Pular para o conteúdo principal

A Pós-Graduação habilita a atuar em uma área diferente da Graduação?

Pós-Graduando – Tudo sobre a Pós-Graduação
Não sou formada em Pedagogia. Se eu fizer uma pós-graduação na área posso atuar como Pedagoga?
(…)
Sou graduando em administração. Posso fazer uma pós-graduação em psicologia?
(…)
Graduei-me em administração com ênfase em comércio exterior. Porém, quero saber se posso fazer algum curso de pós-graduação para atuar na área de educação física, ou até mesmo prestar concursos públicos na área de educação física“.
(…)
Existe ainda uma grande confusão sobre as finalidades e as habilitações dos cursos de graduação e pós-graduação. Em relação a pergunta-título deste texto, se “uma pós-graduação me habilita a atuar em uma área diferente da minha graduação“, a reposta curta seria “NÃO“.
A resposta longa exige que antes se tenha em mente alguns conceitos importantes:
Licenciatura: os cursos de licenciatura habilitam o profissional a atuar como professor na Educação Infantil, no Ensino Fundamental e Médio.
Bacharelado: o grau de bacharel ou o título específico referente à profissão habilitam o portador a exercer uma profissão de nível superior.
Pós-Graduação Lato sensu (especialização, MBA, etc): os cursos de aprimoramento ou especialização objetivam aprimorar, aperfeiçoar e melhorar conhecimentos e habilidades técnicas de trabalho em uma área específica do conhecimento. Ao final do curso o aluno receberá um certificado de conclusão e não um diploma.
Pós-Graduação Stricto sensu (mestrado/doutorado): os cursos de mestrado e doutorado são voltados para a formação de professores universitários e pesquisadores, são dedicados à vida acadêmica e oferecem um aprofundamento intenso em determinado campo do saber. Ao final do curso o aluno obterá diploma.
A IMPORTÂNCIA DA GRADUAÇÃO
O que determina a área de atuação é o curso de graduação/licenciatura. A pós-graduação não irá autorizar você a exercer funções ou profissões habilitadas através dos cursos de graduação.
Uma especialização na área de Pedagogia, por exemplo, dará a você maior compreensão do processo de ensino e aprendizagem, e esse conhecimento poderá ser aplicado em qualquer atividade que não exija um diploma em Pedagogia, mas não substitui um diploma de pedagogia caso o seu interesse seja trocar de área de atuação.
Isso se deve ao fato de que a especialização enfoca aspectos específicos da área profissional a que se destina, com maior profundidade, enquanto na graduação se procura dar uma formação ampla e completa.
A IMPORTÂNCIA DA PÓS-GRADUAÇÃO
A escolha por um curso de pós-graduação precisa fazer parte de uma estratégia traçada com o intuito de alcançar um objetivo profissional. Um curso de pós-graduação em psicologia pode ser interessante para um administrador se esse curso for ajudá-lo a desempenhar melhor suas funções como administrador. Uma pós-graduação em psicologia jamais possibilitará a um administrador abrir um consultório, por exemplo.
E mesmo que um curso de pós-graduação em uma área diferente seja interessante no desempenho das atividades na sua área de formação, é preciso ainda ser aceito pelos cursos de pós-graduação. Cursos de pós-graduação sctrito ou lato sensu de instituições sérias costumam selecionar candidatos com a área de formação específica daquele curso.
AS EXCEÇÕES
Algumas poucas pós-graduações habilitam os profissionais a atuarem em competências que não possuíam apenas com a graduação. Essa habilitação por um curso de pós-graduação geralmente acontece em duas situações: em cursos de graduação com formações muito semelhantes, que possuem apenas uma ou duas disciplinas diferentes que habilitam determinada função; ou em casos em que uma habilitação não está relacionada (ainda) especificamente a nenhum curso de graduação, ou seja, que ainda não seja atribuição de nenhuma profissão.
http://posgraduando.com/blog/a-pos-graduacao-habilita-a-atuar-em-uma-area-diferente-da-graduacao


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…