Pular para o conteúdo principal

Cuidados na escolha da colônia de férias



Atualmente as crianças têm uma vida bastante atribulada, repleta de horários e compromissos: escola, esportes, cursos extras (inglês, informática, artes), terapia, médicos - hoje a medicina é preventiva, exigindo idas semanais aos consultórios. Como exemplo podemos citar os aparelhos ortodônticos, RPG - enfim, a agenda da criançada mais se parece com a de um profissional bastante ocupado.
Sem tempo para viver a infância e brincar, sofrendo pressões para as quais ainda não está preparada, a criança acaba estressada, correndo o risco de adoecer .
Daí a importância do período de férias. Ele tem todo um sentido para a criança, servindo para relaxar, descansar, estar em contato com a família, brincar, passear, ficar de preguiça. Sem perceber a criançada descansa, carregando as baterias e preparando-se para dar conta das obrigações do período letivo seguinte.
Os pais também levam uma vida atribulada e nem sempre é possível tirar férias junto com os filhos ( por mais que desejem fazê-lo ), além de que as férias escolares são mais longas que as férias dos pais. Muitos serviços direcionados às crianças surgiram para atender às necessidades dos pais e não das próprias crianças. Para aqueles que precisam trabalhar nas férias escolares dos filhos, colocá-los em uma colônia de férias pode ser uma ótima opção, capaz de proporcionar momentos muito agradáveis, mas os pais precisam estar atentos a algumas questões importantes:
  • Conheça a proposta do espaço e as pessoas responsáveis pelo projeto. Não hesite em tirar todas as dúvidas. Pergunte sobre as atividades oferecidas, procedimentos em caso de acidentes, segurança dos espaços oferecidos, formação dos profissionais que acompanham as crianças.
  • A criança deve conhecer o espaço e pelo menos um adulto responsável, que possa servir como referência; ficar com pessoas estranhas pode gerar insegurança e medo. Quanto menor a criança, maior se torna a importância desse item. Se for necessário disponha-se a enfrentar um período de adaptação.
  • Organização é fundamental para a criança; além de permitir que a proposta funcione, a organização e a rotina trazem segurança. Mas não esqueça que seu filho está em período de férias, onde os horários não devem ser tão rígidos. Se ele desejar faltar um dia ou dormir um pouco mais naquela manhã, procure respeitar; não o faça ficar tão preso ao relógio.
  • Alguns locais oferecem a colônia de férias fora da cidade. A proposta pode ser genial, o lugar maravilhoso, mas seu filho deseja fazer isso? Sente-se seguro para ficar tantos dias longe de casa? É capaz de ser responsável pelos seus pertences? Você pode entrar em contato com ele e ele com você quando desejar? Existem idades e idades, crianças e crianças. O que é bom para o filho de um amigo pode não ser muito bom para seu filho. Escute com atenção o que ele tem a dizer. É possível que seu filho escolha viver essa experiência e diante de uma dificuldade se arrependa e peça para voltar para casa – esteja consciente disso.
  • Procure tirar ao menos um final de semana prolongado para estarem juntos, fazendo algo de diferente do período letivo. Não é preciso nada de tão dispendioso ou mirabolante – seu filho deseja estar com você. Fazer biscoito; um piquenique em um parque diferente; jogar; contar histórias; ir à praia no final da tarde são exemplos de atividades que podem ser super prazerosas para a família e verdadeiramente relaxantes para a criança.
Por Heloisa Coutinho


http://www.criancaemfoco.com.br/index.php?option=com_content&view=article&id=190:cuidados-na-escolha-da-colonia-de-ferias&catid=24:artigos&Itemid=90

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…