão universal)

  • Este último estádio constitui o ideal supremo do desenvolvimento moral e não uma realidade empírica;
  • A conduta é controlada por um ideal interiorizado que solicita a acção e que é independente das reacções do outro;
  • Este ideal interiorizado representa a crença do sujeito no valor da vida e está marcado pelo respeito para com o indivíduo;
  • Trata-se de princípios universais de justiça, reciprocidade, de igualdade, do respeito pela dignidade dos seres humanos considerados como pessoas individuais.
  • Trata cada pessoa como um fim e não como um meio!






Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…