Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2014

O ativismo fake na América ESCRITO POR DANIEL GREENFIELD

O ativismo fake na América ESCRITO POR DANIEL GREENFIELD | 25 ABRIL 2014 
ARTIGOS - MOVIMENTO REVOLUCIONÁRIO Nunca é sobre os fatos. Os “ativistas fake” – seja na mídia, seja nas redes sociais – só se importam com a manipulação emocional a serviço da sua agenda.
O que há em comum entre a saída forçada de Brendan Eich da Mozilla e o caso #CancelColbert (1)? Ambos são exemplos de Fakectivism. (N. do T.: faketivism é a fusão de 'fake' (falso) com 'activism' (ativismo), ou seja, “ativismo fake” ou ainda “ativismo falso/fraudulento”. Doravante utilizarei “ativismo fake” sempre que o autor mencionar fakectivism.)

O “ativismo fake” é o ativismo realizado por um pequeno número de pessoas nas redes sociais e que acaba sendo integrado aos noticiários por combinar com a agenda política das organizações de mídia.

Qualquer membro do Tea Party (2) sabe que hoje a cobertura midiática dos protestos é assimétrica. Duas dezenas de estudantes, a maioria dos quais voluntários em organizações am…

Resenha: "Mentiram (e muito) para mim", de Flávio Quintela ESCRITO POR LUCIANO AYAN |

Resenha: "Mentiram (e muito) para mim", de Flávio Quintela


ESCRITO POR LUCIANO AYAN | 27 ABRIL 2014 
ARTIGOS - CULTURA "Para uma pessoa que não possua fatos e argumentos que possam, de forma lógica, justificar sua ideologia – caso de todos os esquerdistas – a ofensa injustificada é a única saída."
Sempre apontei um erro em muitos autores (e demais formadores de opiniões) da direita quando estes apontavam inconsistências no discurso da esquerda e reagiam com condescendência e as vezes até uma injustificada compaixão para com o oponente. Enquanto os esquerdistas ficavam criando mentiras para que seus líderes aumentassem ou mantivessem seu poder, a direita reagia dizendo coisas como “ah, eles não tem jeito” ou “mais uma vez eles se enganam”. Não, não é assim que se reage a fraudadores contumazes. A assertividade deveria ser uma das principais característica de quem é de direita. No mundo corporativo, não se passa a mão na cabeça de fraudadores. Por que no mundo dialético a…

A teoria de Kohlberg TEORIA DE DESENVOLVIMENTO MORAL

TEORIA DE DESENVOLVIMENTO MORA from Arlindo Nascimento Rocha

 A teoria de Kohlberg
Lawrence Kohlberg (1927-1987)Trabalhou na Marinha mercante entre o ensino secundário e a universidade. Ingressou na Universidade e completou a licenciatura em Psicologia em 2 anos em vez de 4, terminou em 1949, na Universidade de Chicago. Iniciou logo o Doutoramento o qual só foi terminado em 1958. Tese que se iniciou por uma análise entre as perspectivas psicanalítica (conceito de superego) e piagetiana acerca do desenvolvimento moral, conduziu à elaboração de uma nova teoria.
Desenvolvimento moral: Teoria de Kohlberg Para Kohlberg (1984):  A essência da moralidade reside mais no sentido de justiça do que, propriamente no respeito pelas normas sociais.  A moralidade tem mais a ver com considerações de igualdade, de equidade, de contratos sociais e de reciprocidade nas relações humanas e menos com o cumprimento ou violação de normas sociais ou regras.  A justiça é o p…

Repórter Record Investigação [HD] 28-04-2014 [Completo]

Obrigado pela visita, e volte sempre.

SINTAXE

SINTAXE DEFINIÇÃO A Sintaxe é a parte da gramática que estuda a disposição das palavras na frase e a das frases no discurso, bem como a relação lógica das frases entre si. Ao emitir uma mensagem verbal, o emissor procura transmitir um significado completo e compreensível. Para isso, as palavras são relacionadas e combinadas entre si.  A sintaxe é um instrumento essencial para o manuseio satisfatório das múltiplas possibilidades que existem para combinar palavras e orações. ÍNDICEAnálise SintáticaFraseTipos de FrasesEstrutura da Frase: OraçãoPeríodo: Período Simples, Período CompostoObjetivos da Análise Sintática / Estrutura de um Período / Termos da OraçãoTermos Essenciais da OraçãoSujeito e Predicado / Posição do Sujeito na OraçãoClassificação do Sujeito: Sujeito DeterminadoSujeito IndeterminadoOração Sem SujeitoPredicadoPredicação Verbal: Verbo Intransitivo, Verbo Transitivo, Verbo de LigaçãoClassificação do Predicado: Predicado VerbalPredicado Nominal / Predicativo do SujeitoPredic…

Floaters - Float On (Official Video)

Obrigado pela visita, e volte sempre.

Dicas para escolher o tema do TCC POR JOSÉ ANTONIO ROCHA

Dicas para escolher o tema do TCC POR JOSÉ ANTONIO ROCHA 10 DE OUTUBRO DE 2010ASSUNTO: TCC
Professores orientadores recomendam que o tema escolhido seja de agrado do aluno. Ele vai passar talvez um ano ou mais escrevendo sobre um determinado assunto. Se o tema escolhido for chato, será muito mais difícil para o aluno conviver com ele todo esse tempo. O tema deve ser procurado através de perguntas. Uma grande dúvida deve ser o início de um trabalho acadêmico. Algo que não não foi respondido ainda. Alguma área do curso escolhido que ainda tenha algo escondido dos cientistas. Algo que tenha atiçado a curiosidade da aluna, durante o curso. Normalmente se pensa num tema geral. Como diz a anedota acadêmica que me contou o prof. Sérgio Endler: – Professor, quero fazer um trabalho sobre “Deus e seu tempo“. Aí o professor concorda que é um tema importante, e tal, mas que talvez não possa ser feito em um semestre, apenas. Quem sabe tenta focalizar mais, para permitir um trabalho mais fácil? – En…

Anatomia da Crítica, de Northorp Frye

Publicado em 23/04/2014 Anatomia da Crítica: Quatro Ensaios
Autor: Northrop Frye
Tradução: Marcus De Martini

O leitor brasileiro tem em mãos um livro precioso; um dos poucos a cuja leitura ninguém permanece indiferente. Anatomia da Crítica anunciou o caminho próprio que Frye começou a trilhar em meio ao predomínio do New Criticism. Vale dizer, em lugar do close reading, técnica de leitura deliberadamente cingida à interpretação intensa de uma única obra, o crítico canadense sempre se preocupou com o estabelecimento da relação de um texto particular com horizontes mais amplos. Por isso, desde seus primeiros trabalhos, ele se orientou por um modelo muito diverso da "leitura cerrada", valorizando antes a inter-relação de textos numa tradição determinada.
Eis, então, seu modo de entender a literatura: ela não consistiria numa miríade de obras individuais, como, por exemplo, diria um Benedetto Croce. Pelo contrário, a experiência literária supõe um vasto conjunto integrado de formas. …

RESUMO - Classificação das Pesquisas

RESUMO - Classificação das Pesquisas
Classificação das Pesquisas quanto à abordagem do Problemabasea-se em: 1.1 QUALITATIVA 1.2 QUANTITATIVA 2 Classificação das Pesquisas baseada nos Objetivos basea-se em: 2.1 PESQUISAS EXPLORATÓRIAS 2.2 PESQUISAS DESCRITIVAS 2.3 PESQUISAS EXPLICATIVAS 3 Classificação das Pesquisas baseada nos Procedimentos Técnicos utilizados basea-se em: 3.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA 3.2 PESQUISA DOCUMENTAL 3.3 PESQUISA EXPERIMENTAL 3.4 PESQUISA EX-POST FACTO 3.5 LEVANTAMENTO 3.6 ESTUDO DE CASO 3.7PESQUISA DE LABORATÓRIO

Obrigado pela visita, volte sempre.