Pular para o conteúdo principal

Técnicas de aprendizagem para render mais o seu estudo Veja algumas dicas de como aperfeiçoar suas técnicas de aprendizagem para o estudo, seja ela visual, auditiva ou cinestésica.

As provas de concursos estão cada vez mais exigentes com os candidatos aos cargos públicos, cobrando cada vez mais assuntos. Para os concurseiros alcançarem melhores resultados, não é o tempo que se passa sentado, lendo livros ou apostilas que determinará o seu sucesso e sim, se você utiliza de técnicas compatíveis com o seu perfil de aprendizagem.

Segundo estudiosos da neurolinguística, os seres humanos utilizam três formas de percepção de informações: visual, auditiva e cinestésica, sendo essa última relacionada aos movimentos. Embora nós possamos utilizar de todos os sentidos para absorver conteúdo, temos algum que se sobressai e é ele que devemos explorar.


>> Canal visual (faz uso da visão como meio de obter e reter as informações)
- Passatempos com jogo da memória, sete erros e caça palavras;
- Lembrar paisagens de locais onde passou;
- Ler, ir à exposições (quadros, fotos), ir ao cinema, pintar;
- Observar melhor o caminho pra casa.
>> Canal auditivo (vale-se da audição para absorver informações)
- Cantar;
- Ouvir música tentando reproduzi-la;
- Decorar versos, prestando atenção na rima;
- Prestar mais atenção aos sons em sua volta.
>> Canal cinéstesico (aproveita-se dos sentidos relacionados ao movimento para guardar informações)
- Pratique esportes ou dança;
- Identifique objetos apalpando-os, sem olhá-los;
- Mexa com a terra, as plantas, os animais, sentindo a textura e o cheiro deles;
- Procurar um objeto dentro da bolsa ou pasta só pelo tato, atento às diferentes texturas dos objetos (roupas, almofadas, papel).

Cada indivíduo, em regra, tem predominância em um destes (predominância, e não totalidade). Conhecer-se para saber qual o estilo predominante auxiliará e muito nos estudos, inclusive de concursos públicos, exame da OAB, ENEM, vestibulares ou certificação PMI.

QUAL É SEU ESTILO DE APRENDIZAGEM?
Apesar de o ser humano ter habilidade para aprender pelos sistemas auditivo, visual e cinestésico de maneira combinada, há pessoas que utilizam um deles de forma predominante.
VISUALAUDITIVOCINESTÉSICO
Como você
aprende
Vendo, sendo capaz de fazer uma imagem imediata do que está recebendo como informaçãoOuvindo, sendo capaz de montar uma história com a informação que está recebendoFazendo ou executando, sendo capaz de guiar-se pela experiência motora
O que distrai sua atençãoEstímulos visuais em demasia ou conflitantes. Grande número de informações recebidasRuídos de fundo. Estímulos auditivos dados rapidamente para serem convertidos em informações auditivasEstímulos conflitantes visuais e/ou auditivos. Ser impedido de mover-se ou de fazer algo
Processamento de informaçãoTende a devanear quando está pensando. Pensa em ritmo rápidoOs olhos tendem a ficar fixos quando está pensando. Seus pensamentos ocorrem em uma velocidade moderadaPessoas que tendem a olhar para baixo quando estão pensando. Seus pensamentos ocorrem em um ritmo mais lento
Como você
interage com o
ambiente
Verifica sempre o que está acontecendo ao seu redorOuve o que está sendo dito a sua volta e não parece consciente de modificações no plano visualMais focalizado em si, bastante consciente do clima que o circunda; não parece consciente da atividade visual
Estilos de organizaçãoA percepção é global; percebe o todo e, se necessário, decompõe em partes a percepção inicial - Organizados; dependem de informações detalhadas e de instruções passo a passo
- São orientados pela linguagem
- Repetem para si o que devem
memorizar
 - Organização gradual, criativa e divergente. Não há modelos definidos e estatísticos para aprendizagem
- Chega a conclusões
diferentes da maioria
Fonte: Livro Processamento Auditivo: Fundamentos e Terapias , de Ana Maria Alvarez, Editora Lovise.


>> Para os visuais:
- Procure recursos visuais sobre as matérias estudadas (exemplo: vídeo-aulas);
- Tente fazer resumos usando anotações, tabelas, esquemas, desenhos, fluxogramas, gráficos e outros recursos parecidos;
- Utilize-se das dicas anteriores, colocando-as nos mais diversos lugares (porta do quarto, armário do seu computador etc., para que, sempre que passar pelo lugar, possa dar mais uma olhada;
- Visualize os gestos do professor, o modo como ele ensina (na hora de lembrar sobre determinado assunto, você poderá visualizar o modo como foi passada a informação;
- Tente construir imagens mentais sobre o que estiver estudando;
- Dê importância às leituras, principalmente às que contêm esquemas e resumos gráficos.

>> Para os auditivos:
- Procure gravar as aulas, palestras, seminários;
- Escute as gravações periodicamente;
- Faça resumos e grave-os para que você possa escutar o que escreveu;
- Procure escutar as gravações, logo assim que acordar ou antes de dormir (é uma técnica que funciona, pois a mente está desobstruída de problemas ou já está se preparando para o sono);
- Escute mais as aulas e tente escrever pouco para ter mais atenção , usando a dica geral, preferencialmente;
- Leia os textos em voz alta;
- Fique atento a tudo o que é falado em aula;
- Converse com os amigos sobre os conteúdos.

>> Para os cinestésicos:
- Procure professores que ministrem aulas dinamicamente, com alternações de voz, que façam movimentos com os braços, andam para lá e para cá, escrevem no quadro, enfim, tudo o que tenha relação com movimento, alternância;
- Procure estudar lendo em voz alta e caminhando pelo local de estudo;
- Faça experiências práticas sobre o assunto, pesquisas, exercícios, atividades em laboratório (exemplo seria para a matéria de Informática) etc.;
- Procure estudar mudando de posição de vez em quando;
- Escreva, fale, leia e faça gestos que achar que representem melhor as informações estudadas.

Para quem está começando, o mais recomendado é ter paciência e ir se testando cada dia. Quanto mais tempo dedicado ao estudo, maior a chance de encontrar uma aprovação ao final da maratona.

Autora: Alessandra Tenório

Fonteshttp://www.unibarretos.edu.br/“100 respostas do concurseiro solitário – Para as perguntas que não querem calar” de Charles Dias, Ana Paula De O. Mazoni, Carlos Sales, Cleber Olympio, Enaldo Fontenele, Eric Gerharo e Raquel Monteiro; “Processamento Auditivo: Fundamentos e Terapias“, de Ana Maria Alvarez, Editora Lovise.



Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…