Pular para o conteúdo principal

História Ginástica


História Ginástica

     O termo ginástica, provém da palavra grega “gymnos” (nu) pelo facto de, na antiguidade clássica, os exercícios se praticarem com o corpo nu.
Com a queda do Império Romano, o corpo passou a ser ignorado e com isso a ginástica sofreu durante um longo período de tempo, para renascer no século XVIII com a influência de vários pensadores que se debruçaram sobre as vantagens da prática do exercício físico. Contudo, é de realçar o contributo de Jean-Jacques Rousseau (1712- 1778), na obra pedagógica "Emílio", em que o autor se refere à necessidade da pratica física como meio para atingir a razão.
     A partir daqui surgiram várias correntes, que encontraram eco na Alemanha com Johann Bernard Basedow (1723-1790), pedagogo e educador, que conseguiu assimilar e transformar os princípios orientadores de Rousseau e impulsionou a ginástica, tendo para isso criado em 1775 o pentatlo de Dassau, no seu "Philanthropicum", constituído por provas de corrida, saltos, transporte, de equilíbrio e de trepar, formando os seus seguidores. Foi o primeiro pedagogo, desde a Antiguidade, a defender que o exercício físico deveria fazer parte dos programas das escolas primárias.
     Em 1784, Christian Gotthlif Saltzmann (1744--1811), pedagogo e educador, abre um outro "Philanthropicum", em Schneppenthal para em 1785 Johann Christoph Friedrich Guts-Muths (1759-1839), professor e educador, considerado o "pai" da ginástica pedagógica, iniciar a sua obra donde nasceu um novo conceito de ginástica.
Foi um impulsionador da educação física obrigatória; utilizou o "Philanthropicum" de Schnepfenthal: a par da corrida, saltos, lançamento, luta e natação, os exercícios de trepar e de equilíbrio. As ideias filantrópicas e os conteúdos pedagógicos de Guts-Muths tiveram eco nos países da Europa, especialmente na Suécia, Dinamarca e França.
     No princípio do século XIX, surge um novo conceito de ginástica na Alemanha com Friedrich Ludwig Jahn (1778-1852). Para além de criar aparelhos e novas formas gímnicas, fundou, em 1811, o primeiro ginásio ao ar livre de Hasenheide, Berlim. Daí nasceu o termo "Turnkunst" pelo qual ele substitui a palavra "Gymnastik". A ginástica de Jahn, com um conteúdo mais social e patriótico, rapidamente superou as ideias pedagógicas de Guts-Muths, tendo por objectivo formar homens fortes para defender a pátria.
     O primeiro festival alemão data de Outubro de 1814, para comemorar o aniversário da vitória sobre Napoleâo. na batalha de Leipzig. Os festivais desportivos favoreceram a propaganda das teorias de Jahn e a unidade da Alemanha e contribuíram para o incremento do movimento gïmnico. A sua actividade foi interrompida na Alemanha por motivos políticos, de 1820 a 1842, período a que se chamou "Bloqueio Ginástico". Mesmo assim, os ginastas praticavam-no, sob a designação de "Gymnastik", em salas e em pavilhões, que permaneceram até aos nossos dias. Ora, a sua mudança foi de ordem política e não climatérica, e por consequência originou uma maior importância para a ginástica de aparelhos.
     Em 1811, surgiu também Ling, um Sueco que desenvolveu um sistema de ginástica diferente do de Jahn. Ling baseou mais o seu trabalho em FACTORES médicos e anatómicos e classificou os exercícios físicos de acordo com esta linha de pensamento. Trabalhou com e sem aparelhos considerando de primeira importância o movimento do corpo em vez de aquisição de destreza.Pode dizer-se que, no fim do século XIX, a ginástica se entendia como um importante elemento no sentido da formação do homem e do soldado.
     Entretanto, a sua utilidade como meio de educação, progressivamente aceite, vai originar a sua inclusão na generalidade dos programas escolares.
A sua afirmação no plano desportivo dá-se na Olimpíada de Atenas, durante os primeiros jogos, em 1896, ou seja, 15 anos depois da formação da “Federação Internacional de Ginástica”. Na sua imposição como disciplina Olímpica, deve destacar-se a acção desenvolvida pelo renovador dos Jogos Olímpicos Modernos: Pierre de Coubertin. A partir dos Jogos Olímpicos de Helsínquia (1952), a ginástica assume a forma segundo a qual é hoje praticada, como uma modalidade simultaneamente exigente, espectacular e completa, nos termos em que é universalmente aceite e compreendida.
fonte; http://vamos_fazer_educacao_fisica.blogs.sapo.pt/10679.html

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…