Pular para o conteúdo principal

O Que é Ética Álvaro L. M. Valls Coleção Primeiros Passos -



Resumo do livro – O que é ética – Álvaro L. M. Valls – Editora Brasiliense – Coleção Primeiros passos – 177

Jackson Pereira
Os problemas da Ética
O autor inicia o livro buscando entender quais os problemas do estudo da ética, a divisão didática deste estudo em dois campos: nos problemas gerais e nos problemas específicos, enfatizando que é uma divisão acadêmica já que na vida real não existe separação.
A ética em cima do capital, da moral religiosa, ou mesmo das relações interpessoais é variável de acordo com a sociedade e o tempo em que esta se desenvolve, mas mesmo ai se busca determinar o que tem de igual nas passagens de tempo e de sociedades para que possamos identificar uma atitude ética, este é um problema levantado que ainda não possui solução adequada, mas todo o “esforço de teorização no campo da ética se debate como o problema da variação dos costumes” (pag. 16). Explicar universalmente atitudes pessoais é um exercício produzido por diversos filósofos.
A citação para exemplificar esta busca se encontra principalmente nos pensamentos de Sócrates (470-399 a.c) que foi o primeiro a tentar realizar uma “consulta interior” questionando as tradições gregas através da vontade de compreender a justiça das leis e Kant (1724-1804) que buscava uma ética universal que colocasse a igualdade para todos homens, ambos dialogam intrinsecamente com a moral, a partir das idéias destes pensadores diferentes discursos foram sendo construídos é isto que o autor vai nos mostrar durante o restante do livro, como autores de épocas e espaços diferentes conseguem dialogar sobre a construção de uma postura ética.

Ética Grega Antiga
O pensamento grego em seu modo geral é representado por três importantes filósofos, o autor ressalta que não são apenas estes os pensadores gregos mas as idéias deles merecem ser analisadas.
O ideal de Sócrates já foi citado, para continuar seus estudos Platão os sistematizou e colocou sua visão de busca pelo bem e pela felicidade, felicidade entendida como prazer como sabedoria pratica e como verdade, não há idéia de felicidade contemporânea. Para isso o homem tinha de ser virtuoso sendo uma imitação ou uma assimilação de Deus e existiam as virtudes principais: Justiça, Prudência ou Sabedoria, Fortaleza ou Valor e Temperança.
Já para Aristóteles a questão não é tão teórica, mas um pouco mais pratica, sem deixar de utilizar a contemplação e a base da busca do bem ele demostra que o bem é especifico de acordo com o grau de complexidade do ser, neste sentido a ética de Aristóteles surge com um fim, então para o homem a busca do bem era algo que envolvia diversas esferas e diversas buscas.
É importante lembrar que esta visão parte de uma sociedade escravocrata em que os escritos foram pensados para uma aristocracia que não trabalhava e tinha tempo de sobra para se dedicar as artes contemplativas.

Ética e Religião
Neste trecho do livro o autor relaciona conceitos éticos e morais com a expressão religiosa que parte desde o culto grego as forças da natureza e a criação dos deuses. As religiões ligadas ao judaísmo e ao cristianismo tem na vontade de Deus o seu encaminhamento. O individuo é colocado em segundo plano, este tipo de relação dá a sociedade uma ênfase no processo moral, Deus é um espelho de perfeição a ser seguido. O problema com as questões sexuais também veio a tona principalmente através da doutrina católica.
Destaque para o filosofo Ludwing Feuerbach (1804 – 1872) que “tentou traduzir a verdade da religião, especialmente a cristã, numa antropologia filosófica que estivesse ao alcance de todos os homens instruídos” (pag. 39) esta visão influenciou as idéias marxistas, tanto é verdade que pensadores cristãos buscam textos de caráter marxista para afirmar suas posições. Outras visões aparecem como a determinista, a racionalista e a do positivismo lógico que dialogam com as posturas religiosas em relação a uma ética.

Os ideais éticos
A busca por um ideal ético pode possuir diversas respostas para Platão, Aristóteles e Sócrates a busca da felicidade era o principal objetivo, no Cristianismo os ideais éticos se identificam com os religiosos. O renascimento e o iluminismo trouxeram acentuou o aspecto da liberdade individual. Já em Hegel o foco das idéias de ética recaem sobre a noção de estado. O pensamento social e dialético na vida social mais justa. E na reflexão do século XX a idéia é de que a sociedade não se comporta de forma imoral, mas sim amoral.

A liberdade
A questão da liberdade é discutida partindo das idéias de determinismo e de liberdade, existindo diversas definições de determinismo de acordo com o momento vivido, mas ele é contrário a ética, da mesma forma o extremo oposto do determinismo também nega sua função ética, nesse meio o poder da vontade, o chamado idealismo também não pode ser considerado como um meio ético já que este é teórico de tal forma que não consegue se enquadrar no homem real. O autor fala que em Hegel a questão da liberdade é amplamente discutida, chegando a conclusão que ela se desenvolva na consciência e nas estruturas.
A teoria de Hegel não pode ser ignorada, mas ela recebe criticas interessantes de Karl Marx e kierkegaard, a critica do social no primeiro e da individualidade no segundo complementam a discussão.
O Estado moderno neste contexto está intimamente ligado a questão da liberdade. Neste sentido para Marx existe uma luta constante com a natureza uma tentativa de dominação da mesmo, há um ideal em cima da técnica e não da ética o que esta sendo reestudado pelos pensadores contemporâneos. E kirkeegard contribui com o conceito de angustia e busca trabalhar com os aspectos psicológicos.

Comportamento Moral – O bem e o Mal
Os dois extremos o bem e o mal são partes de um mesmo estudo a ética esta ligada a idéia de bom a tentativa de evitar o mal, neste meio tempo surgem novos estudos de moral, o surgimento da imprensa é o agente catalisador desta situação e resulta na preocupação com a autonomia moral do individuo.
Temos o direito natural em contraposição ao direito divino, Kant é o expoente desta dicotomia em que a busca de descobrir cada homem uma natureza igual, porém livre. “Por mais que variem os enfoques filosóficos ou mesmo as condições históricas, algumas noções, ainda que bastante abstratas, permanecem firmes e consistentes na ética.”
Para Kierkegaard uma pessoa ética é aquela que age sempre a partir das alternativas de bem e do mal, e quem vive optando entre uma ou outra, não vive eticamente.
“A questão atual é principalmente saber se, mesmo sabendo isto, os homens de hoje ainda se sentem em condições de agir individualmente, isto é, agir moralmente.”

A ética hoje
Na ética hoje alguns aspectos são interessantes, a colocação da famíllia na idéia de ética, questões de fidelidade, de amor, relacionadas a sexualidade como nos casos do celibato, feminismo e da homossexualidade. Exigindo uma reformulação doutrinária dos estudos.
A relação com a sociedade civil e suas determinações e conjunções com o mundo do trabalho e a privacidade.
E em relação ao Estado, a liberdade do individuo só se completa com a liberdade de um estado livre e de direito. O estado só é livre se todos os indivíduos que o fazem também sejam livres.
E nos dias de hoje a luta ganha um caráter muito mais sutil, o poder da imprensa, a dominação econômica, as massas podem ser dominadas mentalmente através da disseminação de informações diretas que definem e/ou direcionam a população para um determinado caminho.

O QUE É ÉTICA
Filosofia da ciência
Professor: Juliano Batista dos Santos
Aluno: Macks Alexandre Araujo Luz
Este fichamento refere-se ao tema “O que é ética”, relacionado ao livro de Álvaro Valls. Já adiantando, falarei sobre os principais problemas da ética, idéias e discussões sobre ética antiga, ética e religião, os ideais éticos, o comportamento moral: o bem e o mal, e ética hoje.
Se me perguntarem o que é ética, certamente não conseguiria responder com facilidade, porque ética é uma daquelas coisas que todo mudo sabe o que são, mas que não são fáceis de ser explicadas.
No primeiro capítulo, o autor expõe os problemas, a maneira tradicional e a moderna em que povos agiam diante da ética e da moral, assunto esse que gerava muita polêmica. Como foi o caso de Sócrates, condenado a beber veneno, acusado de induzir a juventude a questionar as leis. Já Kant, achava que ética dependia da igualdade humana, estava sempre em busca da moral racional entre povos, ou seja, todos deveriam agir conforme a razão.
Já no terceiro capítulo, aborda a relação da ética com a doutrina religiosa, onde se discute as influências de relacionamento, sexualidade e moralidade. E que a atitude do ser humano perante a sociedade influenciava no modo em que as pessoas eram vistas.
No capítulo “Os ideais éticos”, a moral agia de acordo com a consciência de cada pessoa. Praticar o bem era um ato importante na doutrina. Para outros, viver de acordo com a natureza era fundamental, soava como viver aos princípios de Deus.
No quinto capitulo, aborda a liberdade humana, fato que depende do modo de pensar e agir no seu interior e exterior, lembrando sempre que há normas a serem seguidas e responsabilidades a serem cumpridas, sendo que agir para o bem é uma questão de ética, mais a forma de como esse bem será praticado depende exclusivamente de cada um.
A ética é um conceito que sempre esteve presente em todas as sociedades e hoje se resume em uma ética individual, onde cada pessoa define o que prefere seguir e idealizar, como praticar o bem e qual caminho a seguir.

http://www.ebah.com.br/content/ABAAAe_psAB/que-etica


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…