Pular para o conteúdo principal

Dica de leitura do editor do Blog: Produção escrita e dificuldades de aprendizagem

Produção escrita e dificuldades de aprendizagem

Joaquim Dolz / Roxane Gagnon / Fabrício Decândio




Formato: 12X22
ISBN: 9788575911327
Edição: 1 Ano: 2010
N. Pag.: 110
Capa: BROCHURA



Observe o texto produzido por Lucas, aluno do terceiro ano do ensino fundamental:


"Sinhor prefeito
Nos queremu que Você merole as situasão de mininos e meninas esta com defisiente físico nas Ruas ele entra na igreja e tei escada eles não entra não tei nigei para por eles la dentro e nei uma jite que eles e elas não coiese ela e ele e também não ce coiesem ele e ela porque eles e elas e defisiente e eles não e defisiente eles não pode joga Bola e nei andar de Bicicrete e nei di patis e também não pode pasia nas Ruas dos colega nei estudar Praque ele não da comta de escrever e nei ler oque ele vai fazer na escola so llarcha e brimcar na escola Dese jeito eles não podi pasar di ano

Obrigada porter Aterder o meu pidido Lucas"

Como avaliar as capacidades de produção textual de Lucas? Considerando sua idade, quais são os obstáculos que ele deve ultrapassar para redigir uma carta ao prefeito da cidade, pedindo melhorias em prol das crianças portadoras de deficiência física?
Com exceção dos erros ortográficos, quais são seus principais problemas de escrita?
Este livro é uma adaptação das propostas didáticas da equipe de Joaquim Dolz para o contexto brasileiro. Os autores apresentam um procedimento de análise de textos de alunos de escolas públicas brasileiras. O livro oferece atividades de ensino para os professores, adaptadas às dificuldades de aprendizagem mais frequentes que foram encontradas nas análises efetuadas.

Orientado explicitamente para a análise de produções escritas, este livro propõe uma metodologia que permite depreender as capacidades e as dificuldades dos alunos, autores dos textos; mostra como partir de suas capacidades e de seus erros para organizar o ensino, salientando os principais obstáculos a serem ultrapassados em função dos diferentes componentes dos textos trabalhados. Desse modo, procura, da melhor forma possível, adaptar o ensino aos aprendizes da escrita. O livro é particularmente adequado para acompanhar as atividades sobre as sequências didáticas do Programa Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro, conforme vem sendo realizada no Brasil.

Sumário:

Prefácio

Capítulo I - ENSINAR A PRODUÇÃO ESCRITA

1. Comunicação, expressão e conhecimento
2. Transversalidade da escrita
3. Uma aprendizagem precoce para sempre inacabada
4. Os componentes da escrita e do texto a escrever
5. As operações referentes à produção textual

Capítulo II - OBSTÁCULOS, DIFICULDADES E ERROS DE ESCRITA

1. A importância do erro
2. As fontes das dificuldades
3. O valor didático dos erros de escrita
4. Erros a serem identificados e hierarquizados

Capítulo III - OS GÊNEROS TEXTUAIS COMO UNIDADE DE TRABALHO

1. Os gêneros como manifestação das práticas linguageiras
2. Os gêneros como "megainstrumento" didático
3. O gênero como "facilitador" do ensino da produção textual
4. O modelo didático do gênero textual

Capítulo IV - O PROCEDIMENTO DE ANÁLISE

1. Levar em conta os objetivos prioritários
2. Reconstrução da consigna
3. Identificar os erros com a ajuda de grades de avaliação

Capítulo V - OS DISPOSITIVOS DE ENSINO

1. A revisão do texto e sua reescrita
2. As atividades escolares, dispositivos e sequências didáticas

Capítulo VI - OS TEXTOS NARRATIVOS

1. Análise de dois textos
2. A situação de produção e a consigna escrita
3. A reconstrução do gênero a partir dos índices textuais
4. O texto de Felipe
5. O texto de Vera
6. As pistas de trabalho prioritárias

Capítulo VII - OS TEXTOS ARGUMENTATIVOS

1. Análise da produção textual de Lucas: o gênero carta oficial e seu contexto de produção
2. A reconstrução do gênero a partir dos índices textuais e da situação de comunicação
3. As principais dificuldades de Lucas
4. As pistas de trabalho prioritárias


fonte: http://www.clickbooks.com.br/product_info.php?products_id=2911

Obrigado pela visita, volte sempre. pegue a sua no TemplatesdaLua.com

Postagens mais visitadas deste blog

Carta de intenção Especialização: MODELOS DE CARTAS DE INTENÇÕES

A carta de intenção deve ser endereçada a coordenação do curso de especialização de interesse do candidato enfatizando os seguintes pontos: 

1) Identificação do candidato: Nome e formação universitária. 
2) Breve introdução sobre conhecimentos relacionados ao curso. 
3) Experiência acadêmica ou profissional na área de abrangência do curso, se houver. 
4) Interesse pessoal do candidato na área. 
5) Possibilidades de aproveitamento do curso em sua atuação profissional. 
6) Expectativas em relação ao curso. 

Obs.: A carta deve ser desenvolvida em no máximo 30 linhas. 

Estas regras eu não acredito que tenham que ser seguidas a risca. Vai do bom senso. 
O candidato deverá elaborar um documento, tendo no máximo duas laudas, escrito em Arial (tamanho 12) e espaço 1,5 entre as linhas >> 
A Carta de Intenção deverá conter as seguintes informações: 
1-Os motivos de ordem profissional e intelectual que o motivaram a candidatar-se, e qual a sua perspectiva com relação ao curso. 
2-Experiência acadêmica…

Planos de Aula: Educação Física de 1ª à 4ª série do ensino fundamental.

Planos de Aula
CONTEXTUALIZAÇÃO Para que se compreenda o momento atual da Educação Física é necessário considerar suas origens no contexto brasileiro, abordando as principais influências que marcaram e caracterizaram esta disciplina e os rumos que se delinearam. No passado a Educação Física esteve estreitamente vinculada às instituições militares e à classe médica. Esses vínculos foram determinantes, tanto no que diz respeito à concepção da disciplina e suas finalidades quanto ao seu campo de atuação e à forma de ser ensinada. Por suas origens militares e por seu atrelamento quase servil aos mecanismos de manutenção vigente na história brasileira, tanto a prática como a reflexão teórica no campo da Educação Física, restringiram os conceitos de corpo e movimento (fundamentos de seu trabalho) aos seus aspectos fisiológicos e técnicos. Atualmente, a análise crítica e a busca de superação dessa concepção apontam a necessidade de que, além daque…

Gêneros Orais e escritos na escola” DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B. (resumo)

Gêneros e Progressão em Expressão Oral e Escrita. Elementos para reflexões sobre uma experiência suíça (francófona). In “Gêneros Orais e escritos na escola”DOLZ , J. e SCHNEUWLY, B.
Este livro reúne um conjunto de nove artigos de Schneuwly, Dolz e colaboradores, traduzidos e organizados por Rojo e Cordeiro, cuja análise centra-se no texto como “a base do ensino-aprendizagem de língua portuguesa.” (p.7).
1 - Apresentação: Gêneros Orais e Escritos como objetos de ensino: modo de pensar, modo de fazer. Foi na década de 1980, no Brasil, que estudos e práticas pedagógicas começaram a serem desenvolvidas tendo o texto como fundamento. De lá para cá, o texto, na maioria das vezes, vem sendo tomado como um objeto empírico através do qual se efetivam práticas de leitura, análise lingüística e produção de textos. Inserindo-se no rol de estudiosos do tema que criticam essa abordagem limitada do uso do texto, as organizadoras esclarecem que, a partir do século XXI, novas pesquisadas vêm sendo produz…