Pular para o conteúdo principal

Paulo Freire – Charlatanismo apoiado pela classe acadêmica


A velha pergunta vem à tona: Você conhece alguém que tenha sido alfabetizado pelo método do Paulo Freire e ocupe uma posição de destaque intelectual na sociedade? É bem provável que não. 

Paulo Freire foi um pedagogo que instituiu entre outras coisas um método de alfabetização pretensamente revolucionário. Segundo ele, se tal método fosse adotado, acabaria com o analfabetismo. Convenhamos, o homem que vive de sonhos padece na ilusão. Vou além: toda vez que um sonhador conseguiu incutir seus sonhos como se fosse uma mudança social, acabou em desgraça, não só ele como todo o povo que o adotou.

O que este homem fez para ostentar o título de maior educador do país? Nem mesmo o método que disse ter inventado foi criado por ele. Copiou-o de Frank Laubach, missionário norte-americano que criou o tal método de alfabetização de adultos, plagiado porcamente pelo Paulo Freire e adotado pela casta acadêmica brasileira como o que de mais valioso a educação pode ter.

Por essas e outras o Brasil anda mal das pernas (ou do cérebro). Cogita-se para 2012 que o país cairá para a 25° posição (hoje ocupa a 23°) numa disputa com 30 países sobre o desenvolvimento intelectual de jovens adultos. Onde está o “Método Paulo Freire de Ensino”? Claro, não funciona. A África do Sul e o Egito ultrapassarão o Brasil!

Já no Ranking Mundial de Educação elaborado pela ONU a coisa é ainda pior. O Brasil ocupa a 88° posição. Professores e estudiosos (sic) afirmam, segundo o último link postado, que somente agora o país está dando devida atenção para a questão educacional. Parece que se esquecem de um projeto elaborado pelo governo militar muito conhecido até pouco tempo atrás e que virou motivo de chacota por parte destas mesmas pessoas que lecionam numa sala de aula e amargam os últimos lugares na fila, o MOBRAL. Ainda que não se saiba o que é, pouca gente não ouviu falar do projeto. Ultimamente tem sido alvo de patrulhamento por parte dos adeptos do método do Paulo Freire. 

A USP, considerada poço da intelectualidade brasileira, perdeu 15 posições no ranking mundial de Universidades e está na 53° posição. Não é aceitável que o Brasil tenha tanta gente pra comer e tão pouca gente para pensar. 

Aliás, discutindo certa vez com um aluno da USP revoltado com meu blog, o energúmeno discípulo da área de humanas escreveu “aconteçe que...”. Convenhamos: 53° posição é muito para uma universidade que permite isso. A melhor universidade do Brasil não está entre as 50 melhores do mundo.

O IDE (Índice de Desenvolvimento Educacional) do Brasil é retrato fiel do povo. Não é com alegria que eu reconheço a competência chinesa por ocupar o primeiro lugar embora eu acredite que não valha à pena uma educação doutrinadora.

Num país onde o deputado mais votado precisa passar por um “ditado” diante de um juiz para poder assumir o cargo e o país inteiro para pra prestar atenção, não se pode esperar grande coisa no âmbito educacional.

Mais, nos links abaixo.

Pedagogy of the Oppressor
Another reason why U.S. ed schools are so awful: the ongoing influence of Brazilian Marxist Paulo Freire
http://www.city-journal.org/2009/19_2_freirian-pedagogy.html

Patrono da educação brasileira


Freirianismo ou Plagio?

http://marlon2008.blogspot.com.br/2007/10/freirianismo-ou-plagio.html

Pau bem dado em Paulo Freire na Gazeta do Povo

http://tomatadas.blogspot.com.br/2012/12/pau-bem-dado-em-paulo-freire-na-gazeta.html



Obrigado pela visita, volte sempre.

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…