ABAIXO OS SEGUIDORES DESTE BLOG OBRIGADO POR ACOMPANHAR NOSSO BLOG.

Seguidores

domingo, 23 de março de 2014

Ed Física - plano geral 8 ef e 3 em



Ed Física - plano geral 8ef e 3em


UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS
PRÓ-REITORIA DE GRADUAÇÃO
CENTRO DE ENSINO E PESQUISA APLICADA À EDUCAÇÃO
SUBÁREA DE EDUCAÇÃO FÍSICA
PLANO DE CURSO 
Professor: Ms. Alcir Horácio da Silva
Turmas: 8ª séries A e B do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio
INTRODUÇÃO
A Educação Física ministrada no Centro de Ensino e Pesquisa Aplicada à Educação é reconhecida, pela comunidade escolar (professores, funcionários, alunos e pais) como uma importante disciplina curricular, que contribui para a formação integral do aluno.
Este reconhecimento foi conquistado pelo trabalho do seu corpo docente na execução das tarefas do programa mínimo curricular elaborado em parceria com professores da Faculdade de Educação Física da Universidade Federal de Goiás.
Muitos são os desafios da subárea de Educação Física para corresponder aos anseios da comunidade escolar e os problemas característicos da escola pública, repleta de contradições. Desses desafios, o mais importante, ao nosso ver, é superar a concepção de Educação Física Escolar como atividade, descrita na Lei de nº 6251/75 e no Decreto nº 69450/71, para uma Educação Física como área de conhecimento e componente curricular, capaz de contribuir na formação de um cidadão crítico, participativo, livre, autônomo, enfim, um cidadão que possa fazer uma leitura real das contradições da sociedade em que vive.
Neste sentido e para atender os objetivos propostos pela Lei nº 9394/96 (Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional), a Educação Física precisou sistematizar seus objetivos, conteúdos, metodologias e avaliações na Educação Infantil e na Educação Básica para ser efetivamente reconhecida como disciplina curricular.
Nesta perspectiva, o coletivo de professores da subárea de Educação Física optou por reconhecer a Concepção da Cultura Corporal, como concepção nossa área de estudo, capaz de atender aos objetivos propostos pelo Projeto Político Pedagógico do CEPAE.
Ao afirmar a opção por esta concepção, deixamos bem claro que não negamos outras concepções que existem na nossa área, e principalmente, não negamos também, os conteúdos específicos da nossa área de conhecimento, pois entendemos que a negação de outras concepções e dos conteúdos, seria a negação da própria história da Educação Física que é construída em cada momento histórico da nossa sociedade.
No CEPAE, defendemos a concepção da Educação Física escolar como área de conhecimento, componente da Educação Infantil e Básica, que tem como objeto central de estudo a cultura corporal compreendida como linguagem. Linguagem esta, presente e expressa pelo corpo nas várias manifestações esportivas em geral, no jogo, ginástica, dança, luta, enfim em todas as manifestações corporais do ser humano.
Essa compreensão deixa claro que o entendimento sobre o corpo deve ser ampliado da visão de um corpo consumidor, para uma visão de corpo sujeito, que na interação dialógica com os outros corpos e o mundo, se constrói individualmente e coletivamente, como constructo da sua cultura, enfim da sua história.
Nesta concepção de Educação Física escolar, as produções cognitivas, sócio-afetivas e técnicas, reflexo das práticas corporais, se materializam histórica e socialmente em bases éticas, estéticas, morais e corporais, levando os alunos à reflexão da realidade em que vive, tornando-os co-partícipe e responsáveis pela organização social, política e econômica da sociedade em que vive.
Portanto, a Educação Física no CEPAE, está alicerçada em referenciais teóricos progressistas da Educação e isto aumenta a responsabilidade da subárea em fazer com que sua prática pedagógica seja inclusiva, interativa e reflexiva na busca da construção de um homem crítico, autônomo, participativo que possa ajudar na construção de uma nova sociedade, mais humana e mais feliz.
Por fim, gostaríamos de ressaltar que nosso eixo epistemológico está coerente com o eixo de formação dos alunos do curso de Educação Física da Universidade Federal de Goiás, que para conclusão do curso, fazem seu estágio supervisionado em nosso estabelecimento de ensino, recebendo as orientações necessárias para sua formação.
OBJETIVOS
a) Aprender, compreender e apreender os conhecimentos sobre a cultura corporal, na perspectiva de sua vivência e valorização como elementos fundamentais para a visão crítica da sociedade atual.
b) Reconhecer a cultura corporal como forma de expressar uma linguagem, recurso este, necessário para a comunicação e interação entre as pessoas de diferentes grupos sociais e o mundo.
c) Aprender, compreender e apreender as atividades corporais, participando ativamente na construção e desenvolvimento das relações entre as pessoas a partir delas, buscando ainda o respeito e limites de suas potencialidades e a dos outros.
d) Estabelecer através das relações interpessoais e coletivas, atitudes de respeito à diversidade cultural, de classe, de idéias, crenças, gênero, etnia, etc...
e) adotar hábitos saudáveis de atividades corporais, de alimentação, higiene pessoal e coletiva buscando a melhoria da qualidade de vida.
f) Aprender e apreender o significado do jogo e dos esportes (seu histórico, suas regras, seus fundamentos, etc) com o objetivo de compreender as relações destes com a sociedade.
g) Contextualizar os elementos da cultura corporal e contrapor aos modelos impostos pela mídia, denunciando sua influência para o consumismo.
CONTEÚDOS
O CORPO
O corpo como identidade:
Histórico da construção da identidade do corpo e seu contexto político e sócio cultural;
Auto-estima, timidez, medo e narcisismo;
O corpo e a mídia;
A classe, o gênero, a religião e a etnia na construção de identidade do corpo;
Padrões sociais, rótulos e esteriótipos impostos à identidade;
Construção de identidade individual e coletiva;
Corpo e os valores éticos, estéticos e morais;
Violência: vários tipos (simbólica e concreta)
Sexualidade;
Aperfeiçoamento das técnicas e práticas corporais
Corpo como expressão de liberdade artística e esportiva.
Corpolatria

O corpo como estrutura e funcionamento:
O funcionamento biológico e fisiológico do corpo;
As características biométricas e fisiológicas das mudanças corporais em relação ao sexo, idade, etc...
Postura corporal;
Limites e possibilidades do corpo;
Diferenças das capacidades das valências físicas;
Efeitos da atividade física sobre o funcionamento orgânico do corpo.
O corpo e a saúde:
Alimentação, atividade física, repouso e saúde: benefícios e malefícios;
Saúde e qualidade de vida, meio ambiente, consumismo;
Os direitos sociais e a saúde: Alimentação, moradia, educação, lazer etc.;
Limites e benefícios da prática esportiva para a saúde;
Violência ao corpo;
Substâncias ergogênicas
Prevenção de acidentes, de lesões: primeiros socorros.
OS ESPORTES

contextualização sócio-política, cultural e histórica:
Origem de cada prática esportiva estudada;
Esporte na cultura escolar;
Influência sócio-política cultural;
Esportes tradicionais locais e em diferentes regiões do país
Jogos federados, olímpicos e para-olímpicos;
O esporte como patrimônio cultural da humanidade
Violência no esporte
Relações de classe, gênero e etnia
Esporte para portadores de necessidades especiais;
O esporte e os meios de comunicação;
O esporte na construção de valores morais.

Características dos esportes:
Linguagens e códigos das modalidades esportivas;
Diferenças entre esporte institucionalizado, de lazer e de rendimento;
Iniciação dos esportes coletivos e individuais: handebol, vôlei, futsal, ginástica, basquetebol, atletismo e natação;
Inclusão na prática esportiva;
Esporte e saúde;
Esportes radicais;
Regras, códigos e linhas e sinalizações:
Regras básicas, códigos e sinalizações de árbitro, auxiliares, cronometristas e fiscais de linhas;
Construção coletiva de novas regras;
O respeito às regras e aos árbitros;
Competição versus ludicidade;
Organizações de torneios competitivos;
O JOGO/BRINCADEIRA
Contextualização sócio-cultural e histórica:
Nascimento e significados dos jogos/brincadeiras;
Os fatores determinantes da classe, do gênero e da etnia nos jogos/brincadeiras;
Resgate dos jogos/brincadeiras em várias regiões do país;
Jogos eletrônicos, de computador e de azar;
Os jogos/brincadeiras como ludicidade;
Jogos/brincadeiras e suas características:
Jogos populares, recreativos,cooperativos, informatizados, adaptados, de inteligência e alternativos;
Novas tecnologias nos jogos/brincadeiras
Construção de novos jogos/brincadeiras;
As implicações dos jogos informatizados, eletrônicos e de azar na vida das pessoas;
Diferenças entre jogos/brincadeiras e esporte;
Mudança de regras;
GINÁSTICA
Contextualização sócio-política, cultural e histórica:
Origem e evolução da Ginástica (Olímpica, de academia, Rítmica Desportiva, Natural, etc...);
Historia da ginástica na Educação Física Escolar;
Ginástica como promoção de qualidade de vida e saúde;
Características, técnicas, princípios e normas:
Ginástica geral, corretiva, acrobática etc..;
Circuitos e trabalhos intervalados;
Importância da ginástica na vida dos sujeitos;
Princípios e normas;
Técnicas das modalidades;
Organização de coreografias e torneios.
METODOLOGIA
O conhecimento será tratado metodologicamente favorecendo a compreensão dos princípios da lógica dialética materialista: totalidade, movimento, mudança, qualidade e contradição.
A metodologia inicialmente deverá ressaltar o princípio do confronto e contraposição de saberes ou seja, compartilhar o conhecimento científico ou saber escolar e o saber construído no meio cultural informado pelo senso comum, na tentativa de superá-los. As atividades devem ser criativas apontando um sistema de relações sociais entre os homens e mulheres, respeitando as dimensões de gênero, raça, classe, local e credo.
Utilizaremos recursos convencionais ou não tais como bolas, redes, quadras, piscina, vídeos, retroprojetor,internet, etc. Tendo o cuidado de estar priorizando os trabalhos em grupos, buscando a criatividade e a criticidade visando a superação da meritocracia, seletividade e do individualismo.
Os procedimentos devem ser ações com o intuito de dar aos alunos chances de opinarem, discutirem e transformarem a direção social num processo, dinâmico consciente e contínuo.
Para tanto os objetivos, os conteúdos, e a metodologia apontarão para a necessidade de alunos trabalharem e produzirem durante todo o ano letivo assumindo sua cota de responsabilidade, deixando de lado a sistemática tradicional de somente participarem das atividades escolares, quando o professor responsável pela turma, estiver presente.
Nosso trabalho sendo coletivo, permitirá que, mesmo na ausência do professor responsável pela turma, haverá a possibilidade, de substituição por um membro do grupo de professores de Educação Física e/ou outro professor de outra disciplina.
As aulas de Educação Física, poderão ser realizadas fora dos espaços destinados para tais e os alunos serão previamente comunicados.
AVALIAÇÃO
Na Educação Física, a avaliação da aprendizagem, quando ela é realizada, tem sido utilizada apenas com finalidades burocráticas e, muita das vezes, leva em consideração somente a "presença" dos alunos como critério de avaliação. O privilégio das destrezas motoras, das qualidades físicas, do gesto técnico e do alto rendimento, evidencia um tipo de avaliação que privilegia a mensuração, em detrimento de outros fatores que influenciam diretamente o processo de ensino aprendizagem e, consequentemente a avaliação.
Esta forma de aferição do conhecimento, confunde e oculta importantes reflexões sobre a avaliação da aprendizagem, principalmente quando o objetivo desta, é o de classificar e selecionar os melhores alunos para disputa de torneios intra e extra escolar.
No CEPAE dentro de uma nova perspectiva de Educação Física onde, a ênfase do ensino está embasada na teoria Crítico Superadora, decidimos por fazer uma avaliação , que leve em consideração aspectos da Cultura Corporal, bem como considerar alguns critérios que possam nortear uma melhor Organização do Trabalho Pedagógico, como por exemplo, a participação (entendida como interesse e compromisso do aluno de fazer a aula, valores atitudinais como cooperação, solidariedade e outros), assiduidade, pontualidade e a produção intelectual, esta sendo considerada como todas as atividades(formais ou não) realizadas pelos alunos durante as aulas.
Decidimos também que estes critérios sejam formalizados no plano de ensino e que estes sejam explicitados para os alunos, garantindo assim a clareza de como eles serão avaliados durante o processo pedagógico.
E por fim, na perspectiva de atingirmos a concretização de nossos objetivos, realizaremos a sistemática da auto-avaliação , critério este que será trabalhado durante todo o ano letivo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
CASTELLANI FILHO, L. Educação Física no Brasil: a história que não se conta. 4º Ed. Campinas, SP:Editora Papirus, 1994.
COLETIVO DE AUTORES. Metodologia do Ensino de Educação Física. São Paulo SP: Ed. Cortez, 1992.
ESCOBAR, M.O. Cultura Corporal na escola: tarefas da Educação Física. In: Motrivivência vol. 8. Santa Catarina, SC: Ed. Ijuí/RS,1995.
ESCOBAR, M.O. Contribuições ao debate do currículo em Educação Física: Uma proposta para a escola pública. Secretaria de Educação/Pernambuco, 1990.
FREITAS, L.C. de. Crítica da Organização do Trabalho Pedagógico e da Didática. Campinas, São Paulo: Papirus, 1995.
GHIRALDELLI JUNIOR, Paulo. Educação Física progressista: a Pedagogia Crítico Social dos Conteúdos. São Paulo: Loyola, 1991.
FUSARI. J.C. A Construção do Projeto de Ensino e Avaliação. S.P, F.D.E. 1990.
LUCKESI. C. C. Avaliação da Aprendizagem Escolar. São Paulo: Cortez,1995.
UNIÃO BRASILEIRA DE ENSINO. Plano curricular Marista de Educação Básica. Belo Horizonte.2003
VILLAS BOAS. B.M de FREITAS. Avaliação no Trabalho Pedagógico Universitário. Brasília, D.F., 1996, Mimeo.


Obrigado pela visita, volte sempre.
Postar um comentário

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...