Pular para o conteúdo principal

A falácia do separatismo

Esporadicamente deparo-me com opiniões de que uma das soluções para o Brasil seria permitir a separação de partes do território. Assim, supostamente porções mais ricas poderiam ficar ainda mais ricas se saíssem do guarda-chuva da Federação. E as mais pobres superar sua própria pobreza, em passe de mágica, supostamente por escapar do “imperialismo” interno. Obviamente esses são argumentos estúpidos, que não se sustentam.
O meu argumento é duplo contra isso, com um pólo positivo e outro negativo. O lado negativo evidente é olhar o que houve na América espanhola. Lá, a fragmentação do território, ao contrário do que houve na América portuguesa, não produziu ilhas de prosperidade. Muito ao contrário. Uma coleção de paisecos caricatos está aí para alertar:  Uruguai, Bolívia e Equador servem bem à chacota internacional. O belo exemplo do Chile é a exceção à regra. A grande Argentina está reduzida a escombros, sem que lá tenha havido guerra. A Colômbia mal saiu, se é que saiu, da guerra civil. A Venezuela agoniza sob o bolivarianismo. E o Paraguai é sinônimo de contrabando no Brasil.
Dá para imaginar o colosso que seria a América espanhola unificada!
O lado positivo está nos EUA, país continental como o Brasil, que muito enriqueceu e hoje serve de exemplo ao mundo, por sua liberdade e sua criatividade. O que seria da grande nação do Norte se as treze colônias originais tivessem se fragmentado? Provavelmente estariam fadadas à irrelevância histórica. É bom lembrar que lá a unidade da nação foi mantida por uma sanguinária guerra civil, da qual escapamos.
O maior legado do Império para as gerações atuais de brasileiros é ter conseguido construir, não apenas a unidade territorial, mas a unidade de fato do Brasil. Uma língua comum, costumes quase os mesmos e a miscigenação que, queiramos ou não, é a marca registrada do Brasil.
O argumento separatista é tolo e desprovido de razão de ser. É uma causa perdida. A conquista do território por nossos antepassados é patrimônio de todos os brasileiros. Indissolúvel. O que empobrece o Brasil não é a unidade política, mas sim a hipertrofia do Estado, que tem sugado as forças vitais da Nação, impedindo a prosperidade. A luta real é bem outra, é para expulsar os socialistas do governo e fazer prevalecer a boa política econômica, reduzir a carga tributária e cassar os regulamentos vis que impuseram canga à atividade produtiva. Precisamos renovar os estatutos da liberdade econômica e política.

* * *

Muito informativo o relatório da administração do Grupo Saraiva, publicado dias atrás nos jornais. Em seis anos a Saraiva dobrou de tamanho. Como a expansão do mercado interno de livros no período foi modestíssima, a Saraiva cresce à custa dos pequenos livreiros e editores. A Saraiva é um exemplo do que está acontecendo em todos os mercados no Brasil: a verticalização acelerada, destruindo a pequena burguesia.

Antes de ser um problema técnico ou de competência operacional, a verticalização à moda da Saraiva é decisão política. Obra do PT.

O relatório dá conta de que o faturamento contra o Governo Federal foi de 173 milhões, sendo 16 milhões no formato digital. O contrato com o Governo Federal foi 32% maior do que o de 2012. Alguém perdeu mercado e foram os pequenos produtores. Informa também a Saraiva que assinou contrato no âmbito do Pronatec. Mais um caminhão de dinheiro do governo para a gigante, contra os pequenos produtores.

Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Você sabe, o que é Apostilamento de diploma. (CNS/CES).

Gostaria de falar com os estudantes de pedagogia como eu, que existe o apostilamento de diplomas. Uma vez na aula de legislação educacional, nosso professor falou sobre o apostilamento de diplomas. Mas o que vem a ser este ato.
Apostilamento de diplomas
É o registro feito no diploma quando o aluno apresenta conclusão de estudos adicionais.
O apostilamento de estudos adicionais de cursos concluídos antes da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela Secretaria de Estado de Educação.
O apostilamento de estudos adicionais em diplomas de cursos concluídos depois da Lei Federal n.º 7044/82, deve ser feito pela escola que ofereceu o curso.
Documentos necessários: Diploma, histórico escolar.
Endereços das Superintendências

Apostilamento de Diploma Pedagogia
Vamos dar um ex.: Você que cursou bacharelado em pedagogia, pela nova lei de diretrizes, se você passar em um concurso público para a vaga de professor não poderá assumir o cargo. Gostaria de contar um caso verídico que aconteceu comigo.
Eu part…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…