ABAIXO OS SEGUIDORES DESTE BLOG OBRIGADO POR ACOMPANHAR NOSSO BLOG.

Seguidores

sábado, 14 de fevereiro de 2015

Dificuldade de Aprendizagem e as Controvérsia entre Família e Escola


Dificuldade de Aprendizagem e as Controvérsia entre Família e Escola

1. Introdução

O objetivo deste trabalho foi investigar as causas de deficiência de aprendizagem, utilizando como ferramenta para a pesquisa anamnese, provas operatórias, EOCA, par educativo em criança com queixa de dificuldade de aprendizagem, e analisar em que medidas as informações obtidas na entrevista inicial e sessões realizadas, permitem complementar o diagnóstico.
Tem-se a hipótese de que as provas operatórias possibilitam a análise da estrutura cognitiva do indivíduo, que apresentaria comprometimento em sua estrutura cognitiva, e as provas seriam instrumentos de avaliação que pode favorecer o diagnóstico possibilitando ao profissional que dela utiliza informações que contribuirão no processo de encaminhamento, diagnóstico e conclusão do caso.
O trabalho clínico caracteriza por possibilitar reflexões, observações e mudanças examinando-se os diferentes caminhos existentes na produção do conhecimento.  Assim, o psicopedagogo em vez de preocupar-se com o ensino do professor, empenha-se em perceber o modo como o professor aprende e como este profissional funciona na mediação do aluno na busca do conhecimento, quais os seus pontos de paralisação, quais são suas atualizações de conteúdos, quais os seus bloqueios pessoais, para assim o auxiliar de modo adequado para alcançar o aluno com transtorno de aprendizagem.
Com base em VIGOTSKY (1989), o desenvolvimento de um indivíduo caracteriza-se, de início, pela ação que transcorre sob condições de dinâmicas, mudanças no organismo, o desenvolvimento cultural se encontra sobreposto aos processos de crescimento, maturação e seu desenvolvimento orgânico.
Assim a criança tem naturalmente seu desenvolvimento orgânico natural e cresce modificando-o ao longo da sua vida, porém as que apresentam transtorno de aprendizagem sofrem alguns preconceitos dentro da sala de aula, na família e em seu convívio social.  
Logo, o profissional em psicopedagogia deverá funcionar como um assessor psicopedagógico, e suas atividades seriam levantamentos, compreensão, análise das práticas escolares e suas relações com a aprendizagem, junto com a equipe escolar promoveria assim a construção de novas práticas produtoras de uma melhor aprendizagem.  
A nossa investigação trata-se de uma criança que: em leitura lê de forma lenta e silábica, comete erros, troca, omite ou acrescenta letras, e apesar de ler com dificuldade não consegue captar a idéia central do texto;
Na escrita, déficit na capacidade de escrever corretamente palavras isoladas e problemas com a escrita dos dígrafos, além de erros ortográficos não escreve corretamente, escreve como lê as palavras, dificuldades na escrita de frases e textos, organização de idéia no papel, com erros de elaboração superficial das informações e conteúdo pobre.
Em matemática: apresenta discálculia, com dificuldade de realizar computação matemática, compreender os conteúdos, memorizar os cálculos básicos como tabuada. A sua dificuldade consiste em transformar os problemas matemáticos verbais em procedimento e cálculos adequados. 
Após realizar análise dos dados obtidos na entrevista inicial com a família, com a criança e a escola, foi levantada algumas hipóteses iniciais referentes à problemática em questão, em seguida realizou-se o processo de avaliação diagnóstica do crescimento e desempenho educacional da criança observada, as formas de aprendizagens, identificando as áreas de competência, suas limitações, objetivando entender as origens das suas dificuldades de aprendizagem.

2. Fundamentação Teórica


Para obtenção de um diagnóstico de problemas de aprendizagem faz-se necessário questionar a psicopedagogia clínica como uma proposta articulada, com o objetivo de perceber como a criança aprende frente às experiências vividas no cotidiano da instituição.
Desse modo conforme SANTOS (2007), a concepção de aprendizagem apresentada pela Epistemologia Convergente relaciona-se ao esquema evolutivo da aprendizagem, por meio das relações vinculares. Refere-se aos aspectos afetivos e também cognitivos que se demonstrar desde o nascimento, na interação, com a função matermante, crescendo-se as relações para a família, escola e comunidade.  Portanto o aprender não se restringe à escola, porém, é essencial ao desenvolvimento do indivíduo durante sua existência, por meio das interações com os outros. 
VISCA (1987) afirma que os vínculos afetivos que o indivíduo fixar com o objeto da aprendizagem, possibilitam impedimentos ou possibilidades. Assim sendo, a aprendizagem está associada aos aspectos das vivências cotidianas.
 Rosa (2006) conceitua a dificuldade de aprendizagem, como sendo um impedimento de um bom desempenho intelectual, vinculado a problemáticas emocionais associados a conflitos familiares não explícitos.
Assim, para entendermos como se processa a aprendizagem, vejamos o que diz Kaplan, (990 p.19) “a aprendizagem pode ser definida como mudança no comportamento que resulta tanto da prática quanto da experiência”.
E ainda conforme Campos (1986) a aprendizagem é definida como mudança sistemática de comportamento em indivíduo, por eficácia da prática ou experiência desenvolvida.
Já WEIS (1989) acreditamos que todos os momentos da prática diagnóstica da psicopedagogia clínica, devam ser vivenciados em seus aspectos afetivos, cognitivos, corporais e pedagógicos, incluindo ainda dados de origem emocional em uma prova operatória, e, dados cognitivos em testes projetivos.
PAIN (1985, p.60) sustenta que as provas projetivas tratam de desvendar quais as partes do sujeito depositadas nos objetos que surgem como suporte da identificação e que mecanismo atua diante de uma instrução que obrigue o sujeito a realizar atividades.
VISCA (1987) destaca que faz-se necessário a existência de um instrumento conceitual que crie a ponte entre aspectos gerais da investigação do diagnóstico, portanto, o caso particular que se está pesquisando deve ser focado. Destacando assim as provas operatórias.   
WEIS (1989) (as provas operatória tem como objetivo) O objetivo das provas operatórias é determinar o grau de aquisição de noções chaves do desenvolvimento cognitivo, aportando o nível operatório de pensamento sistêmico da criança, e o nível da estrutura cognitiva que lhe opera.
O nível de conhecimento da criança sendo identificado torna-se possível um diagnóstico preciso, são os devidos cuidados necessários para auxiliar a criança a vir desenvolver melhor suas atividades escolares em sala de aula. Mas, é preciso saber como se dá o seu processo de aprendizagem.    
De um modo geral, quaisquer que seja o autor que se busque uma conceituação sobre aprendizagem, surge de modo claro e evidente os termos: mudança no comportamento humano.
Sabe-se que existem também os problemas orgânicos advindos da biologia existenciais e que os problemas orgânicos impedem algumas ações e dificultam outras, e uma das metas da intervenção é propiciar modo particular de ação modificando alternativas aos impedidos pela deficiência primária.
Para a psicologia Piletti (2002) que discorre sobre a influência de fatores biológicos e do ambiente, ela enfoca de forma geral, no sentido de dar ênfase a interação entre esses fatores que surgem desde o período pré-natal, e isso torna praticamente impossível à atribuição de um determinado efeito específico, de um desses pólos. Essa discussão sobre a interação entre fatores também deveria estar presente no discurso direcionado para as pessoas com deficiências de aprendizagem.
Quando uma criança nasce com baixo escore na escala de desenvolvimento, ou apresenta baixos resultados em testes de inteligência ou habilidades, procura-se identificar prováveis causas e logo se estabelece um prognóstico para seu desenvolvimento.
A busca de causas normalmente se detém na identificação de correlações entre resultados baixos e certas condições orgânicas, que explicam esses baixos resultados. A atribuição de casualidade a fatores orgânicos costuma ser direta a condição orgânica. Assim, a condição orgânica explica o baixo desempenho da criança.  
Para Barbosa (2001), cabe ao psicopedagogo clínico no fracasso escolar, saber como se constitui o sujeito e como este se transforma em suas diversas etapas da vida. Quais os recursos de conhecimento que ele dispõe a forma pela qual produz conhecimento e como aprende, além de identificar de que modo se dá a aprendizagem e verificar as influências externas. 
Deste modo sem um diagnóstico e um atendimento individual à criança, dificilmente a escola auxiliará o aluno a vencer esses problemas de aprendizagem.
De forma geral conforme Pilette (2002) a dificuldade de aprendizagem pode ser caracterizada sobre duas perspectivas: dificuldade de aprendizagem decorrente de desordens neurológicas que interferem na percepção, integração, ou até de informação, caracterizando-se no aluno e na realização escolar; dificuldade de aprendizagem relacionada na aprendizagem que reflete numa incapacidade na leitura, escrita, desenvolvimento de cálculos para aquisição de aptidões sociais.
Porém, é preciso considerar os efeitos emocionais que essas dificuldades acarretam, possibilitando o agravamento do problema. Sendo assim, se a criança tiver rendimento escolar sofrível, na maioria dos casos será vista como um fracasso pelos professores, colegas, e familiares. Com isso, infelizmente, muitas crianças sofrem, agravando mais a sua situação, e isso poderia ser evitado com o auxilio de um psicopedagogo, da família e da escola.

3. Apresentação do Caso

Tivemos conhecimento deste caso através de uma informação por parte da professora. A queixa foi apresentada por ter observado uma instabilidade no desenvolvimento de uma criança com relação às demais crianças da sua classe, que ler com dificuldade e não consegue entender a idéia central do texto, tem dificuldade para escrever corretamente, problema de esquecimento, pronúncia dos dígrafos, troca ou omite letras, logo escreve como lê. Em matemática, dificuldade de realizar operações, tem raciocínio lento para memorizar os cálculos.
Ao visitarmos o estabelecimento de ensino e nos apresentarmos como estagiárias do curso de pós-graduação da Faculdade São Luis de Franca na área de psicopedagogia, a direção nos recebeu e nos cedeu uma sala para a realização das sessões com a criança.
Marcou um encontro nosso com a genitora da criança e esta, com toda satisfação, concordou com o trabalho que iríamos realizar para auxiliar a sua filha, nos relatando que na realização das tarefas de casas a garota é muito insegura e chega a ficar nervosa com os irmãos, ressaltou ainda que a leitura da filha seja ruim, escreve poucas palavras e na maioria das vezes ou faltando letras ou com acréscimos, tem dificuldade na pronuncia do “r”, junção de sílabas e esquecimento rápido.
Desse modo, colhemos as informações necessárias para darmos seguimento ao nosso estudo. Assim foi realizada a anamnese com a mãe, na qual consta toda informação da sua história de vida uterina, clínica escolar e familiar. Explicamos à mãe o papel do psicopedagogo e área de atuação, os objetivos e finalidades das visitas e informamos como iríamos desenvolver as nossas sessões com sua filha. A mãe concordou e se prontificou a cumprir os horários.
Sendo sabedores de que o ambiente sócio-afetivo e intelectual da classe é uns dos grandes responsáveis pela maneira como as crianças se desenvolvem na escola. E que faz-se necessário que este ambiente não seja autoritário, mas, humanístico e igualitário para que a criança possa ter um bom desempenho escolar.
Tendo como principal foco de trabalho para levantamento de hipóteses a queixa da professora, que a aluna não conhece todas as letras do alfabeto, apresenta dificuldade na leitura e na escrita, não acompanha as atividades programadas e tem um rendimento geral muito baixo. Um dos agravantes, segundo a própria professora, é que suas atividades não vêm sendo respondidas pela aluna, mas sim por terceiros, logo existe a falta de acompanhamento e motivação por parte da família.
O problema de aprendizagem pode estar originado na falta de acompanhamento dos pais em suas atividades escolares, pois como vimos anteriormente, segundo a professora, não há um acompanhamento escolar da criança por parte dos pais. E ainda observamos que existe sempre uma comparação feita por parte dos pais referente ao desenvolvimento escolar de sua irmã menor que não apresenta dificuldade de aprendizagem na escola e é bastante desenvolvida acompanhando o processo escolar; o que pode influenciar e afetar de forma negativa o fator emocional desta criança. 
De acordo com Coelho (1998), o professor deve ter noção do que é normal, problemático ou anormal no comportamento da criança, evitando rotulação. Que muitas vezes é colocada na criança como portadora de aprendizagem quando a mesma não acompanha a metodologia ou a criança não efetua o que se espera de uma programação pré-determinada pela professora.
Para Piaget (1978, p.19) o indivíduo não nasce pré-formado cognitivamente e nem o domínio do conhecimento e advindo da natureza exógena. Dessa forma, o aspecto do comportamento intelectual são relações genotípicas e o meio.
O desenvolvimento cognitivo é um processo que acontece em todo o indivíduo e possui característica seqüencial, isto é, ocorre em fase que depende de outros estágios no indivíduo.
A problemática abrange o relacionamento difícil com o meio e as pessoas com as quais se relacionam. Já na criança, aparecem em dificuldades emocionais, sensibilidade, rejeição, sentimento de inferioridade, ou infantilização.

4. Identificação da Criança e da Família

Todo o diagnóstico psicopedagógico inicia-se investigando o que não vai bem com a criança, em relação ao que é esperado dela, seja pela escola ou pelos familiares, trata-se de uma criança de dez anos, do sexo feminino, uma aluna de escola pública Estadual, mora com seus pais e seus três irmãos. Iniciou sua vida escolar com três anos de idade numa escolinha particular.
Filha primogênita de uma gravidez planejada. Seu parto foi normal. Desde muito cedo adorava brincar. Começou a estudar aos três anos de idade em uma escola particular, que talvez não tenha tido uma metodologia adequada para ensinar a criança, e isso pode ter prejudicado o desenvolvimento da criança em questão.
A identificação das dificuldades de aprendizagem se constitui numa tarefa de fácil realização, porque na maioria das vezes se apresenta associada a outros comprometimentos. Cabendo assim ao psicopedagogo, buscar não somente compreender o porquê do indivíduo não aprender, mas, o que ele pode aprender e como, e esta busca inicia-se no processo diagnóstico, momento em que o foco e a leitura da realidade do sujeito para realizar a intervenção que já e o próprio tratamento ou encaminhamento.
O ambiente escolar é muito importante para a evolução da aprendizagem, pois os vínculos de interação facilitam a aprendizagem da criança, pois ela se sente segura com pessoas ao seu redor. A confiança na escola e no professor facilita a relação ensino-aprendizagem que precisa estar muito bem relacionada para que aconteça um bom desenvolvimento da aquisição de conhecimento.
A atuação do professor junto ao aluno é muito importante no processo de sua evolução escolar.  Assim, para atentarmos melhor esta condição vejamos o seguinte: Kanichi (2007), isso reside no fato deste se colocar numa postura mais próxima da criança, numa atitude mais de troca do que de conhecedor de verdades e, especialmente, de profundo respeito pelo ser humano. Acreditamos que, apenas assim, a criança possa sentir-se suficientemente acolhida para poder, quem sabe, acreditar naquilo que é e pode vir a ser.
No artigo intitulado o desafio de democratizar a escola PHILIPE MERIEU (2008) diz que o professor deve saber o que vai ensinar (...) é preciso mobilizá-lo e incentivá-los a aprender (...). O educador tem de ser vivo em classe, porque transmite a vida, a cultura e os saberes vivos da humanidade. E ainda que o processo de aprendizagem só ocorra quando o aluno consegue transferir a aprendizagem para outras situações em sua vida.
Para tanto, faz-se necessário à criação de um ambiente específico propiciado pelo professor. E como seria este ambiente propicio a um bom relacionamento entre alunos e professor? Um ambiente onde demonstra confiabilidade condutora para o aluno ser espontâneo, questionador, decidido, encorajando ao desenvolvimento de sua autonomia.
Reconhecendo que cada ser humano tem um ritmo de aprendizagem, que é singularidade do seu particular. E a aprendizagem é um processo gradual que acontece passo a passo, de acordo com ritmo de cada indivíduo. É um processo pessoal onde cada pessoa é responsável pelas próprias conquistas e que depende do seu empenho e capacidade e da condição do meio que oportunizar bloqueio ou conquista.

4.1 Dados da entrevista familiar

Filha mais velha, sua mãe teve mais três irmãos, os quais criam com auxilio do pai que vive de vendas em feiras livres. Mora em casa própria com três cômodos.
Tem uma boa alimentação. A mãe trabalha em feira livre e enfrenta dificuldade para estar em casa. A menina fica em casa na parte da tarde cuidando dos seus irmãos e realizando algumas tarefas domésticas, enquanto a mãe está trabalhando.

Dados da informação da escola

Segundo expôs a coordenação, a escola utiliza em sua prática a leitura, escrita e projetos. Em dialogo com a professora, fomos informadas que criança não se expressa bem, porém, tem boa percepção auditiva, rítmica e visual. Não apresenta equilíbrio, coordenação e apresenta grande dificuldade na absorção e reprodução dos símbolos escritos e na escrita. No seu desenvolvimento social tem um bom relacionamento com os colegas e com ela própria.
Nas atividades escolares não responde os deveres, lê sílaba por sílaba, não pronuncia os dígrafos corretamente. Em sala mostra-se bastante desatenta e afirma que não sabe. Tem dificuldades na escrita, não parece motivada para estudar. Diante desta observação, acredita-se a falta de atenção devida da família, talvez seja a causa de sua dificuldade de aprendizagem.

Análise crítica das informações e hipóteses iniciais

Após analisarmos os dados obtidos nas entrevistas foram levantadas algumas hipóteses, que no decorrer das sessões foram sendo esclarecidas. A família não consegue ajudá-la por não entender o porquê das dificuldades apresentadas por sua filha mais velha, por que ela é diferente dos demais irmãos, sendo assim, constantemente sua mãe lhe faz comparação com seus irmãos. 
Quanto à escola a coordenação afirma que: “faz o que está ao seu alcance”; quanto à professora, não demonstra interesse, pois acha que a criança é um caso “irreversível”. Diante de tudo isso fica com clareza a convicção de que faz-se necessário à formação de uma escola transdimensional com uma direção para auxiliar os professores em reuniões pedagógicas a buscarem conhecimento como alcançar alunos deficientes, promovendo assim discussão contínua no processo de aprendizagem, esta poderia iniciar-se com os professores locais trocando experiência entre si, a coordenadores um empenho maior em classe como suporte para os professores, logo estamos tratando da prática de articular saberes, para os professores uma maior reflexão no seu papel de ensinante e o reconhecimento que saberes é vida.  
Trata-se de um caso em que a criança apresenta sintomas de um provável caso de uma escola desestruturada, sem metodologia adequada, com uma direção dispersa sem uma centralização de saberes, e repartição de obrigações.  
Então o que se fazer para auxiliar está criança que apresenta esta dificuldade? Como propiciar esta escola ideal? Como auxiliar a criança a desenvolver suas habilidades escolares?
Para um melhor esclarecimento vejamos o que diz Gardner (1995), quando ele fala sobre uma escola ideal que se baseia na suposição de que nem todas as pessoas têm os mesmos interesses e habilidades; nem todos aprendem da mesma maneira.  E agora nós temos instrumentos para começar a tratar dessas diferenças individuais na escola.
E ainda uma escola centrada no indivíduo seria rica na avaliação das capacidades e tendências individuais. Esta escola procuraria adequar os indivíduos não apenas a áreas curriculares, mas também a maneira particular de ensinar.
Para tanto, a tarefa do professor seria atentar e compreender as capacidades e interesses dos alunos de uma escola, sendo capaz de observar especificamente e diretamente as capacidades pessoais e capacidades especiais e não através da inteligência lingüística e lógica da matemática.
Isso possibilitaria que determinado aluno deficiente revelasse seu potencial e capacidade em áreas bastante diferentes e isso facilitaria o nosso olhar para área até o momento para a nossa forma obscura de ensinar.
Assim, o planejamento de uma escola ideal como ambiente inovador e criativo, encontraria as possibilidades de favorecer opções não disponíveis nas escolas para crianças que apresentam perfis cognitivos incomuns.
Esta sugestão parte da preocupação que temos com as crianças que não acompanha a metodologia do professor na escola, e que, consequentemente, tendem a ser consideradas como deficientes na aprendizagem.
Todavia, o que estamos discorrendo é uma tarefa difícil, e isto pode ser visto e até considerado utopia, mas, acreditando na educação e com empenho ressignificando o nosso papel como educadores, seremos capazes de alcançá-lo.
Desse modo conforme Gardner (1995), uma escola com visão pluralista da mente, que reconhecessem muitas facetas diferentes e separadas da cognição, identificando nas pessoas diversas faces diferenciadas e estilos cognitivos. Assim desprendendo-se da metodologia, e ao invés disso, observar a informação pessoal, ou seja, sua singularidade individual do ser como indivíduo alcançando à criança.   

5. Processo de Avaliação

A escola é um ambiente ideológico do estado, que visa atender aos interesses das classes sociais dominantes, e, possui o apoio inconsciente dos professores e equipe escolar.
A psicologia discorre sobre a influência de que os professores exercem sobre os alunos, a respeito de sua realização escolar. E afirma que as crianças de quem os professores esperam um maior desenvolvimento intelectual se desenvolvem mais que os demais em sua classe.
No diagnóstico da criança utilizamos instrumentos variados, a fim de verificarmos reações e respostas da criança frente a situações diversas. E querendo averiguar a queixa da escola e analisar as preocupações da mãe e da professora, bem como as carências afetivas demonstrada pela criança na primeira entrevista, eram veículos de impedimento no seu aprendizado.
Assim os instrumentos de avaliação utilizados foram:
  • Entrevista com a família;
  • Entrevista com a professora;
  • Anamnese;
  • Provas projetivas;
  • Provas psicométricas;
  • Provas operatórias e EOCA.
1ª Sessão
Nesta sessão, a criança demonstrou um pouco de ansiedade, embora já tivéssemos nos encontrado no dia da primeira entrevista com a mãe. Mostrava-se apreensiva por está diante de um projeto de intervenção.
Explicamos que ela iria participar de um trabalho onde teria a liberdade de escolher objetos que mais lhe agradasse, ela sorriu timidamente. Mostramos a caixa da EOCA com material de desenho, pintura, folha de papel oficio, livros didáticos, jogos como: dama, dominó, folha dupla, lápis, lapiseira.
Assim percebemos que a menina parecia passiva diante da EOCA. Então lhe perguntamos: não gostaria de saber o que tem na caixa? Timidamente ela perguntou: eu posso? Nos lhe asseguramos que sim. Então perguntamos: Porque pediu se já havíamos dito que fora trazido para você? Ela respondeu que é preciso pedir para pegar nos objetos foi assim que a mamãe lhe havia ensinado.
Timidamente ela começa a pegar os objetos, a principio apreensiva, após alguns segundos demonstrava maior interação. Envolvida com os objetos confessa-nos que queria ser cantora quando crescer.
Ao pegar na dama a menina ficou bastante curiosa, e demonstrou interesse nos jogos educativos, em seguida nos convidou a jogar com ela. Mas assim que iniciamos o jogo percebemos que ela não conhecia as regras do jogo e passamos a lhe ensinar, como não conseguia vencer, começou a recuar constantemente em cada jogada. Foi quando nos contou que jogava sempre este jogo com a prima e ganhava sempre. Então lhe sugerimos que fizesse o mesmo conosco. Acreditando na hipótese de que não venceria.
2ª Sessão
Nesta sessão pedimos que a garota fizesse um desenho livre, então ela desenhou um girassol. Pedimos para ela escrever o nome daquele lugar e no mesmo momento percebemos que ela escreve como fala, ao ver a caixa de lápis de cor decidiu pintar o desenho. Durante a pintura ela me falou: eu gosto deste lugar. Onde fica? É uma chácara da amiga de minha mãe.
O desenho reflete uma estória em com relação à vida emocional, onde predominam a fantasia inconsciente, por isso constitui-se em penetrantes meios auxiliares do profissional e objetiva atingir diretamente os distúrbios principais. Assim trata-se, pois de recursos importantes de avaliação, acompanhamento e terapia das dificuldades de aprendizagem.
Em seguida havíamos levado o alfabetário e pedimos a ela que nos mostrasse quais as letras que ela conhecia ela disse letra por letra sem errar nenhuma.
Ao fim da sessão, em diálogo com a mãe foram nos esclarecidos alguns dados fundamentais para caracterização do caso:
Histórico da criança;
Relações Familiares;
Características Comportamentais;
Como a menina vê a escola;
Qual a rotina de vida da criança;
Motivação para a consulta.
3ª Sessão
Ao chegarmos, a criança perguntou o que iríamos fazer hoje. Nesta sessão colocamos a EOCA com alguns jogos como vareta, bingo, bonecos em miniaturas, para que a criança organizasse a família, jogo educativo para montar um castelo, para ela organizar todos os objetos, formando assim o seu ambiente, ela não teve qualquer dificuldade em assimilar as regras do jogo educativo do castelo e organizou em prédio e disse que o maior era ela e o segundo a outra irmã.
Pedimos para ela fazer um desenho qualquer que estivesse em seu coração. Para a realização desta tarefa foi preciso uma segunda explicação para que ela compreende-se o que foi pedido.
Ficamos surpreendidas com o desenho que ela fez foi à professora tentando se levantar para explicar o dever de casa mantendo certa postura de distanciamento entre elas e seus colegas.
E assim levantou-se, pegou um jogo que estava na caixa da EOCA e começou a jogar, observamos o quanto o lúdico a atraia, tentamos colher mais informações e perguntamos sobre o desenho. Ela foi identificando lugar de assento e nomes dos colegas apenas com certa lentidão nas lembranças. 
4ª Sessão
Usou-se uma estratégia onde colocamos animais em tamanho miniatura. Era um jogo onde se organizava os animais na ordem crescente, para a criança organizar espontaneamente cada animal formando o seu circo ecológico. Ela apresentou dificuldade em assimilar e organizar diferencia de proporções. Não obedecendo às regras do jogo.
Assim, identificamos que a criança não sabe distinguir maior ou menor pelos objetos presentes ela não diferencia e representa identificando maior e menor nos objetos presentes.
Em seguida a menina pegou os números para brincar e lhe pedimos para organizar em ordem crescente. Averiguarmos que ela conhece a ordem dos números naturais até 30. E com um jogo seninha ela quantificou realizando assim pequenos cálculos.
5ª Sessão
Estava na escola antes do horário, mostrou-se bastante eufórica e perguntou por que demoramos, dissemos que não havíamos demorado ela é que estava adiantada. Assim elogiamos sua pontualidade e entramos no consultório e dando inicio ao trabalho.
Para analisar sua concentração oferecemos um jogo de memória, observamos que ela se concentrava com facilidade, apenas no inicio precisou de orientação, mas ao final conseguia arrumar as peças e identificar onde estavam as peças do jogo de memória sem hesitação.
Em seguida mostramos a EOCA que tinha o alfabeto móvel em EVA solicitamos que ela ordenasse as letras, a criança colocou todo alfabeto na folha apenas com um pouco de lentidão e ainda associou letras a figuras.  
6ª Sessão
Combinamos que naquela sessão ela receberia uma atividade onde teria que formar palavras a partir de silaba aleatórias. Mostrando bastante entusiasmo, ela conseguiu formar palavras sem o nosso auxilio e ainda soletrou sozinhas as palavras. E mais uma vez, o que nos chamou a atenção foi que ela escrevia como lê a exemplo da palavra pau que pode ser confirmada nos anexos.
Na prova de quantificação da inclusão de classes, não conhecia margaridas e chamou rosas de margaridas e margaridas de flores. Mas ao passarmos para a segunda pergunta onde identificamos na separação rosa e margaridas, ela rapidamente aprende e ao ser perguntado responde que o ramo de margarida é maior.
Assim, nesta prova a criança apresentou conduta própria de um pensamento pré-operatório, apesar da oscilação alternando sua resposta por não identificar, ou seja, em seu primeiro momento, mas quando ela ouviu dizer quem era a margarida ela fez a separação.
7ª Sessão
Ao nos ver, a menina ficou sorrindo e perguntou se tinha novidade, ao levamos até a sala e entregamos uma tarefa envolvendo formas e cores ela se destacou muito bem.
Na prova de classificação de mudanças de critérios, distinguiu cores e as formas diferentes de figura, separando-as pelo tamanho, cores. Correspondendo assim ao pré-operatório, discernindo tudo que lhe foi atribuído.
Observamos que existe uma falta de interesse dela em explorar livros, desse modo foi lhe oferecido alguns livros de historinha, assim ela leu a historinha do livro infantil apenas um pouco devagar, mas em fim com boa desenvoltura.
8ª Sessão
Ao chegarmos encontramos a criança já nos esperando. Saudamos cordialmente e em seguida ela disse que essa sessão demorou a chegar.
Na prova de interseção de classes, respondeu sobre algumas quantidades de fichas. Trabalhamos também as provas do grau de conservação de quantidade de líquido e em toda a transformação realizada na prova de conservação de massa, as respostas aos questionamentos oscilavam alternando entre conservação e peso. Tais condutas intermediárias são próprias do pensamento operatório concreto em seu primeiro momento.
Em nível de construção cognitiva, a menina apresentou durante estas provas, conduta própria de um pensamento pré-operatório apesar da oscilação alternando suas respostas, é o que demonstra neste primeiro momento.
9ª Sessão
Ao chegamos ao consultório ela já estava nos esperando, entramos no consultório e lhe entregamos uma atividade onde ela teve que formar o maior número de palavras a partir de letras aleatória do alfabeto em EVA para averiguar se ela conseguia ordenar as letras e formar palavras.
Entregamos a folha e as letras do alfabeto em EVA com a finalidade de lhe incentivar a realização de tarefas escolares, despertando assim o seu interesse pela escola. Ela conseguiu formar palavras e ainda leu e o que ela escreveu na folha. E muito contente falou: eu sou inteligente não é? E respondemos: você é capaz de realizar esta e muitas outras atividades é só querer. Meus parabéns pelo seu desempenho. 
Na prova projetiva pedimos para ela desenhar uma pessoa que ensina e outra que aprende. Ela desenhou professora na sala de aula e uma criança sentada na carteira.  Com essa atividade, busca investigar a relação que ela tem em sala de aula, com sua professora e seus colegas, porém, algo que chamou nossa atenção foi o fato de ela desenhar a criança de cabeça para baixo, sendo perguntada por que ela estava assim, ela respondeu que é assim que fica na sala de aula com a professora. E ainda descreveu em seu desenho uma atividade passada por ela, apresentando assim as letras vogais.
10ª Sessão
Usou-se uma estratégia com música para observar esquema corporal dela e sua lateralidade. A menina apresentou uma mobilidade normal de seu corpo com movimentos normais adequado à música.
Em seguida solicitamos a ela para desenhar a planta da sala de aula e indicar seu local preferido da sala. A criança desenhou a si mesma e os colegas na fila para o lanche todos de modo ordenado em fila. Quando solicitamos para ela identificar o nome dos colegas da turma ela lembrou-se lentamente um a um.    
Por fim lhe foi entregue palavras aleatórias para ela formar frases. O nosso objetivo era perceber seu pensamento e concordância nas palavras. A criança fez a atividade e ainda leu para nós o que formou perguntando se estava bom, dissemos que ela foi brilhante e lhe demos parabéns pelo sucesso na ordenação das palavras. Não foi formada nenhuma de modo incorreto.

6. Devolutiva

Para a criança
De modo amigável, dissemos a criança que durante todo o processo de intervenção clinica aprendemos muito no decorrer das sessões, lhe asseguramos o quanto ela era inteligente uma criança capaz de superar quaisquer obstáculos da aprendizagem. Fizemos questão de lhe dizer por perceber certa insegurança na realização de algumas atividades, discorremos sobre o valor da leitura e escrita de forma variada para sua idade e no fim a presenteamos com livro e uma dama.
Para a escola
Durante as intervenções, a criança demonstrou que se sente mais envolvida nos trabalhos com o lúdico e associações de matérias criativas pedagógico. Assim sugerimos que a instituição trabalhe com a metodologia de processo e não de produto, com objetivo de buscar uma sintonia entre o ensino e a aprendizagem, revelando-se capaz na formação de indivíduo ativo e com autonomia, valorizando o que o aluno produz, a forma como vive em sua singularidade.
Dissemos ainda que a criança em questão apresenta um pensamento pouco lento para organização, linguagem oral e escrita inadequada a sua faixa etária e a lentidão em algumas atividades desenvolvidas, a mesma precisa muito de estímulos e um tempo maior para assimilar a escrita e a leitura. Ela é uma criança amorosa, curiosa, inteligente, observadora, pronta para aprender. Porém, cabe a escola estimular constantemente, fazendo com que se sinta capaz para desenvolver e perceber o seu potencial.  
Foram mostrados a professora os pontos que a criança apresenta dificuldades e que a mesma consegue superá-la com algumas atividades desenvolvidas com alguns recursos utilizados.
Afirmamos ainda a importância de valorização de cada produção da mesma. E que esse processo deve ser tratado com muita dedicação considerando o tempo da criança e sua capacidade conforme a sua série e faixa etária. Sugere-se que estimule a criança a participar de jogos e o uso de materiais associativo desta maneira auxiliará a criança a romper seus temores e superar suas dificuldades. A professora mostrou-se solicitar a sugestão, porém, alegou que a escola não dispõe de salas especiais para estes tipos de alunos e que não tem recursos suficientes para tais ações.         
Para a família
No final da ultima sessão, percebemos que a mãe da criança não estava otimista, mas, nos agradeceu pelos esforços e compromisso durante as sessões. Disse-nos que sua filha estava feliz falou que chegou a pensar que a menina não iria até o fim. Afirmou que percebeu o quanto estava surtindo efeito, pois sua filha já saia de uma sessão querendo voltar para a próxima.
Assim, iniciamos a nossa devolutiva afirmando que a criança é realmente uma criança muito inteligente, capaz, criativa e bastante esperta, necessitando de atenção, ouvir elogios e ao ser comparada em hipótese nenhuma com outra criança, ficando feliz.
Relatamos que percebemos a priori uma dificuldade que a impedia no seu desenvolvimento tanto na leitura quanto na escrita, ao decorrer das sessões tivemos a certeza de nossa suspeita, o fato da menina ter um uma lentidão de raciocínio e não ter uma boa alfabetização no inicio de sua vida escolar pode ter contribuído para agravar a problemática apresentada pela criança. Ela não tinha sido alfabetizada pela escola e esse problema está refletindo no seu processo de aprendizagem. Além desse fator, constatamos também a desmotivação e desestabilidade emocional da criança.     
Propomos a mãe da menina uma dedicação maior nas atividades escolares da sua filha, e se possível um reforço escolar para auxiliá-la nas atividades já que ela falou que não tem tempo, incentivando-a a continuar, evitando compará-la no seu desenvolvimento com outras crianças e até mesmo a irmã. Mostrando-se amiga, companheira e ajudando a superar suas limitações.
Por fim, devido à suspeita de um provável quadro também orgânico, encaminhamos a aluna para um neurologista do centro de apoio psicossocial, com orientação da pediatra e assistente social. Independente dos resultados do diagnóstico neurológico, pedimos à mãe que procurasse o apoio de um psicopedagogo a fim de dar continuidade no processo de estimulação de atividades aplicadas com colagens, recortes, jogos, escrita, leitura, desenhos, brincadeiras, diálogos informais para aceleração do desenvolvimento intelectual da criança, e auxilio na equiparação da idade com a série em que esta se encontra.

Considerações Finais

Hoje, com os recursos tecnológicos e humanos que possuímos, temos a capacidade para realizar um diagnóstico centrado no indivíduo. Conquistá-lo é uma questão de vontade, esta vontade deve estar aliada ao nosso anseio de querer modificar e reescrever uma nova história na psicopedagogia. Uma história diferenciada, criativa e inovadora, preocupada em auxiliar a criança a identificar suas habilidades tornado-se um ser capaz. 
Desde o começo, o processo de intervenção era uma conquista. Realizar um diagnóstico psicopedagógico, é uma experiência que estávamos construindo. Para realizarmos essa tarefa de modo hábil, baseamos em autores de renomes, que oportunizara em seus livros, vários modelos de diagnosticar a aprendizagem de forma clínica.
E assim houve uma expectativa na eficácia do nosso trabalho clínico e também uma grande expectativa quanto ao desenvolvimento da criança, sabemos que crianças com problemas de aprendizagem precisam de maneiras dinâmicas de elaborar atividades escolares. Elas não sabem como centralizar-se, aplicar estratégias de aprendizagem, não apresenta habilidades normais de estudos. Têm uma tendência a serem alunos passivos em área por não saber como aprender.
Na primeira sessão estávamos ansiosas, todavia, a ansiedade foi dando lugar à familiarização com os recursos utilizados, tivemos o privilégio de dispor de um consultório privado em estágio clínico durante quinze dias, que foram de fundamental importância para o nosso desenvolvimento e crescimento pessoal e profissional. Dessa maneira, realizamos a nossa prática.
A criança apresentou características e históricos de comportamento que indicam tratar-se de um quadro em que não houve uma alfabetização devida em sua fase inicial da escola. E ainda na escola atual parece não apresentar uma metodologia que auxilie a criança a romper suas dificuldades, assim não poderá haver o desenvolvimento da criança em questão.
Para nós, a devolutiva foi a tarefa mais árdua, pois estávamos frente a um diagnóstico onde nós seriamos as responsáveis por tais resultados, assim levando conosco não só os nossos nomes, mas também dos professores qualificados que nos prepararam para esta tarefa e da Faculdade São Luis de Franca.
Ao conversarmos com a mãe ficamos surpreendidas com sua reação quando relatamos sua conduta inadequada diante das necessidades da sua filha, ela mostrou-se disposta a fazer o que for necessário, a fim de reverter o quadro da criança.
O processo de estágio para nós foi muito gratificante a experiência de participar do processo de diagnóstico, onde aprendemos bastante a detectar a importância de ouvir, analisar, fundamentar, ler e aplicar teste para o conhecimento abrangente em todas as áreas da vida humana e possibilitou-nos perceber que a psicopedagogia é fonte inesgotável, e nós somos apenas eternos aprendizes.
Concluímos que o trabalho terapêutico no processo clínico é uma tarefa onde devemos buscar sempre nos superar naquilo que escolhemos como profissão. Desse modo mostraremos nossas habilidades e faremos da nossa vida uma história. Uma historia singularmente nossa como os homens que fizeram à diferença na humanidade. Psicopedagogo pode haver muito, porém temos que pensar: somos únicos e insubstituíveis naquilo que estamos escrevendo na história que estamos fazendo.

Referências:

Adriana Veríssimos Veronese. – Porto Alegre: Artes Médicas, 1995
BLEGER, J.- Psicohigiene e psicologia Institucional. Porto Alegre, Artes Médicas, 1984.
COELHO, Maria Teresa. Problemas de aprendizagem. Ed. Àtica, 1998.
CAMPOS, Dinah Martins de souza. Psicologia da aprendizagem. Petrópolis: Vozes 1996.
GARDNER, Howard. Inteligências Múltiplas: a teoria na prática; trad. Maria.
PILETTI, Nelson. Psicologia Educacional. São Paulo: Àtica, 2002.
KAPLAN, Harold I. Compêndio de Psiquiatria. / Harold I Kaplan, Benjamin J. Sadock/ Porto Alegre: Artes Mèdicas, 1990.
VYGOTSKY, L S. A formação social da mente. São Paulo: Martins fontes;1987.
VISCA, J. Clinica psicopedagógica. Epistemologia Convergente. Porto Alegre: Artes Médicas; 1987.
ROSA
PAIN
Pátio, Revista pedagógica. O que realmente funciona na educação? AnoXII agosto/ outubro 2008 ISSn 1518-305X.  FNDE Ministério da educação.

fonte: https://psicologado.com/atuacao/psicologia-escolar/dificuldade-de-aprendizagem-e-as-controversia-entre-familia-e-escola

Obrigado pela visita, volte sempre.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...