Pular para o conteúdo principal

LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL


LEITURA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

1.Introdução




A Infância é o momento em que as crianças estão mais propícias a desenvolver hábitos que serão seguidos futuramente, por isso consideramos que seja essencial estimular as crianças a gostarem de ler desde bem pequenas.

É necessário mostrar às crianças que o ato de ler além de poder ser usado como obtenção de informações pode ser muito prazeroso, fantástico e lúdico.



. Nessa idade é possível auxiliar a criança a compreender a si mesma, seu corpo, seus gostos e estimular alguns hábitos desejados pelos adultos.

Podemos, então, inferir que o gosto pela leitura de livros literários possa ser introduzido na vida das crianças desde sua tenra idade. Durante os primeiros anos (antes de ser alfabetizada) a criança ainda não poderá ler, mas poderá ouvir histórias, ver seus parceiros manuseando livros, ela pode folhear livros e ver as gravuras e é através desse contato com o mundo da leitura que o gosto pela mesma pode ser estimulado desde a Educação Infantil.

2. Objetivos

Esse projeto de pesquisa e intervenção tem como objetivos centrais: 

•Estimular o gosto pela leitura desde a Educação Infantil; 

•Promover momentos de contação de histórias;

•Proporcionar momentos de manuseio de livros;

•Estimular as crianças a lerem imagens e construírem histórias a partir delas.

3. Metodologia 

Para alcançarmos os objetivos propostos, fizemos um levantamento bibliográfico e um aprofundamento teórico a fim de construir atividades que estimulassem o hábito e o interesse pela leitura e que se desenvolverão de maneira gradativa, buscando cativar e atrair as crianças para terem uma maior proximidade e intimidade com o mundo da leitura. Todas as atividades acontecerão em um ambiente calmo, fora da agitação das outras turmas da instituição, e as crianças deverão ficar à vontade, sentadas no chão em círculo. O tempo estimado para cada atividade será de 40 minutos a 1 hora. (tempo previsto : 6 dias)

1ª atividade: Contar Histórias

Para essa atividade serão escolhidas histórias conforme a faixa etária das crianças. Elas serão contadas através de teatro de fantoches com entonação de voz criando a diferenciação das personagens e chamando a atenção das crianças para essa diferença.. Após a apresentação mostrar às crianças que as histórias também podem ser encontradas em livros, e deixá-las manusear os mesmos e os fantoches para que possam recriar as histórias.

2ª atividade: Contar história com livro

A história será contada através de um livro rico em gravuras, e antes de trocar a página o educador deverá questionar com as crianças o que elas acham que acontecerá na próxima página, estimulando-as a falar (oralidade) e incentivando a imaginação e o raciocínio lógico entre uma cena e outra.

3ª atividade: Histórias a partir de gravuras

Deverão ser confeccionadas placas grandes com gravuras que estabeleçam uma lógica de continuidade entre elas. As placas serão apresentadas uma de cada vez ao grupo de crianças e as mesmas farão a locução do texto oral a partir das gravuras que vêem. O professor não irá contar a história, as crianças é que a contarão através das gravuras.

4ª atividade: Produção individual de história

A professora deverá contar uma história (com entonação e utilizando o livro) para as crianças, em seguida deverá pedir às crianças que a passem para o papel através de seus desenhos. Serão oferecidos às crianças materiais como folhas, lápis de cor, canetinhas, giz de cera e lápis de escrever. Caso algumas crianças conheçam algumas letras, incentivá-las a utilizá-las em suas produções. As produções dos alunos deverão ser expostas para toda a turma ver o que os colegas produziram. A professora deve estimular e valorizar as produções das crianças.

5ª atividade: Produção oral coletiva da história. 

O professor deverá iniciar uma história oralmente (uma história que não seja conhecida pelas crianças, ou uma fictícia) e uma de cada vez irá dar continuidade à história, assim cada criança deverá prestar atenção na continuidade que o colega deu para que possa construir a história a partir do ponto em que parou (poderão ser colocados novos personagens na história, mudança de eventos entre outros). O professor deverá transcrever a história produzida pelas crianças e depois contá-la à elas. Pode ser sugerido que as crianças façam a ilustração da história.

6ª atividade: Contato com livros

Assim como as outras atividades, a professora deverá contar uma história com um livro, e apresentar às crianças outros livros, contar-lhes seus títulos e deixa-las manusear os livros, tentando “ler” as histórias. A atividade pode ser desenvolvida em um primeiro momento individualmente, e depois em duplas cada criança contará a história a seu parceiro, utilizando a leitura que faz das imagens.

5. Considerações finais 

Esse projeto de pesquisa e intervenção está em andamento mas podemos afirmar, como resultados parciais a partir da discussão teórica, que essas atividades serão muito importante não só para desenvolver o hábito e o interesse pela leitura como também para proporcionar momentos lúdicos, fantásticos à turma, a união da mesma, o desenvolvimento da oralidade, da criatividade e a utilização de seqüências lógicas.

Embora saibamos que as condições de exeqüibilidade do projeto nas instituições públicas não sejam muito favoráveis, nos propomos a levar os materiais que serão utilizados de modo não prejudicar o andamento das atividades. Ao término das atividades montaremos um cantinho de leitura na sala em que foram desenvolvidas as atividades utilizando livros adquiridos por meio de doações, tapete, almofadas e muitas placas com gravuras, para que possam estimular as produções dos alunos acreditando que, dessa forma, contribuiremos para o desenvolvimento do gosto pela leitura desses alunos.


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…