Pular para o conteúdo principal

Desempregados com idade acima de 45 anos podem passar a receber PIS/Pasep


Desempregados com idade a partir de 45 anos, carentes e que não tenham fonte de renda podem passar a receber recursos dos fundos de ...

Conteúdo extra: Galeria de fotos
     
Desempregados com idade acima de 45 anos podem passar a receber PIS/Pasep
Adriana Patrocínio

Os saldos do PIS/Pasep podem ser sacados pelo trabalhador por vários motivos especiais

Desempregados com idade a partir de 45 anos, carentes e que não tenham fonte de renda podem passar a receber recursos dos fundos de participação do Programa de Integração Social (PIS) ou do Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep). É que a Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado aprovou, no dia 20 do mês passado, por unanimidade, o Projeto de Lei 142/04 que autoriza pessoas com esse perfil a sacarem o benefício. A proposta, do senador Ney Suassuna (PMDB-PB), foi aprovada em caráter terminativo e, por isso, não precisa passar pelo Plenário. A matéria agora segue para análise na Câmara, mas, segundo previsão da assessoria de comunicação de Ney Suassuna, só deve ser votada depois das eleições.

Criado pelo governo federal, através da Lei Complementar nº 7, de 07/09/1970, PIS/Pasep têm a finalidade, segundo a Caixa Econômica Federal (CEF), administradora do PIS, 'de promover a integração do empregado na vida e no desenvolvimento das empresas viabilizando melhor distribuição da renda nacional'. O artigo 239 da Constituição Federal estabelece que 'a arrecadação das contribuições para o Fundo PIS/Pasep passa a financiar o Programa de Seguro Desemprego e Abono Salarial, ficando vedada a distribuição da arrecadação para depósito nas contas individuais dos participantes'.

Para os trabalhadores cadastrados até 4 de outubro de 1988, a conta de participação representa um patrimônio individual, atualizado anualmente, gerando créditos aos participantes em forma de rendimentos, enquanto não houver saque das quotas.

Os rendimentos do PIS são disponibilizados anualmente aos trabalhadores e correspondem à rentabilidade sobre o saldo atualizado das quotas do trabalhador. Para ter direito a essa correção, os trabalhadores devem ter sido cadastrados no PIS/Pasep até 4 de outubro de 1988 e possuir saldo de quotas na sua conta do benefício.

Entretanto, os trabalhadores que se enquadrem nas situações de aposentadoria, transferência de militar para reserva remunerada, reforma militar, invalidez permanente, vítima de doenças como Aids ou câncer (neoplasia maligna), deficiência física, idade acima de 70 anos ou ainda em caso de morte do trabalhador, tem direito a fazer o saque da quota integral a qualquer momento, independentemente do calendário anual de pagamentos.

Pelo Projeto de Lei 142/04, o saque só será possível também para quem se cadastrou no PIS até outubro de 1988, além de ser aposentado com mais de 45 anos, de baixa renda e sem outra fonte de renda. Como informa o site Congresso em Foco (www.congressoemfoco.com.br), as regras para a concessão do benefício, de acordo com o projeto, serão definidas pelo Conselho Deliberativo do Fundo de Amparo ao Trabalhador (Codefat).

A proposta do senador é vista com preocupação pelo secretário-executivo do Conselho Diretor do Fundo PIS/Pasep, Onofre Soares dos Santos. 'Não há caixa disponível. Os recursos estão aplicados a longo prazo', disse Santos, citando que existem hoje cerca de 39 milhões de trabalhadores cadastrados no PIS/Pasep.

Segundo o site Congresso em Foco, no ano passado, 19 milhões de brasileiros retiraram do fundo um montante de R$356 milhões. Nesse mesmo período, 760 mil pessoas sacaram integralmente o que lhes cabia, totalizando o volume de R$687 milhões.


Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…