Pular para o conteúdo principal

22 de setembro: Dia do Rio Tietê

Os resultados já alcançados do Projeto Tietê mostram a seriedade, o profissionalismo e o comprometimento de todos para que o rio volte a ser um orgulho de São Paulo

O Rio Tietê, que na língua tupi quer dizer rio verdadeiro, é o maior e mais respeitável rio paulista. Ao longo de seus quase 1.100 quilômetros de extensão, corta o Estado de São Paulo de leste a oeste: nasce no município de Salesópolis, na Serra do Mar em São Paulo, e deságua no Rio Paraná, na divisa com o estado de Mato Grosso do Sul.

Ao contrário de outros cursos d'água, o rio se volta para o interior e não corre para o mar, característica que o tornou um importante instrumento na colonização do país.

Devido à sua grande importância, o Tietê também se tornou um grande símbolo de mobilização. O Projeto Tietê foi criado pela Sabesp em 1992 devido a uma manifestação popular que resultou em um documento com 1,2 milhão de assinaturas a favor da despoluição do rio.

Seu objetivo é ampliar permanentemente a capacidade de coleta, interceptação e tratamento de esgotos em toda a Região Metropolitana de São Paulo, em etapas sucessivas.

Os benefícios do projeto contemplam aspectos de saúde pública, meio ambiente e reuso planejado de água.

O projeto foi dividido em duas fases:

A 1a Etapa (1992 ? 1998): os índices de coleta passaram de 70% em 92, para 80% em 98, e o tratamento, no mesmo período, saltou de 24% para 62%. A mancha de poluição no Interior do Estado recuou 120 quilômetros.

A 2a Etapa (2002-2007): com o término das obras da segunda fase, o índice de coleta de esgoto na região Metropolitana saltará de 80% para 84% e o de tratamento, de 62% para 70%. Além disso, cerca de 350 milhões de litros de esgoto deixarão de ser despejados diariamente na bacia do Alto Tietê e haverá redução em mais de 40Km do trecho poluído do rio.

Estão sendo construídos 36 km de interceptores, 110 quilômetros de coletores-tronco, 1,2 mil quilômetros de redes coletoras e 290 mil ligações domiciliares, que permitirão coletar e tratar o esgoto de mais de 1 milhão de pessoas da Região Metropolitana de São Paulo.

Até o momento, 89% do total de obras previstas já foi executado.

Paralelamente, por meio de uma adequação de recursos, estão sendo realizadas também obras complementares, cujo objetivo é dar continuidade aos objetivos inicialmente contratados.

O Rio Tietê ainda não aparece limpo na capital paulista, mas em algumas cidades do interior do Estado a poluição já diminuiu visivelmente depois do início das obras do Projeto Tietê. Há pesca em grande parte do interior como na cidade de Anhembi, próximo à barragem de Barra Bonita, onde diversas famílias obtêm suas rendas a partir desta atividade.

O projeto, que envolve outros órgãos como Cetesb, DAEE (Departamento de Águas e Energia Elétrica) e prefeituras, prevê investimentos contínuos e ininterruptos para acompanhar o crescimento populacional da Região Metropolitana de São Paulo.

VALE lembrar que cerca de 35% da poluição acumulada na Bacia do Rio Tietê não vem de redes de esgoto, mas sim do lixo jogado nas ruas. Todos os dias, as águas do Tietê recebem toneladas de sacolas plásticas, garrafas, latas e outros tipos de lixo abandonados por moradores da Região Metropolitana de São Paulo. Se a população não mudar de atitude, a situação permanecerá crítica. Em 2015, esse lixo deverá representar 65% da sujeira despejada diariamente na Bacia.

Portanto, neste dia dia 22 de setembro, é preciso sim comemorar o Dia do Rio Tietê, mas sempre com a consciência de que somos parte integrante desse patrimônio natural.

Assim, a parceria Sabesp e Rio Tietê vem se consolidando em uma união de muito sucesso. O Projeto Tietê continua seu trabalho rumo à despoluição do rio. E a Sabesp se torna cada vez mais referência mundial de qualidade em saneamento básico, modelo de excelência e orgulho dos paulistas, pronta para atuar em todo o mundo.


A saúde do rio depende de todos nós!









Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…