Pular para o conteúdo principal

A Alfabetização Científica nas Séries Iniciais


No artigo parcial Alfabetização Científica nas Séries Iniciais, por Leonir Lorenzetti, atualmente professor titular da Universidade do Contestado e Coordenador Pedagógico Regional da Gráfica e Editora Posigraf, possui experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem e Demétrio Delizoicov Neto, atualmente professor adjunto da Universidade Federal de Santa Catarina, com experiência na área de Educação, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, abordam-se conceitos, aplicabilidades, sugestões de atividades, de metodologias de ensino, juízos de idéias para aprofundar o conceito dealfabetização e letramento, bem como a importância do trabalho realizado com saídas de campo e projetos para proporcionar a alfabetização científica.
Na visão dos autores as especificidades da educação escolar, particularmente nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental, assim como o papel da alfabetização ocupa lugar privilegiado, afirma-se que a alfabetização traz conseqüências sociais, culturais, econômicas, cognitivas, lingüísticas, para o grupo social em que seja introduzida, que orienta processualmente o indivíduo a fazer uma leitura mais objetiva do mundo sob sua ótica e ampliando sua condição de agente transformador.
Alfabetização Científica
Assim sendo, a alfabetização científica que está sendo indicada preocupa-se com os conhecimentos científicos, e sua respectiva abordagem, que veiculada nas primeiras séries do Ensino Fundamental, constitui-se num aliado para que o aluno possa ler e compreender o seu universo. Além disso, conceituam-se alguns termos com citações de diferentes fontes como alfabetizar e alfabetização.

Contemplam-se várias sugestões metodológicas, atividades e recursos de ensino-aprendizagem, assim como suas aplicações: uso sistemático da literatura infantil, da música, do teatro e de vídeos educativos, reforçando e conceituando a necessidade de que o professor pode, através da escolha apropriada, trabalhar os significados da conceituação científica veiculada aos discursos contidos nestes meios de comunicação.
Designam-se alguns momentos pedagógicos que poderão ser utilizados em sala de aula como a problematizarão inicial, organização e aplicação do conhecimento. Ainda propõe-se atividades práticas voltadas à experimentação científica, como é o caso do trabalho de campo, realizado, por exemplo, em museus, onde os alunos realizam observações diretas, interações com o meio, relacionando sua experiência e seu conhecimento.
Em análise geral, constata-se que o autor teve a preocupação em levar ao público leitor a compreensão prática e clara do assunto, com várias sugestões de atividades, métodos, propostas interdisciplinares de trabalho, adequadas ao momento atual, com emprego pessoal e social das mesmas, acrescidas de sugestões bibliográficas.
Entretanto, apresenta muitas citações, o que de certa forma restringe a autenticidade do texto no que se refere às idéias dos autores, sem prejudicar a idéia central do texto. O estilo é claro, conciso, objetivo e coerente. Dirige-se a alfabetizadores, professores da área, pesquisadores e estudantes de cursos na área educacional, mais especificamente da Alfabetização e Letramento, não havendo necessidade de conhecimentos prévios para compreensão da obra.
O método de pesquisa utilizado foi o bibliográfico, no qual os autores reúnem uma série de idéias de diferentes autores sobre o mesmo tema.
A obra não está concluída, pois está parcialmente apresentada para a realização deste trabalho. Em suma, contribui para um amadurecimento intelectual, acrescentando novas opiniões e idéias criativas para a realização de uma eficiente atuação pedagógica do professor e aprendizagens significativas para os alunos.
REFERÊNCIAS
LORENZETTI. L. DELIZOICOV. D. Alfabetização no contexto das Séries Iniciais. Ensaio Pesquisa em educação em Ciências – vol. 3, n° 1. Junho 2001. Disponível em: http://www.fae.ufmg.br/ensaio/v3_n1/leonir.PDF.
http://lattes.cnpq.br/9060725690210755
http://lattes.cnpq.br/3543012935264915 http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.jsp?id=K4785428E6
Por: Iara Maria Stein Benítez em 23/02/2012
Colaboradora do site Cola da Web


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…