Pular para o conteúdo principal

Princípio de Peter na política à portuguesa. Má-fé na política. Evocação de Kant



- Toda a Política, como na Publicidade, a mentira e a simulação são artes sempre constantes com vista à manutenção da opacidade, por vezes em demasia. Quem está a enganar quem? Qual é a diferença... entre Gigante e Jumbo? Quarto e Quarto Completo? Duas onças e duas grandes onças? O que quer dizer Extra Longo?

- E quando se apura o nível da responsabilidade, sacrifica-se primeiro quem? O topo, o intermédio ou o nível inferior? Por regra, é o mexilhão o primeiro a estourar, e é assim para se poupar o nível superior numa contínua rotação de iresponsabilidade política, ou de que esta "morre sempre solteira". E assim chegamos ao Príncipio de Peter - associado ao prémio da incompetência, especialmente quanto mais elevado for o nível da responsabilidade na organização, na sociedade ou, pasme-se, dentro do próprio aparelho de Estado.

- Portugal continua decadente e decrépito, finge não ver os problemas e quem os pratica, e, perversamente, acaba por premiar - ainda que por omissão - aquele(s) que nem para o lugar de motorista serviriam.

- Portugal tem, acima de tudo, um problema de miopia política, o resto são "bodes respiratórios" que em breve irão morrer à praia...
 
- Contudo, se quisermos elaborar um pouco mais o nível da análise, notamos que em Portugal a classe política tem uma mente selectiva, só vendo o que lhe interessa, ocultando o que não interessa. Tem sido assim desde 1974. Significa isto que o escol dirigente nacional, quiça resultado de quase 40 anos de ditadura em que todos desconfiavam de todos, e em que o delator era premiado quando denunciava o vizinho, padece do mal designado má-fé. Não a que se contenta com insultos, mas a que remete os comportamentos e as acções para a denegação da realidade, por vezes elevando os actores políticos em dificuldades ao patamar dop lirismo.
 
- É, pois esta má-fé, sem desculpar a classe jornalística que é, não raro, descuidada, pouco ilustrada e até iresponsável (porque politicamente inimputável), que se alimenta da negação da realidade que não interessa ao poder em funções e tende a gestionar uma verdade alternativa - que sirva os intentos desse poder - e que opere, ao nível da opinião pública, como uma espécie de evidência paralela ou realidade alternativa.
 
- No fundo, aquele que mente, ou oculta dados essenciais nos negócios do Estado, logo integrantes da vida da polis, como é (ou deveria ser!) a gestão de um assunto ultra-sensível como é a intelligence nacional, - e aquele a quem se mente, são a mesmíssima pessoa. Também é isso que distingue o homem de má-fé do cínico, que nem por um momento se preocupa em dissimular a si mesmo na sua intenção de mentir. Estas relações ganham foros de cidade quando o quadro das interacções entre as esferas política e mediática entram em modo de "sobre-aquecimento".
 
- Numa palavra, e dito doutro modo, sempre com o auxílio potente da reflexão filosófica, a mais abrangente no domínio das CSH, a má-fé distingue-se da mentira clássica, já que, contráriamente a esta, não supõe uma consciência da verdade ocultada. A esta luz, o actor político de má-fé mente - primacialmente - a si próprio, dado que o seu nível de cultura política e de consciencialização dos problemas (públicos) que tem em mãos são de tal modo relativizados (para não dizer ignorados) que ele se perfila num acto recortado pela auto-mentira, i.é, pela mentira interior de Kant.
 
- Quando assim é tudo é relativizado: o mal e o bem equivalem-se, o correcto e o incorrecto anulam-se, o politicamente aceitável e o politicamente inaceitável - passam a ser geridos por uma fina membrana que também se rompe nessa avaliação.
 
- E a este propósito até apetece citar o poeta-filósofo, Fernando Pessoa quando, vendo o cego parado no meio da estrada, se pergunta - verdade, mentira, certeza, incerteza são as mesmas. Ou será que qualquer coisa mudou numa parte da realidade que nem já a ciência tem capacidade de prever... 
 
- Afinal, o que é o real?! Será que relvas existe...


PS: Texto evocativo do imenso legado kantiano.
 

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…