Pular para o conteúdo principal

Resenha do livro Jogo, brinquedo, brincadeira e educação.

Resenha do livro Jogo, brinquedo, brincadeira e educação.


Gilliane França Evaristo[1]
           
Tizoko Morchila Kishimoto, foi chefe do departamento de Metodologia de Ensino e Educação comparada d Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. Coordenadora do laboratório de brinquedos e matérias pedagógicos da mesma instituição, sendo também professora livre-docente, é responsável por cursos de pós-graduação e especialização na área de educação infantil. A mesma realiza pesquisas e publica livros e artigos sobre educação infantil, brinquedos e brincadeiras.
            A compreensão da brincadeira e jogos é bastante ampla aonde, a obra vem trazer tais abordagens que podem ser usadas para aprendizado da criança. A definição da palavra jogo é bastante relevante, pois, cada sujeito poderá interpretá-la de uma maneira. O brinquedo proporciona a criança um mundo imaginário, onde se dá início a criação do lúdico de cada um.
            A relação existe entre o jogo e a educação, é que o jogo é considerado uma forma de recreação infantil, uma cultura presente desde a antiguidade greco-romana, porém o intuito dos jogos vai além da tarefa recreativa pode favorecer o ensino dos conteúdos em sala de aula, estabelecer as necessidades de cada quadro infantil e mostrar diagnosticamente as personalidades das crianças. O brinquedo proporciona à criança as formas se saber através da brincadeira, onde a função lúdica vai propiciar a diversão para os mesmos fazendo assim um estimulo educativo, trabalhando a compreensão de mundo.
            Podemos enxergar diversas brincadeiras , sendo elas as brincadeiras tradicionais, que prevalece a questão cultural em que o sujeito está inserido que vai passando de gerações em gerações, as brincadeiras de faz-de-conta, que trata-se de uma brincadeira simbólica onde a imaginação do indivíduo irá prevalecer, que estimula a oralidade tratando de crianças de 2 e 3 anos, quando a realidade da criança muda as brincadeiras também se modificam.
É através dos brinquedos que a criança vem desenvolver sua comunicação, o brinquedo é um objeto de socialização, a brincadeira ou brinquedo aparece na realidade para que se possa viajar em meio as fantasias e explorar o mundo que irá se encontrar.
            O material pedagógico usado pelo educador não deve ser utilizado com um objeto de estética e sim ir além do que a o mesmo proporciona fazendo assim,um relação para que o aluno desenvolva seu potencial de aprendizado, com o objetivo de aprender brincando.
            A obra é concluída falando sobre as práticas dos jogos, brinquedos, brincadeiras e a educação e como é vista pelos profissionais que atuam nesta área de trabalho, onde foi realizada uma experiência de prática com os professores e alunos segundo as metodologias das brincadeiras com aprendizado e desenvolvimento das crianças.
            Portanto a obra trata das metodologias em que o jogo abrange como aprendizado pra as crianças, onde a autora e colaboradores abordam brevemente tais abordagens lúdicas, o que nos leva q refletir sobre a relações existentes em tais atividades, tratando-se de uma crítica construtiva o livro tem como base os autores que possuem a teoria do brincar como desenvolvimento, sendo eles: Piaget, para ele quando a criança brinca ela assimila sua visão de mundo,e Vygotsky, a criança ao passar do concreto para o abstrato não acontece continuidade relacionando a  imaginação. Apesar das teorias em hora se intercalarem, hora se difundem, pois tratam de uma mesma linha de aprendizado mais de forma diferente, o que poderá implicar na compreensão do leitor.
            A obra é indicada aos professores e sujeitos que trabalhem na linha de ensino com Educação Infantil, devido à análise de demonstrações sobre os jogos, onde o mesmo não é somente material lúdico, e sim, incorpora aspectos afetivos que vem tornar o ensino e aprendizagem como atividades significativas.  

Fonte: KISHIMOTO, Morchila Tizuko.Organizado.Jogo, brinquedo, brincadeira e educação. 9ed. São Paulo: Cortez, 2006.



fonte: http://brincandonainfanciaeaprendendo.blogspot.com.br/2013/03/resenha-do-livro-jogo-brinquedo.html

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…