Pular para o conteúdo principal

A ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA

A ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO DE MATEMÁTICA


INTRODUÇÃO









A palavra matemática é capaz de desencadear em nós sentimentos dos mais contraditórios, desde o arrepio de horror até o mais sublime suspiro de paixão. Este sentimento pode ser resgatado através da nossa história escolar e de nossas representações, nos trazendo lembranças vinculadas com a matemática, sempre e ainda muito presentes.
Para alguns, tais lembranças aparecem de uma forma não muito positiva, quem sabe até para a maioria. Para outros, não trazem nenhuma lembrança mais marcante. E para uma minoria evidenciam o mestre, o professor de matemática, em seu labor buscando um outro lado da matemática: dentre aquele emaranhado de símbolos, regras e propriedades, o verdadeiro significado e a sua importância como área de conhecimento.
Uma breve histórico da matemática
A Matemática só entrou na escola no final do século XVIII, com a Revolução Industrial. Curiosamente, perpetuou-se desde então um equívoco ao qual pode ser creditada boa parte do fracasso no ensino. Entenda os motivos acompanhando a cronologia abaixo:
Século XVIII - Até então, as Ciências eram reservadas aos filósofos. A Revolução Industrial, a administração e os sistemas bancários e de produção passaram a exigir mais do cidadão. A Matemática chega às escolas, mas currículo e livros didáticos são criados com base na formalização e no raciocínio dedutivo do grego Euclides (séc. III a.C.). A obra é crucial para compreender a matemática, mas inadequada para aulas no Ensino Básico.
Século XX - Durante as guerras mundiais, a matemática evolui e adquire importância na escola, mas continua distante da vida do aluno. Mais crianças chegam às salas e cresce a aura de dificuldade; o rendimento cai. A disciplina passa a ser o principal motivo de reprovação. Mesmo assim, a formalização persiste.
Até a década de 30, na Inglaterra, os livros didáticos eram traduções diretas da obra de Euclides. Pós-guerra Com a Guerra Fria e a corrida espacial, os norte-americanos reformulam o currículo a fim de formar cientistas e superar os avanços soviéticos. Surge a Matemática Moderna, uma boa idéia mal encaminhada. Ela se apóia na teoria dos conjuntos, mantém o foco nos procedimentos e isola a geometria. É muita abstração para o estudante do Ensino Fundamental — e a proposta perde força em apenas uma década.
Anos 70 - Começa o Movimento de Educação Matemática, com a participação de professores do mundo todo organizados em grupos de estudo e pesquisa. Ocorre a aproximação com a Psicopedagogia. Especialistas descobrem como se constrói o conhecimento na criança e estudam formas alternativas de avaliação. Matemáticos não ligados à educação se dividem entre os que apóiam e os que resistem às mudanças.
1997 a 1998 - São lançados no Brasil os Parâmetros Curriculares Nacionais para as oito séries do Ensino Fundamental. O capítulo dedicado à disciplina é elaborado por integrantes brasileiros do Movimento de Educação Matemática. Segundo os especialistas, os PCN ainda são o melhor instrumento de orientação para todos os professores que querem mudar sua maneira de dar aulas e, com isso, combater o fracasso escolar.
3.2 Aspecto Pedagógico – O Guia do Livro Didático: uma ferramenta para o professor
O Guia do Livro didático é elaborado para o professor. Com a sua experiência de sala de aula, ele sabe bem que um material de apoio didático de qualidade faz grande diferença no processo de ensino-aprendizagem. O Ministério da Educação realiza a avaliação dos livros didáticos e dicionários apresentados para análise. O resultado traduz-se no Guia que é a síntese de um criterioso processo de avaliação e assegura a qualidade da escolha das obras que o professor e seus alunos irão usar.
O professor e sua escola têm autonomia plena para fazer suas opções. O Guia é, na realidade, instrumento de participação de milhares de professores na definição o material a ser adquirido pelo Ministério e utilizado por alunos e educadores nas escolas públicas brasileiras.
As orientações contidas no Guia sobre as principais características dos livros, coleções e dicionários é um material de consulta a ser usado sempre que necessário. O Guia pode, ainda, atuar como aliado em outras ocasiões, mesmo após a escolha das obras.
O Guia de Livros Didáticos, em cada um de seus volumes, é composto de duas partes: a primeira fornece os princípios, os critérios gerais e específicos das áreas e as fichas detalhadas que orientaram o trabalho dos especialistas na avaliação dos livros. A segunda oferece as resenhas das obras aprovadas pelo Programa Nacional do Livro Didático para o ano.
3.3 Comparação das Avaliações dos Livros Didáticos de Matemática
Com base no Guia de Livros Didáticos e na análise pessoal, será apresentada uma comparação entre duas coleções de matemática, de 2a série, em que ambas trabalham com a operação da divisão.
Coleção Convivendo com a matemática
Juliana Sosso Editora Atual
Pela análise do Guia a coleção é recomendada por que os conteúdos são expostos em linguagem clara e abrangem os tópicos normalmente estudados nessa etapa da formação escolar. Esses conteúdos, além disso, são retomados e aprofundados progressivamente ao longo dos volumes da obra.
Há articulação com outras áreas do conhecimento e com situações do cotidiano – o que favorece a formação da cidadania. A obra também apresenta diferentes tipos de representação e explora a diversidade de linguagens.
O cálculo mental, as estimativas e o uso da calculadora estão presentes em muitas atividades da obra, o que contribui para uma formação atualizada do aluno.
Convivendo com a matemática – 2a série
Conteúdos abordados nesse volume:
• Números e operações: usos dos números; sistema de numeração decimal; § De zero a mil;
§ Comparando quantidades;
§ Resolvendo problemas;
§ Trabalhando com tabelas;
§ Adição, subtração, multiplicação e divisão
Espaço e Forma;
§ Figuras Geométricas;
§ Localização;
§ Sólidos Geométricos; § Vistas;
§ Mosaicos;
§ Simetria:
§ Caminhos
Grandezas e Medidas;
§ Trabalhando com centímetro;
§ Trabalhando com o relógio:
§ Metro e centímetro;
§ Trabalhando com o calendário;
§ Quilômetro e quilograma;
Análise geral do Livro Didático: Convivendo com a Matemática
A obra contempla os blocos de conteúdos – números e operações, grandezas e medidas, espaço e forma – e a seleção dos tópicos matemáticos em cada um desses campos é adequada para as séries iniciais do Ensino Fundamental, de acordo com o PCN de matemática.
A distribuição dos conteúdos é também apropriada e segue o modelo de ensino em espiral, no qual os tópicos são retomados e aprofundados ao longo da coleção e algumas vezes dentro de um mesmo volume. Um ponto forte da obra é a articulação entre os tópicos matemáticos e entre o conhecimento a ser adquirido e o conhecimento prévio do aluno.
Observa-se diversidade tanto de representações matemáticas quanto de enfoques associados aos conceitos e procedimentos abordados. A freqüente exploração da Matemática no cotidiano assegura uma adequada contextualização sociocultural dos conteúdos tratados. No entanto, as ligações com a história da Matemática são muito pouco presentes.
Há também inúmeras instâncias em que é favorecida a prática interdisciplinar, por meio de atividades envolvendo Geografia, Ciências, Língua Portuguesa, entre outras áreas do conhecimento.
Quanto à metodologia de ensino-aprendizagem, observa-se, de maneira geral, preocupação com a formação de conceitos, habilidades e atitudes com participação ativa do aluno. Estimula-se o envolvimento do aluno na resolução das atividades propostas, bem como o trabalho em equipe, a troca de idéias com os colegas e a socialização das discussões. Além disso, há bastante cuidado em equilibrar o tratamento conceitual com os algoritmos e procedimentos. No entanto, em algumas instâncias, pode ser apontada uma sistematização precoce dos conteúdos matemáticos, que limita o papel do aluno na atribuição de significados a esses conteúdos.
As atividades propostas favorecem o desenvolvimento da capacidade do aluno para explorar, estabelecer relações, generalizar, argumentar, tomar decisões, criticar, utilizar diferentes estratégias na resolução de problemas, expressar e registrar idéias e procedimentos. Além disso, a obra contém situações-problema que envolvem questões abertas ou desafios, propõem a seleção, a organização e a interpretação de dados, demandam a realização de cálculo mental, de cálculos por estimativas e propõe exercícios com nenhuma solução ou várias soluções e a formulação de problemas. Há também inúmeras atividades que estimulam a utilização de jogos, de materiais concretos e da calculadora.
No entanto, muitos exercícios de fixação requerem apenas a aplicação de regras e procedimentos, exigindo o mesmo padrão de resposta e raciocínio.
A linguagem empregada na obra é, em geral, apropriada para o aluno a que se destina.
Coleção:Viver e aprender
Iracema Mori Editora Saraiva
O Guia do Livro Didático de 2004 coloca que a coleção apresenta variedade de enfoques e significados para os conteúdos trabalhados, principalmente com relação aos números e operações.
Valoriza o conhecimento prévio do aluno, além de se utilizar de resoluções de problemas integradas ao cotidiano. Utiliza-se de uma linguagem clara e de propostas que incluem desafios.
A seqüência lógica dos tópicos é feita de forma apropriada. Os conteúdos são tratados com grande diversidade de enfoques.
Viver e Aprender – 2a série
Conteúdos abordados nesse volume:
• Sistema de Numeração Decimal:
§ Trabalhando com números até 999; § Antecessor e sucessor;
§ Trabalhando com a ordem;
§ Trabalhando com os ordinais:
• Noções de Geometria:
§ Trabalhando com figuras planas;
§ Trabalhando com sólidos
§ Fazendo medições : palmo e centímetro • Medidas:
§ Trabalhando com medidas de comprimento e de tempo • Operações:
§ Adição;
§ Subtração;
§ Multiplicação; § Divisão;
Análise geral do Livro Didático: Viver e Aprender
Embora o Guia coloque que a disposição dos conteúdos seja de forma adequada, ela coloca-se de forma fragmentada, primeiramente é visto o sistema de numeração, depois as noções de geometria, as medidas e depois as operações, de forma que os conteúdos não se interagem entre si. O livro coloca de um patamar fácil para o mais complexo, que é a divisão, assim colocado por ele.
Sua coleção busca o aprofundamento de muitos assuntos ao longo dos volumes, que são indicados para cada série dos ciclos. Muitas vezes um assunto quando plausível é aprofundado no mesmo volume.
A coleção não explora a utilização da calculadora e nem o seu uso, nessa unidade não foi encontrado nenhum exercício que fizesse menção ao uso.
O livro oferece muitas relações com outras disciplinas, ora um tanto forçada e fora, ora muito bem aproveitada.
As atividades propostas e as situações-problemas buscam trabalhar com a capacidade do aluno em explorar, fazer relações, generalizar, argumentar e refletir sobre o cotidiano e sobre o que está sendo questionado, buscando ampliar o vocabulário matemático. Porém, muitas vezes o livro enfoca muito a questão da fixação, em relação a tabuada, e as contas montadas para o treino mecânico das operações.
Já em relação a parte da história da matemática o livro faz muitas relações e explora essa contextualização. Assim como podemos constatar nas amostras abaixo.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
Brasil, MEC. Coordenação-Geral de Estudos e Avaliação de Materiais. Projetos de avaliação de livros didáticos de 1o a 8o série. Disponível em site www.mec.gov.br/fundamental.
Brasil, MEC. Coordenação-Geral de Estudos e Avaliação de Materiais. Projetos de avaliação de livros didáticos de 1o a 8o série. Disponível em site www.mec.gov.br/fundamental.
Brasil. Programa Nacional do Livro Didático 2004: matemática e ciências, Volume 2 – 1o a 4o série. Ministério da Educação. Brasília,2003.
Editora Cortez, de Bárbara Freitas, Wanderley F. da Costa e Valéria R. Motta.Tese de doutorado do Prof. Dr. Jairo de Araújo Lopez
Fórum de discussões. Disponível em: http://www.novaescola.abril.com.br/online.
LEITE, LUIA H. ALVES. Pedagogia de projetos: uma nova proposta de renovação
pedagógica. São Paulo – SP 2001.
LIMA, REGINA C. V. e PINTO, GERUSA R. O dia-a-dia do professor. Editora Fapi. Belo
Horizonte – MG, 2003.
LORENZONI, IONICE. Livro didático: 75 anos de história. Brasil, MEC. Disponível em
site www.mec.gov.br/fundamental. PARRA, CÉLIA. Didática da matemática.
PELUSO, MARÍLIA L.; BALABAN, D. Fórum de discussões. Disponível em: http://www.novaescola.abril.com.br
PRADO, RICARDO. Os bons companheiros. Revista escola no140, março de 2001. Ed. Abril, São Paulo – SP; Reportagem de capa.

RENATO A. SILVA é Mestrando em Educação - Fundação Ibero-Americana - Florianópolis - Graduado em Matemática pela Universidade São Francisco - Itatiba - Especialista em Modelagem Matemática pela Universidade São Francisco - Jundiaí - Aluno Especial em Filosofia da Matemática pela Unicamp - Máster Business International - Florida Chirstian University - Orlando USA – Membro da Conferência Estadual de Educação Tecnológica – ANET. Atualmente é professor titular da Universidade Padre Anchieta - UNIANCHIETA - Jundiaí, nos cursos de Engenharia da Produção, Publicidade e Propaganda, COMEX, MBA em Logística e Pós-Graduação em Engenharia da Qualidade.



Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…