Pular para o conteúdo principal

Grupo Anhanguera faz demissão em massa no Estado de São Paulo abrangendo 900 professores

 

Grupo Anhanguera faz demissão em massa no Estado de São Paulo abrangendo 900 professores

Em Campinas e região o número de demitidos chega a 220
No Estado 80% dos dispensados são mestres e doutores
O Grupo Anhanguera Educacional, que em Campinas responde pelas Faculdades Anhanguera FAC I, II, III e IV, demitiu cerca de 900 professores em diversas cidades do Estado de São Paulo no final de dezembro, a maioria das demissões atingiu mestres e doutores. Somente em Campinas são 123 demitidos, seguida de Piracicaba, com 60 demitidos, Limeira 20 e Santa Bárbara d'Oeste 15 professores.
O maior número de demissões ocorreu em São Paulo e no ABC, na Universidade Bandeirante (Uniban), na Universidade do Grande ABC (UniABC), na Faculdade Senador Fláquer, na Faculdade Anchieta e na Faculdade Editora Nacional (Faenac). O Sinpro ABC estima que quase 50% dos professores da UniABC tenham perdido o emprego neste final de ano.
"Nós estávamos ouvindo boatos há uma semana de que as demissões atingiriam 1.200 professores da Anhanguera em todo o Estado. O maior número de demitidos está na Uniban, universidade adquirida em setembro deste ano pela Anhanguera. O curioso é que 80% são mestres e doutores, que serão substituídos por graduados e especialistas, obviamente rebaixando os salários dos professores, reduzindo a qualidade de ensino e aumentando os lucros do grupo Anhanguera", disse Cláudio Jorge, presidente do Sinpro Campinas.
A Federação dos Professores do Estado de São Paulo (Fepesp) fará uma reunião com todos os Sindicatos já no início de janeiro para estudar as medidas a serem tomadas e para discutir as demissões em massa. As demissões serão levadas também ao MEC para que verifique a legalidade do ato.
Uniban
A aquisição mais recente do Grupo Anhanguera foi a Uniban, que custou  R$ 510 milhões. A compra ocorreu em setembro passado e a estrutura de 13 campi da Uniban (dez no Estado de São Paulo, dois no Paraná e um em Santa Catarina) entraram no pacote. 

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…